Relatório de organismo da UNESCO arrasa câmaras de Gaia e Porto por causa do Centro Histórico/Património Mundial

Demolições em massa no Centro Histórico de Gaia

 

O ICOMOS (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios), uma organização não governamental global associada à UNESCO, acaba de publicar um Relatório Técnico de Avaliação sobre o Estado de Conservação do Bem inscrito na Lista do Património Mundial: Centro Histórico do Porto, Ponte de D. Luíz I e Serra do Pilar.

Este documento, que cita três artigos* sobre as Caves de Vinho do Porto oportunamente publicados aqui, no Aventar, tece gravíssimas considerações sobre a actuação das autoridades públicas portuguesas, no que respeita à defesa da integridade do Património do Centro Histórico de Gaia e Porto.

*Artigos citados pelo relatório do organismo da UNESCO:

A ler:

Clique para aceder

Caves de Vinho do Porto: RTP diz que “existem problemas” com o World of Wine

identificados pelo Vice-Presidente do ICOMOS, que teme pela preservação do Património Mundial.

Mais um amigo contemplado por Pedro Tachos Coelho

passos-coelho-vendedor-de-tachos

No final de 2011, Paulo Portas apresentava no hemiciclo o orçamento do seu ministério – o golpe irrevogável ainda não tinha acontecido e Portas era “apenas” o Ministro dos Negócios Estrangeiros – e anunciava aos parlamentares que, para conter a despesa e a “situação de emergência” em que o país vivia (que apesar da propaganda continua a viver), seria necessário fechar algumas representações. Uma dessas representações era a embaixada de Portugal na UNESCO (Paris), cujas responsabilidades passariam a ser assumidas pelo embaixador português em Paris. Uma medida coerente, que permitia assim uma poupança sem que o qualidade do serviço fosse, entendia o governo, afectada.

[Read more…]

A destruição que paira sobre Palmira

Primeiro vieram as minas, depois as explosões. Em breve não restará nada. Se houvesse petróleo para trocar por alimentos

 

Um Ministro pré-Marcelista

Nuno Crato não respeita a Constituição, os Direitos Humanos e as Recomendações da UNESCO

A memória é muitas vezes um processo doloroso – esquecemos o que queríamos recordar e recordamos o que queríamos esquecer.

Queria recordar um ano letivo que tenha começado sem estar envolto em confusão. Só me lembro de Maria do Carmo Seabra. Confesso que só de ouvir este nome – Maria do Carmo Seabra – sorria. Pensei que seria impossível repetir-se a história, mas os factos cá estão para, mais uma vez, para comprovar que é possível a água passar duas vezes debaixo da mesma ponte.

Nuno Crato, o ex-comentador do Plano Inclinado, agora Ministro da Educação colocou-se ao nível de Maria do Carmo Seabra na incapacidade de desenvolver um concurso de Professores sem erros. Neste aspeto, Nuno Crato marcou a diferença clara para as duas ministras anteriores. Para pior.

Nuno Crato aparece também como o rosto de um conjunto de mudanças nas nossas escolas que visam destruir a Escola enquanto Património da República e da Democracia. [Read more…]

A UNESCO e o Tua

José Manuel Pavão,
Mirandela, 17-7-2012


Bem pode o laureado Souto Moura, arquitecto muito apreciado e distinguido nos Foruns internacionais, puxar pela cabeça, esmerar-se e caprichar no seu projecto de tentar ocultar a gigantesca parede de betão que a poderosa EDP, contra ventos e marés sob os protestos de esclarecidos resistentes dos Movimentos Cívicos e insuspeitos órgãos de informação (…), decidiu construir na foz do rio Tua em arriscada e porventura negligente colisão com o estatuto do Douro Património Mundial.
Ainda que a sua obra possa ser aplaudida, cujo preço os portugueses por enquanto desconhecem mas que por certo não contemplará nenhum desconto ao dono da encomenda, ela será sempre um bonito penso de proteção em cima duma cicatriz testemunha de má e insensata intervenção do seu executor!
Chegados ao epílogo deste tempestuoso romance configurado na construção apressada duma barragem hidro-eléctrica no ponto onde o sofrido rio Tua se entrega extenuado no portentoso Douro, já não vale a pena argumentar com a destruição dum vale único pela sua singular beleza, nem da sua linha ferroviária orgulho da Engenharia portuguesa e que com alguma imaginação poderia ser a alavanca para o tão necessário quanto vital desenvolvimento sustentado da região empobrecida que parece não causar preocupação aos sucessivos governos da República. Como também não vale a pena trazer de novo à baila os poderosos argumentos fruto de cuidados estudos universitários que demonstram ser dispensável a intervenção no rio Tua como fonte de aumento de produção energética. [Read more…]

O projecto de Parecer da UNESCO sobre a Barragem do Tua – Tradução para Português

Nota: A TRADUÇÃO PORTUGUESA do projecto de parecer da UNESCO esteve a cargo de Ricardo Santos Pinto e de João José Cardoso. É um trabalho totalmente amador e feito num curtíssimo espaço de tempo. Está a ser actualizado a cada momento e, para isso, o Aventar conta com a contribuição dos seus leitores (erros, gralhas, etc). Cada um dos autores da tradução decidiu, neste espaço de liberdade que é o Aventar, se devia ou não adoptar o novo Acordo Orotgráfico.

81. Região do Alto Douro Vinhateiro (Portugal)

Problemas de conservação actuais

Em 8 de Fevereiro de 2012, o Estado apresentou um relatório sobre o estado de conservação do Douro Património da Humanidade que atendesse às recomendações da missão consultiva do ICOMOS, convidada pelo Estado para estudar o impacto do projeto de Barragem Hidrelétrica de Foz Tua.
Esta missão foi realizada de 4 a 6 Abril de 2011. Nessa data, o projecto da Barragem de Foz Tua já estava concluído e os primeiros trabalhos de construção já tinham começado.
Estado de conservação dos bens inscritos na WHC-12/36.COM/7B, p. 152. Lista de Património Mundial

a) Barragem Hidroelétrica em Foz Tua
O projecto da Barragem faz parte de um Plano Nacional de Alto Potencial Hidroelétrico lançado pelo Governo Português em 2007.
A Barragem será construída a 1 km da confluência do rio Douro com o rio Tua. É composta por uma represa e um reservatório na zona-tampão do bem classificado como Património da Humanidade e uma central hidroelétrica a 400 metros abaixo da barragem e no perímetro da área classificada. A infra-estrutura associada – como as linhas de Alta Tensão – também estão situadas dentro da área classificada. Globalmente, a área afectada pelo projeto será de 2,9 hectares num total de 24.600 hectares.
A Barragem eleva-se a uma altura de 90 metros acima do rio, com um alcance de 270 metros. O reservatório criado na zona-tampão inundará cerca de 421 hectares do vale do Tua.
O projeto da Barragem – embora previsto no Plano Nacional de Energia datado de 1989 e no plano da Bacia Hidrográfica do rio Douro em 1999 – não foi mencionado no dossier de candidatura do Douro Património da Humanidade. Em 2008, o Instituto Português da Água lançou propostas para o projecto. Este foi aprovado condicionalmente em 2010.
O Estado nunca informou o Comité do Património Mundial sobre a Barragem a não ser quando foi solicitado em 2010. Durante a missão, os impactos do projecto ainda estavam em avaliação pelos organismos ambientais portugueses.

b) Resultados da Missão Consultiva do ICOMOS:

A missão verificou que, apesar de ter sido realizada uma Avaliação de Impacto Ambiental, esta não inclui a Avaliação do Impacto sobre o seu VUE – Valor Universal Excepcional.
A missão avaliou o impacto potencial de todo o projecto na área classificada e concluiu que, se o VUE – Valor Universal Excepcional da paisagem tivesse sido levado em conta, a conclusão seria a de que o projeto teria um efeito significativo sobre uma vasta zona da área classificada, resultando em perda física permanente de parte da paisagem cultural.
A missão considerou que o impacto sobre o VUE – Valor Universal Excepcional – seria grave e irreversível. Foi considerado que não é possível mitigar os efeitos do impacto da Barragem, como sugerido pelo Estado, através de iniciativas para comemorar o património cultural e natural afectado pela Barragem ou pela criação de um Museu. [Read more…]

A UNESCO, a suspensão da Barragem do Tua e a vergonha dos lacaios de Mexia

Poste de Alta Tensão Armamar – Alijó que vai atravessar vários quilómetros do Douro Património da Humanidade


Em Dezembro de 2012, aquando da divulgação do relatório do ICOMOS, que o Aventar traduziu, pedi à UNESCO que retirasse ao Douro a classificação de Património da Humanidade.
Fi-lo através de um post e de centenas de mails enviados aos principais dirigentes da instituição (em particular do Comité do Património Mundial) e do ICOMOS. Com vários deles, como Irina Bokova, directora-geral da UNESCO, ou Gustavo Aaroz, presidente do ICOMOS, estabeleci contactos no Facebook. Das várias respostas que obtive, houve uma que me sensibilizou particularmente, a do Presidente do ICOMOS/Áustria, Wilfried Lipp, que através de mail confessou que «It is a shame that this obviously so beautiful valley is going to be destroyed» e que «if the outcome really will be as illustrated in the virtual depiction, the site would not merit being on the WH list anymore.»
Não me arrependo de ter pedido a desclassificação do Douro. Fi-lo conscientemente por me parecer ser essa a única forma de travar a Barragem, já que todas as outras tentativas saíram goradas nos últimos anos. Os lacaios de Mexia, José Sócrates e Pedro Passos Coelho, bem como esses terroristas da cultura e do ambiente que se chamam Isabel Pires de Lima, José Pinto Ribeiro, Gabriela Canavilhas, Francisco Nunes Correia, Dulce Pássaro, Francisco José Viegas e Assunção Cristas, nunca iriam de moto próprio suspender as obras. A todos esses e ainda a essa vergonha da arquitectura portuguesa que se chama Souto Moura, [Read more…]

O esquizofrénico José Viegas (I)


O secretário de estado da Cultura, António Sousa Homem, ou melhor, Francisco José Viegas, vai estar hoje em Coimbra para formalizar a candidatura da Universidade a Património da Humanidade junto da UNESCO. Isto enquanto, em simultâneo, anda a tentar por todos os meios foder igual classificação do Alto Douro Vinhateiro.
Viegas deve achar que uma mão limpa a outra, por isso não tem mal se perdermos uma classificação desde que consigamos alcançar outra.
A candidatura da Universidade de Coimbra vai ser entregue na UNESCO até ao dia 1 de Fevereiro. Aconselho Viegas a aproveitar a ocasião para entregar também o relatório do ICOMOS que põe em causa a continuidade do Douro Património da Humanidade se a Barragem do Tua for construída.

Todos contra a Barragem 0,1% – Depoimentos sobre o Douro e o Tua. 2 – Guilherme Felgueiras


«O povo, inclinado ao romance e à poesia e dotado de espírito imaginoso (por vezes pueril mas quase sempre devaneador), bordou a sorrir esta fantasiosa anedota de carácter parabólico, sobre os três rios que nascem nas serranias de Espanha – o Guadiana, o Tejo
e o Douro:
– Em tempos vagos, quando o mundo era ainda jovem e todos os elementos da natureza falavam, estes rios irmãos estiraçaram-se em seus “leitos”, dispostos a dormir. Combinaram que, mal acordassem, abalariam por caminhos diferentes em direcção ao mar.
O primeiro a despertar foi o Guadiana. Placidamente foi serpenteando, escolhendo chãs e vales aprazíveis, por entre meandros charnequeiros alentejanos e divagantes planuras algarvias.
O Tejo, acordou em seguida. Indo no encalço do irmão, apressou a marcha através de outeiros, sulcando as terras do centro, até encontrar vastas campinas e fartas lezírias, onde placidamente se espraia.
Estremunhado, o Douro acordou por fim, ciclópico e arrogante. Não vendo os irmãos, galgou com ímpeto erosivo, cavando seu leito em terras nortenhas, por ente muralhas petrificadas e estranguladas gargantas, rumorejando através de fraguedos bravios e cachoando em “gualgueiros” e sorvedoiros perigosos, vencendo a escabrosidade do trajecto.»

Guilherme Felgueiras, O Rio Douro Lendário (1973)

Outros textos:

1 – Francisco José Viegas

Quando Morre um Escritor?

…um escritor morre quando renega a sua palavra escrita no papel.

Todos contra a Barragem 0,1% – Depoimentos sobre o Douro e o Tua. 1 – Francisco José Viegas


Publicarei a partir de hoje alguns textos sobre o Douro e o Tua. Os seus autores serão aqueles que eu escolher e todos aqueles que o quiserem ser. Basta enviarem-nos textos pessoais sobre o magnífico património cultural e paisagístico que em breve Portugal deixará de ter. Ilustres ou não, de Esquerda, de Direita ou sem ideologia, uma coisa unirá todos eles: a oposição à construção de uma Barragem que irá garantir apenas 0,1% da energia produzida em Portugal em troca de muitos milhões a pagar pelos mesmos de sempre. Estão todos convidados.
Para começar, o depoimento sentido de Francisco José Viegas, actual Secretário de Estado da Cultura e desde sempre um feroz opositor da construção da Barragem do Tua. Natural do Pocinho, no Douro, terra de comboios e de vistas magníficas, Viegas cresceu a ver o Douro tal como ele é. E quantas vezes não o terá descido de comboio ou de barco. Não admira, por isso, que o Douro e o Tua sejam dois dos seus lugares de eleição – e daí este depoimento tão sentido, tão humano, tão verdadeiro. Tão corajoso.
Viegas fala com o coração e sente-se que por ali as lágrimas espreitam, numa torrente que se prevê mais forte e arrebatadora do que o Douro antes da construção das Barragens. Neste texto, Viegas é uma espécie de Cachão da Valeira. É isso, um Cachão da Valeira cujas águas poderosas ultrapassam as margens e vão inundar a terra portuguesa. A nossa alma.
Sorridente, lá no céu, o Barão de Forrester, precocemente desaparecido no Cachão da Valeira, aplaude Viegas e proclama: «Este é o homem certo para defender o nosso Douro. Com ele, estamos seguros.» As pedras rumorejam, as árvores ciciam e aprendem a soletrar um nome. V-i-e-g-a-s!
A rubrica «Todos contra a Barragem 0,1%» não podia começar melhor. Eis o texto de Francisco José Viegas: [Read more…]

Barragem do Tua: O relatório do ICOMOS / UNESCO que o Governo tentou esconder

No seguimento da luta que tem vindo a desenvolver a favor do Vale e da Linha do Tua, o Aventar teve acesso ao Relatório do ICOMOS / UNESCO sobre a Barragem do Tua e os seus efeitos na classificação do Douro como Património Mundial.

É um relatório arrasador, no qual a autora afirma peremptoriamente que «a área de intervenção da Barragem afecta totalmente a Região do Douro Património Mundial»; ou que «a construção da Barragem significaria um impacto muito grande na Região do Alto Douro Património Mundial que implicaria a perda do VEU (Valor Excepcional Universal) e sérias ameaças à sua autenticidade e integridade»; ou ainda que «Medidas compensatórias, mesmo que tenham de ser revistas à luz do Plano de Gestão, não são o ponto mais importante, mas sim se a Barragem de Foz Tua deve ser construída de todo».
É com grande prazer, mas com enorme pesar, que publicamos hoje o Relatório da Missão Consultiva do ICOMOS / UNESCO para o Alto Douro Vinhateiro e impactos da construção da Barragem de Foz Tua. A tradução portuguesa é o nosso contributo para a defesa do Tua e do Douro.

Download do Relatório original (em inglês):
REPORT Advisory Mission Alto Douro ICOMOS_20110805

TRADUÇÃO PORTUGUESA a cargo de Ricardo Santos Pinto, Helder Guerreiro e Carlos Fonseca [Read more…]

EDP contrata Souto de Moura

A EDP vai contratar o laureado arquitecto português Souto de Moura para “melhorar o enquadramento ambiental” do paredão de 108 metros da barragem de Foz Tua, em pleno Douro Vinhateiro, Património da Humanidade (não é só dos portugueses, é da Humanidade). Como o ilustre arquitecto parece não conhecer o ciclo da água que “vai para o mar” e tanta falta faz para produzir energia (limpa!) neste país que gasta o dobro da energia por unidade de PIB da Dinamarca, deixo aqui a ideia de lhe ser ofertado um kit de maquillage e o livro O Ciclo da Água.

Para ser mesmo bonito, e fazer boa figura, esta oferta bem poderia ser entregue por José Carcarejo, o visionário autarca de Alijó, defensor incondicional do Património do concelho e, por conseguinte, do seu alagamento por via de uma barragem inútil. Os autarcas vizinhos de Carrazeda de Ansiães, Murça e Vila Flor poderiam irmanar-se, digo eu, no pagamento desta benfeitoria cultural. A Bem da Nação.

«Vimos por este meio solicitar que à Região do Alto Douro Vinhateiro seja retirada de imediato a classificação de Património da Humanidade»

Carta enviada hoje por Correio para os responsáveis da UNESCO e do ICOMOS. Enviado também por mail para todos os membros das duas instituições. Enviado pelo Facebook para todos os apaixonados pelo Douro em Portugal e no Mundo*

Dear Sirs,

In 2001, UNESCO classified the Alto Douro Wine Region in northern Portugal, as a World Heritage Site.
In February 2011, the construction of a hydroelectric dam near the mouth of the River Tua, Dam Foz-Tua began, after the project was approved by the Government of Portugal. This dam will destroy all the Tua Valley and its railway and it will cause irreparable losses with regards to the natural, cultural and human heritage of that area and all the Alto Douro Wine Region, classified as World Heritage by UNESCO.
In December 2011, the Government of Portugal, through the Secretary of State for Culture, announced that the construction of the dam wouldn’t be suspended.
Therefore, we hereby request that the classification of heritage site is removed immediately from the Alto Douro Wine Region, since such a classification is not compatible with a landscape marked by a pile of concrete that destroys one of the most important natural regions of Europe.
If it doesn’t happen, UNESCO itself is in question, since it accepts that a landscape is totally garbled after being classified as a World Heritage Site.

Yours Sincerely,

Attachements:

Before: Tua Valley and its Railway – video and photos
Now: Works at Tua Valley
After: Dam Foz-Tua

————————————————————————————

TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS [Read more…]

Fado de Lisboa, património da humanidade

Gosto de alguns fados, como gosto de alguns tangos, de algumas valsas, de alguns minuetos, de algumas sinfonias e de várias músicas de géneros diversos. Não gostarei menos ou mais de fado de Lisboa como um todo só porque a UNESCO deu uma medalha a uma comissão e que, como ontem frisou Rui Vieira Nery, presidente da comissão científica da candidatura, apenas representou o fado de Lisboa porque «o fado de Coimbra tem uma dignidade própria». Mas, dignidades à parte, assim o leio, há o fado – o de Lisboa, naturalmente – e o fado de Coimbra. Para concluir em grande quanto a bairrismos, aqui ficam as variações do coimbrão Artur Paredes, tocadas pelo filho Carlos Paredes.

Palestina na UNESCO, retaliação de Israel e dos EUA

A UNESCO, estrutura da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura, aprovou por larga maioria o ingresso da Palestina, como 195.º membro da organização – 107 votos a favor, 14 contra e 52 abstenções.

Portugal esteve entre os abstencionistas. Fontes do MNE, e segundo julgo saber o próprio ministro, Paulo Portas, justificaram a abstenção de Portugal com a necessidade de alinhamento no seio da UE. Um falsa desculpa, visto que a França votou a favor e, portanto, não houve uma posição concertada a nível dos 27 estados-membros. De resto, a UNESCO é dirigida por Irina Bokova, uma búlgara e cidadã da UE, cujo discurso não poderia ser mais entusiasta, como se prova por esta versão em francês.

Do tom reprobatório do embaixador de Israel, Nimrod Barkan, nada há a estranhar ou a comentar. É um acto que se inscreve na política da agressão e da anexação ilegal de territórios pelo seu país.

[Read more…]

Dieta Mediterrânica…

…e Gastronomia Francesa elevadas a Património Imaterial da Humanidade.

Finalmente uma notícia saborosa. Mas não só, a lista também ganhou algum salero.

Tomem lá umas receitinhas para comemorar e uma musiquinha que faz o pleno (Camaron e Tomatito em Paris e as bailarinas salerosas)

Biblioteca Digital Mundial

Com apoio da Unesco, pode encontrá-la em www.wdl.org e saber mais no estrolabio.

Ernesto Melo Antunes – não faltou ninguem que fizesse falta

Já quando era primeiro ministro, Cavaco Silva não apoiou a candidatura de Melo Antunes a Presidente da UNESCO. Nessa altura não funcionou a tal ideia que é preciso apoiar Durão Barroso para presidente da Comissão Europeia por ser português.

 

Agora, enquanto Presidente da Republica, não aceitou o convite para presidir à homenagem a Melo Antunes que foi prestada nos dias 27/28 e 29 na Calouste Gulbenkian. Cavaco Silva, vá lá saber-se porquê, não gosta de Melo Antunes, nem dos capitães de Abril. Ora a verdade é que lhes deve, por inteiro, ter sido primeiro ministro e agora Presidente da Republica.

 

Magoa-me, porque a verdade é que sempre votei em Cavaco Silva, mesmo quando votar em Cavaco era votar no PSD, onde nunca militei nem tenho referências políticas. Mas achei sempre que Cavaco Silva tinha (tem) um sentido de Estado que faz falta à vida política portuguesa, onde sobram os invejosos, oportunistas, ladrões e medíocres.

 

Parece que tenho andado enganado, Cavaco Silva é presidente de todos os portugueses e é-o tambem de homens que tiveram que tomar posições muito dificeis que não agradaram a todos mas que, no caso de Melo Antunes, até se revelaram de enorme interesse nacional e evitaram guerras civis.

 

Mas em democracia há sempre hipóteses de mudar, de melhorar, de aprender com os erros. Nunca mais votarei em Sua Excelência!

A máquina do tempo: Sobre a canção urbana – o fado e o tango

 

Neste vídeo, apreciámos uma tentativa de fusão de tango e de fado, interpretada por Beatriz Ayas e pelos Portubayres. É um tema curioso, este o da similitude entre dois tipos de música urbana – a portuguesa e argentino-uruguaia.  Aqui há tempos referi-me numa destas crónicas a um texto de Jorge Luis Borges sobre o assunto. Não o consegui encontrar, embora saiba que foi publicado num suplemento do DN num domingo de há muitos anos. Gostava de o ter consultado, pois é de tango e de fado que vou hoje ocupar-me. Em Abril de 1982, assisti na Gulbenkian à exibição de «Cinco Tangos», executada pelo grupo de Ballet da Fundação. A música era do Astor Piazzolla, o grande compositor argentino, mago do bandoneón. Várias vozes se fizeram na altura ouvir, chamando a atenção das afinidades entre o tango e o fado.

 Agora que se fala em candidatar a chamada canção nacional ao estatuto de «Património Imaterial da Humanidade», justifica-se avaliar até que ponto esse desiderato faz sentido. Avaliação que, estejam descansados, não vou fazer. Aliás o assunto está muito bem entregue – o Professor  Ruy Vieira Nery, director do Programa da Educação para a Cultura da Fundação Gulbenkian e membro da comissão da candidatura diz que agora a decisão já só compete ao Ministério da Cultura. Em fins de Setembro passado, a UNESCO declarou o tango como Património Cultural Imaterial da Humanidade. Mais jovem do que o fado, o tango antecipou-se – é caso para dizer que «passou a perna» ao fado.

 

Quanto às origens do fado, não me vou pronunciar, apenas referir o que se diz. Há a tese mais vulgarizada de que, quando a Corte de D.João VI regressou, trouxe consigo uma dança em voga no Rio de Janeiro a que se chamava «Fado», inspirada no lundum, e que podia ser acompanhada por canto. Na realidade, os primeiros registos escritos sobre o tema começaram a surgir no século XIX, mais na segunda metade. Mas foi uma inovação que depressa se converteu em tradição.

Encontramos referências aos fado e aos fadistas, por exemplo, nos romances de Eça de Queirós. No «Cancioneiro Alegre de Poetas Portugueses e Brasileiros», organizado por Camilo Castelo Branco, inclui-se um poema de Alexandre da Conceição – sobre um tal Marialva que «dançava o fado à noite em tabernas» – referência que acentua a tese da dança vinda do Brasil. Outra referência cultural, o famoso quadro de José Malhoa, data de 1910.

Nestes primeiros tempos, o fado surgia como fenómeno tipicamente lisboeta. As grandes fadistas do século XIX, a lendária Maria Severa (1820-1846), nasceu e morreu em Lisboa, e Maria Vitória (1891-1915), creio que também. Esta última cantava nas revistas e celebrizou o «Fado do 31», mais tarde interpretado por Estevão Amarante.

Todos estes dados apontam para uma tradição, se assim se pode chamar, que se instalou rapidamente e que, como planta trepadeira, se enroscou no fatalismo da alma portuguesa e no miserabilismo inerente à pobreza citadina, com ele se confundiu, e às vezes pareceu mesmo estar na sua origem, ser causa e não efeito. Não esqueçamos que «fado» vem do latim «fatum», ou seja, «destino». Em menos de cem anos o fado (cantado) se espalhou pelo país e se transformou em canção nacional. Para além destas e doutras raízes mais remotas, o fenómeno Amália Rodrigues ajudou a enquistar o fado no tecido da alma popular, elevando-o à categoria de tradição.

Mas, além desta tese, há outras – teria vindo de reminiscências das melopeias árabes ou, como um companheiro do Aventar aventou, seria uma herança dos celtas. Estas duas últimas parecem-me teorias rebuscadas. Como seria possível o fado vir de tempos tão remotos e não existir, nas baixas e tordiões, por exemplo, ou noutro tipo de canção popular dos séculos que mediaram entre a herança céltica ou árabe e o século XIX, um fio condutor, um elo, que ligue esses vestígios?

Já o fado de Coimbra, com uma genealogia diferente, parece estar mais ligado às baladas tradicionais e, mais especificamente, à música beirã. Embora também seja um fenómeno relativamente recente. Os cantores Augusto Hilário, António Menano e Edmundo Bettencourt, bem como o grande guitarrista Artur Paredes, pai de Carlos Paredes, nomes maiores da canção coimbrã, são tudo gente do século XX.

O tango é mais recente do que o fado. Foi buscar as suas origens à «habanera» (de La Habana). Desta dança terão surgido o maxixe brasileiro e o tango argentino e uruguaio. A dança começou por se chamar «tango criollo» simplificando-se depois para tango. É já no século XX que se instala nos dois lados do rio La Plata, em Buenos Aires e em Montevideu. Como canção encontra em Carlos Gardel o seu mais emblemático intérprete.

A relação fado/tango era evidente – canções nostálgicas, fatalistas. Amália disse ter encontrado a sua voz, cantando os tangos de Gardel. Agora é uma argentina, María Lavalle, que, inspirando-se em Amália, volta a acentuar a relação entre as duas formas musicais. No passado fim-de-semana apresentou no Teatro Calderón de Madrid o seu espectáculo «Tú que puedes, vuélvete», fundindo o tango puro com o fado puro, misturando músicos argentinos e portugueses. Coisa que a nossa Mísia já tinha feito, para não falar no fado tango de Amália, «Cansaço», agora interpretado por Camané.

O mestre da guitarra António Chaínho, acompanhado pela cantora Marta Dias e pelo coreógrafo Alejandro Laguna, apresentou há anos um espectáculo em que fundia os dois géneros. Parece-me ser a primeira tentativa de fusão. Diziam que tendo o fado e o tango nascido em ambientes portuários e marginais, tinham trajectórias, história e sentimentos similares e, de certo modo, complementares. O que faz sentido.

Justifica-se integrar o fado no património imaterial da humanidade? Sempre vou dar a minha opinião: entendido como canção nacional, acho que sim. Recuso a ideia de que o fado «reflecte a alma do povo português», reflecte-a tanto como a chula do Minho, como o cantar alentejano ou qualquer outra forma musical popular do nosso povo. Naturalmente que o vira minhoto ou algarvio ou o bailinho madeirense, não se coadunam com o sentir de bastante mais de metade da população do país que habita as áreas metropolitanas de Lisboa, Porto e Setúbal.

Parece-me ser esse o espaço do fado – reflexo fatalista da vida descarnada, afastada da natureza, que se vive nas cidades grandes. Não terá um historial muito antigo, mas se formos a ver, toda a canção urbana nasce no século XIX – a valse musette de Paris, os cuplés madrilenos, o tango de Buenos Aires e de Montevideu. Os blues saltam das plantações de escravos para as cidades, eclodem nos anos 40 do século XX em Chicago…Como diria Mr. de La Palisse, a canção urbana nasce, ou instala-se, com as e nas concentrações urbanas.  

Mas n
em
sei porque estou eu, qual musicólogo encartado, a falar de uma coisa de que nada percebo. Aqui no Aventar, sinto-me na mesa do café onde estamos à vontade para discutir tudo, desde o Borda d´Água ao «Capital» de Marx, passando pela música de Beethoven e pelo Triângulo das Bermudas . Hoje deu-me para o tango e para o fado. Podia ter sido bem pior. Ora vamos lá ouvir a María Lavalle.

Silêncio, que se vai cantar o tango.