Electricista, Sindicalista, Economista e Político – Lech Walesa

Raras são as vezes que se tem oportunidade de ouvir um dos homens da luta anti-comunista.

Curioso é, perceber que este mesmo homem que foi o fundador e líder do Solidariedade (organização sindical independente do Partido Comunista da Polónia) apresentou hoje, nas Conferências do Estoril, uma visão antagónica do que temos ouvido nos dias que correm dos Camaradas Portugueses. 

Lech Walesa, que esteve em várias manifestações anti-capitalistas durante o último ano, afirma que é preciso uma reforma do sistema económico Europeu: “Ninguém no seu devido juízo põe em causa a economia de mercado ou a propriedade privada (…) agora estamos numa nova era que exige organizações e estruturas completamente diferentes. Na ditadura a greve era a única solução. Mas agora cabe-nos a nós chegar a um consenso de como introduzir as reformas e medidas necessárias através do debate, para escolher as melhores opções para o desenvolvimento do futuro”. Será esta uma visão antagónica ou progressista do comunismo?

Image

Esquerda sec. XXI

À primeira leitura não vislumbrei grandes diferenças, mas aguardo que outros colegas e também leitores, nomeadamente os que pertencem à área política, me possam elucidar sobre o conceito de austeridade de esquerda.

Ainda em matéria de ideologia, não posso deixar de referir que o comunismo já não é o que era. Mao e mesmo Max, devem dar voltas no túmulo.

A 25ª Hora

THE 25TH HOUR DVD ANTHONY QUINN VIRNA LISI MICHAEL REDGRAVE HENRI VERNEUIL R2 25Vinte anos depois da sua morte, reencontro A 25ª Hora (1949), a mais conhecida obra de C. Virgil Gheorghiu (1916-1992) e provavelmente indisponível nas livrarias…

O jornal The New York Times escreveu:  “who denounced Nazism and Communism in a best-selling novel, “The 25th Hour”.

Transcrevo algumas frases da edição que tenho da Difel, traduzida por Vitorino Nemésio e cujo prefácio é dedicado a Aldous Huxley!:

– Não haverá homem livre à superfície do Globo – disse Traian.

– Definharemos então, sem culpa, nas prisões? -perguntou o delegado.

(…)

Mas não aceito que outros, a não ser eu, me indiquem a maneira como devo viver – e que julgam melhor – e me obriguem a conformar-me com ela. A minha vida é minha. A minha vida não pertence nem ao kolkhose, nem à comunidade, nem ao comissário político. Portanto, tenho o direito de a viver do modo que eu próprio houver escolhido. (…) E recuso-me a viver esta vida à moda soviética. Aqui está porque me mato.

Nora pôs-se a chorar. Traian continuava a atar a corda. Nora segurava com firmeza a outra ponta. (…) A melhor ocasião para nos evadirmos há-se ser quando as sentinelas russas renderem as americanas. (…)

Às seis horas da tarde mandaram sair Traian e Nora da sua cela e meteram-nos num camião americano com outros detidos.

(…)

Em 1967 foi adaptado ao cinema por Carlo Ponti  e com a participação de Anthony Quinn e Serge Reggiani (no papel de Traian).

Baronesa Johanna Von Westphalen da Prússia, redactora e autora do Manifesto Comunista

Jenny

«Finalmente pensaram a frase, pronunciada por Jenny: proletários do mundo, uni-vos. Quem finalmente escrevera o Manifesto Comunista fora Johanna von Westphalen, denominada a baronesa vermelha».  (excerto do meu livro Marx, um devoto luterano (2010). Dedicado aos colegas aventares que são da minha cor e ideologia)

 

Muitas surpresas foram encontradas na pesquisa que fiz para este livro. A primeira, os comentários de Ratzinger sobre Karl Marx e o apoio que procurou nos seus conceitos para escrever o seu livro Jesu von Nazareth, Editora Vaticana, Estado Vaticano, Roma, traduzida ao português no mesmo ano como Jesus de Nazaré, Esfera dos Livros, Lisboa. [Read more…]

Em tempo de berreiro…


Uma oportuna crónica, para ler aqui:
“Bombacci foi líder do Partido Socialista Italiano com Mussolini e, depois, um dos fundadores do Partido Comunista Italiano. Após a Marcha sobre Roma, com o consenso mussoliniano com o velho liberalismo, a Igreja e a Monarquia, Bombacci manteve-se fora. Com a ruptura do consenso, com a derrota militar e a criação da República de Salò- um Estado fantoche manipulado pelos alemães – deu-se aos “velhos fascistas” poder para reeditarem as premissas do movimento. Não podendo governar (os alemães não o deixavam), empenharam-se na “purificação” do fascismo. E o que nasceu desse esforço ? Republicanismo, defesa das nacionalizações, formulação de uma teoria de co-gestão empresarial, sindicalismo revolucionário, anti-catolicismo militante.
[Read more…]

Dias de Novembro

No século XX há duas datas que marcam o caminho da humanidade por uma outra sociedade que derrube o capitalismo, chamem-lhe comunismo, socialismo, arroz com ervilhas ou o que quer que seja.

 A 7 de Novembro de 1917 na Rússia a primeira revolução triunfante criou a União Soviética, trazendo uma lufada de esperança aos explorados de todo o mundo.

 

Comite central do partido comunista russo em 1917

A 9 de Novembro de 1989, o derrube pelos berlinenses do muro que simbolizava a vergonha em que se transformou a URSS, onde o pior dos capitalismos, aquele onde domina uma clique de burgueses burocraticamente cooptados governando com mão de ferro um povo condenado a uma enorme desigualdade social e submetido por uma máquina repressiva incontrolável.

Faz hoje 20 anos que, simbolicamente, a URSS deixou de ser um aparelho de propaganda do capitalismo, regressando ao capitalismo tradicional, em breve seguida pela China. A URSS, o país onde provavelmente se  assassinaram mais comunistas que em qualquer outro. Um dia que honra a memória dos homens assinalados a vermelho na imagem, membros do comité central do partdo bolchevique em 1917.

Duas grandes datas, das maiores de um século, onde por duas vezes alguns dias mudaram o mundo.