Grato aos russos, aos ucranianos e a todos os soviéticos

Neste Dia da Europa, 9 de Maio, lembro sempre, gratamente, quem deu a vida para nos livrar do nazismo de Hitler, em particular os mais 22 milhões de soviéticos que pereceram, entre os quais os ucranianos. Se hoje vivemos sem o terror nacional-socialista em toda a Europa, não é aos europeus que o devemos, mas sim a quem nos veio resgatar: os soviéticos, em primeiro lugar, e os norte-americanos que, após Pearl Harbor, em boa hora decidiram tomar como deles as nossas dores.

Desde então a Europa tem sido o reflexo do poder dos vitoriosos, divididos entre pró-americanos e pró-russos, sem rumo certo, aos tropeções dos ventos políticos que foram soprando de ambos os lados, embora do lado do regime por nós fundado e erguido – a Democracia.
A Europa feneceu após a era colonial “gloriosa”, de seiscentos até ao dealbar do sec. XX, enquanto os novos imperialismos medraram, mas [Read more…]

Não é vitória. É castigo

Em 2001, Fernando Gomes perdeu a Câmara do Porto, por castigo.

Foi o preço por ter aceite trocar a cidade do Porto, pelas delícias do estatuto de Ministro-adjunto e da Administração Interna na capital do império em 1999, em pleno mandato de Presidente da Câmara do Porto.

As gentes do Porto não gostaram da troca. E, tal como a mulher abandonada que vê à porta o marido regressado da casa da amante, porque as coisas não deram certo, as gentes do Porto bateram-lhe com a porta na cara.

Rui Rio, contra os oráculos, tornou-se presidente da Câmara do Porto, porque Fernando Gomes foi castigado pela infidelidade.

Ontem, as gentes de Lisboa não deram a vitória a Carlos Moedas: castigaram Fernando Medina.

O socialista, há poucos dias, tinha sido considerado pela esmagadora maioria dos inquiridos numa sondagem, como mais arrogante do que Carlos Moedas.

Foi a permanente arrogância de Fernando Medina, a principal razão do castigo. E o caso das informações às embaixadas – e, pior, o modo como lidou com todo o processo a salvar o seu gabinete de apoio e queimar na praça pública um funcionário -, caiu mal. Muito mal.

Até porque os valores de Abril, são queridos por muita gente que não é comunista ou sequer socialista. É gente de um centro social-democrata que sem cravos ao peito, defende, também, a democracia, a liberdade, a igualdade, o direito à manifestação, à privacidade, à inviolabilidade da sua correspondência e o respeito pela dignidade da pessoa humana. E, também, não suporta bufice. [Read more…]

E só faltam 3 dias

Presidenciais (3): os resultados nacionais

presidenciais

As urnas fecharam há 24h.

Marcelo ganhou e Portugal perdeu uma oportunidade, mas, sobre isso, nada mais acrescento.

Quanto aos resultados, algumas ideias, tipo comentador da tb & e rádio pirata:

  • Marcelo, fugindo de Passos e de Portas ganhou. É, fundamentalmente, uma vitória individual, mas que foi sentida pela direita, como um vitória. Percebo o sentimento;
  • António Nóvoa: mais de um milhão de votos para um Homem que tem de continuar ao serviço do país;
  • Marisa: fez uma excelente campanha, capitalizou o voto próximo do BE e acaba por estar no lote das que ganha. O comentário de Jerónimo de Sousa deu ainda maior dimensão à vitória de Marisa.
  • Tino: sempre disse que ele seria o vencedor entre os “pequenos”. Era notória a adesão de pessoas de outras áreas ao voto de protesto via Tino. É um homem que admiro, com coragem e que não é tão burro como alguma opinião publicada fazia crer. É um homem de trabalho que passou esta prova com distinção.

[Read more…]

Onde pára? No cartaz!

Parou  e inclinou, Bruno! O cartaz, claro.

inclinado2

Mas, ao que parece vai continuar viagem e não fica por cá.

Um boa notícia.

Nunca mais acaba a pré-época

Benfica perde com o Marítimo

Obrigado MALTA

enzo

O Nobel para os habitantes do corvo

Zero! É obra! No Corvo o PSD teve ZERO votos!

Custou, mas foi

Braga afastado – a ousadia paga-se!

O Sporting Clube de Braga foi derrotado na taça de Portugal pelo Rio Ave. O afastamento de Vandinho e Massoró é cirúrgico, foi como partir a espinal medula a um ser vivo. Não anda mais.

Assim não vale! É batota !

PS: o meu falecido pai dizia que tinha um grande desgosto por eu ser do Benfica…