Deputado Leitão Amaro acusa “um governo socialista” por causa dos swaps. Fala verdade ou mentira?

O Deputado Leitão Amaro, do PSD, sacudiu a água do capote. A acusou “um governo socialista” e afirmou que os swaps “foram assinados no tempo do governo de José Sócrates”.

O governo em funções é o responsável máximo, isso é claro. Mas há muita gente com responsabilidade pelo caminho. É o PSD assim tão inocente como afirma o deputado Leitão?

É o que vamos ver neste post.

Metro do Porto (Foto: Jcornelius)

[Read more…]

Obrigado Passos. Obrigado Maria Luís Swaps. A vossa contribuição para o Diabo é preciosa.

Falemos então de governos que tomaram medidas extraordinárias para maquilhar o défice.

Governo dá por perdida batalha dos swaps contra Santander Totta
Entendimento põe fim aos litígios judiciais. Empresas públicas de transportes devem mais de 500 milhões em juros por pagar.

O processo durava há alguns anos, tendo o conflito com o Santander tido início em 2013. Nesse ano, o Governo de Pedro Passos Coelho chegou a acordo com várias instituições financeiras que tinham estabelecido este tipo de contratos de swaps com as empresas públicas, mas o Santander Totta acabou por ficar de fora. A decisão de interromper o pagamento das perdas sofridas nesses contratos foi tomada pela ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque. [Luís Villalobos, Público, 12/04/2017]

E quanto à Miss Swaps de Arrows:

No centro das críticas a que tem sido sujeita, está a sua passagem pela Refer, entre 2001 e 2007. Na qualidade de director do departamento de gestão financeira da empresa pública, contratou vários produtos de cobertura de risco, para proteger a dívida da empresa das oscilações das taxas de juro. Dois dos produtos que contratou foram classificados pelo IGCP e pela consultora StormHarbour – entidades que assumiram a análise deste tipo de contratos após instrução da própria secretária de Estado – como complexos e arriscados. [Pedro Ferreira Esteves, Negócios, 01/07/2013]

Arranjai uma corda, atem-na acidentalmente ao pescoço e experimentem saltar de uma árvore.

Acha estranho, deputado Montenegro?

uma

Acho estranho que Luís Montenegro ache estranho que “o primeiro-ministro e os seus “acólitos” estejam “com tanto medo” que o Parlamento “queira descobrir a verdade” sobre o acordo com a equipa de António Domingues na Caixa Geral de Depósitos (CGD)“. Não que me pareça estranho que um primeiro-ministro e respectiva entourage se possam sentir aflitos com a descoberta da verdade, seja lá que verdade for, mas que o senhor deputado veja aqui qualquer tipo de estranheza.

Senão vejamos: esta posta começa com uma montagem, gentilmente roubada (mesmo à esquerdalho) à radicalíssima Uma Página Numa Rede Social, que nos confronta com alguns exemplos, em muito idênticos ao referido por Montenegro, de situações em que o anterior primeiro-ministro e respectivos “acólitos”, entre eles o próprio Dr. Montenegro, estariam “com tanto medo” que o Parlamento quisesse “descobrir a verdade” que acabaram por impedir que os directores da Autoridade Tributária fossem ouvidos a propósito do caso da Lista VIP, que Cavaco respondesse por escrito a propósito do caso BES, que Passos Coelho (ironia máxima) fosse ouvido sobre as suas dívidas à Segurança Social e que Maria Luís Albuquerque respondesse perante os deputados sobre os polémicos swaps. [Read more…]

Maria Luís faz merda e o culpado é o Centeno

mla-mc

É o que retiro da escolha da redacção do Público para a fotografia que ilustra este “desce”. Podia ter escolhido a senhora Arrow Global? Podia, mas não era a mesma coisa. É que, quando penso em swaps, não sei bem porquê, não me ocorre o nome do ministro das Finanças. Ocorre-me a bela merda que Maria Luís Albuquerque, e outros como ela, andaram a fazer em empresas públicas. Diz o Viriato que, ainda Sòcrates mandava nisto tudo, e já a Dona Maria andava a dar cabo dos cofres públicos. A levar o país a sério à moda do PSD.

Fonte: Os truques da imprensa portuguesa

Os negócios de Durão, o primeiro-ministro, e o Goldman Sachs

caros e ruinosos, pois claro.

Portugal condenado a pagar 1,8 Mil Milhões ao Santander

Com base numa análise técnica competente é possível realizar um prognóstico, com elevado grau de certeza, sobre a evolução de uma determinada doença. Por outro lado, é também possível prever, igualmente com elevado grau de certeza, que a prática reiterada de erros alimentares, como beber em excesso, comer muito açúcar ou engolir facas de cozinha, leva ao aparecimento de doenças que colocam a vida em risco. O mesmo se passa com sentenças judiciais. Neste caso, é até possível prever o montante das indemnizações a receber por quebra unilateral de contratos. Chama-se, na língua dos bárbaros, a win-win game.

O mais divertido desta notícia é a tentativa de ilibar o anterior primeiro-ministro e o seu governo, recorrendo à famosa técnica do bode expiatório.

Má gestão, swaps tóxicos e especulação: Marco António Costa está de volta

Visão

Pensavam que o cerco ao imperador tinha chegado ao fim? Nada disso! Miguel Carvalho da Visão está de volta com mais uma peça onde aquele que é conhecido como Big MAC nos corredores do PSD se vê associado a mais um conjunto de “anomalias”. Responsável pelas finanças da CM de Gaia durante 4 dos 5 anos que lá passou como nº 2 de Luís Filipe Menezes, Marco António Costa viu a sua acção governativa “censurada” por 19 vezes num documento do Tribunal de Contas alusivo às contas de uma autarquia que é uma das mais endividadas do país. “Gestão pouco prudente“, “falta de sinceridade, transparência e fiabilidade na previsão de receitas“, “falta de racionalidade e prudência na efetivação dos gastos” ou “falta de cumprimento atempado dos compromissos assumidos, acumulando dívidas a fornecedores” são algumas das expressões que surgem neste relatório onde nem os famosos swaps faltaram: 13 contratos que geraram perdas na ordem dos 2,3 milhões de euros. O cerco aperta-se.

[Read more…]

SWAPs:

«praxes» a que os bancos sujeitaram as empresas.

Da digressão e ‘swing’ na AR chegamos à “CES gatada”

mla_10-01-2013

A ‘Comissão de Inquérito’ da AR sobre os ‘swaps’, até agora, teve efeitos nulos, i.e., exactamente iguais às múltiplas sessões realizadas no Parlamento a propósito de outras matérias. O caso BPN, que me lembre, é o mais eloquente – até Oliveira e Costa (é só um, nada de confusões!), de pulseira e o menos solto dos envolvidos, diz-se na imprensa, não é localizado na residência por portadores de mandados. Chegam a tocar cerca de duas dezenas de vezes à campainha, esta fica roufenha e do homem nem voz afogada pelo duche ecoa.

Todavia, em respeito pelo conceito do contraditório coerente, a D. Elvira da mercearia, o Snr. Martins dos jornais e o Diogo, ‘laranja’ do coração e jovem quadro de uma financeira próxima, encontram e cumprimentam diariamente Oliveira e Costa – não é cumprimento de dois em um, atenção, mas sim individual e com respeito solene.

[Read more…]

Metes-me nojo Maria

MLA 3

(na foto: Maria manda-me calar porque também lhe meto algum nojo)

A Maria mete-me muito nojo mas proporciona-me excelentes momentos de farta gargalhada. Ora saltita alegremente de conferência de imprensa em conferência de imprensa com o inseparável amigo Paulo, o homem que tomou a decisão “irrevogável” (no sentido “novilinguístico” da coisa) de se demitir quando soube que o Pedro tinha escolhido a Maria para o lugar do Vítor, ora surge na comunicação social, desolada, a dizer que “tal como os portugueses, tem pouca margem para poupar”, qual Cavaco Silva que não sabe como pagar as contas com o seu magro salário de ministra, ao qual acrescem almoços grátis e milhentas ajudas de custo. Em ambos os casos, adoro o ar de monte de merda (no sentido metafórico da expressão, claro) que habitualmente a acompanha nestes momentos.

[Read more…]

Uma história simples

supernova kepler

Era uma vez um político que queria ser eleito, tendo-o conseguido prometendo mundos e fundos, os quais trouxeram votos de quem não se importou em saber se os fundos existiam para os prometidos mundos.

[Read more…]

A história repete-se, repete-se, repete-se…

Podridão e incompetência como na Primeira República, à qual se seguiu… Pois.

As “swapadelas” de Crato e as piruetas de Grancho

Santana Castilho*

Nos tempos que se sucederam ao 25 de Abril, os meses de preparação do ano-lectivo não eram fáceis. Recordo períodos de agitação social, sobretudo pela carência de espaço para albergar todos. Hoje, a meio de Agosto, temos professores sem horários, alunos sem escola e directores sem directivas. E, pesem embora os protestos, que são muitos, prevalece uma paz podre, que escancara portas à “swapagem” da competência mínima (para servir o público) pelo golpe máximo (para anafar o privado). Esta abulia cidadã, esta ausência de eficácia cívica perante as engenhosas formas de corrupção do futuro, permite, diariamente, o atropelo do Direito, da Moral e da Ética. Quanto mais tarde reagirmos, mas reagirmos de facto, com firmeza que diga não, não de verdade e para durar, maior será o número dos que ficam pelo caminho e mais tempo necessitaremos para reconstruir o que este Governo destruiu em dois anos de criminosa política educativa. Duas velhas frentes adormecidas foram reabertas para apressar a implosão do ensino público: o exame de acesso à profissão docente e o cheque-ensino. A manobra justifica público comentário. [Read more…]

Tenha vergonha senhor Ministro!

MADUROResposta a Poiares Maduro

O que constitui um “verdadeiro atentado à própria Democracia”, caro Ministro, é ver pessoas da sua craveira intelectual e académica, repetir mentiras infantis e ensaiar manobras de diversão como aquelas em que o Governo a que pertence é fértil em forjar.

As mentiras e “ecrãs de fumo” que vêm repetindo têm dois defeitos: o primeiro é, logicamente, serem mentiras e fantasias; o segundo é serem incompetentes e, como tal, insultarem a inteligência de todos nós.

Tenha vergonha senhor Ministro!

 

Versão integral aqui

Mais um a falar de podridão

Primeiro Machete, agora Pais Jorge. Ambos a falarem de podridão na política.  E saberão bem do que falam. Ambos estiveram no olho do furacão,  Machete no BPN,  Pais Jorge nos swaps. Depois da navegação na podridão que arruinou o estado,  ei-los a comandar os destinos desse mesmo estado. Melhor exemplo do “lado podre da política” do que isto? Como é que dizia o outro? Era metê-los todos no Campo Pequeno…

Já agora,  falando de Citigroup,  lembram-se de quem é que vendeu a dívida do estado ao Citigroup há uns anos?  Uma tal de Ferreira Leite do PSD. E quem foi o entusiasta do esquema financeiro das PPP-faço-eu-a-obra-outros-que-a-paguem? Um tal de Cravinho do PS,  a seguir as pegadas dum tal Ferreira do Amaral do PSD. E quem as continuou sem pejo? Um tal Sócrates do PS.

A podridão banca-estado não é propriamente novidade e as virgens fingidas que dela se queixam sabem bem do que falam. Olhando para os currículos de ministros e secretários de estado, a banca parece uma agência fornecedora de recursos humanos, independentemente da cor do governo. Podridão? Putrefacção.

Swaps

nós fazemos uma aposta no casino, podemos ganhar (e o casino pode perder), mas no final do dia o casino ganha sempre porque é ele que domina as regras do jogo e as constrói em seu favor.

A ler.

Não há dinheiro …

… mas houve mil milhões para cancelar contratos swaps. Há a questão da ministra que mentiu,  ou não, mas ainda mais importante é saber quem é que assinou esta porcaria.

Quem é que assinou estes contratos de swaps? Qual é a responsabilidade do PSD? E do PS?

É muito giro ver o PS pedir demissões como se esta escandaleira lhe fosse alheia. Mas onde estão os nomes? Eles existem,  os swaps não nasceram incógnitos. É nisto que a discussão se deve centrar e não na ministra que me parece ter mentido e que, portanto, só tem uma saída, seguida da imputação do custo da sua acção tardia e, quiçá, errática.

Chega de usar a peneira da demissão para não se falar do que é de facto importante. Quem é que assinou estes negócios que já comeram um quarto dos famosos 4 mil milhões que querem cortar na despesa do estado?

Nomes. Crime e castigo.  O resto só deve vir a seguir. Nunca antes, como tem sido estratégia do PS.

Ou seja, mente com quantos dentes tem na boca

Rui Rio: Se vivessemos numa democracia adulta, uma pessoa que chega ao Parlamento e não diz a verdade a toda não tinha condições para desempenhar o cargo de ministra das Finanças»

Maria Luís Albuquerque: a mentira e a incompetência

A coligação reprovou a ida da MF à AR para justificar a falsa ignorância dos swaps. Swap, swap! Trocou 40 M da venda do BPN por 816 M de pagamentos ao BIC.

Ainda o governo com lepra

Afinal não foram os estragos feitos ao país com swaps que levaram à demissão. Foi mesmo ter ficado fora do pote.

3.º Calhau a Contar do Sol

Luís Branquinho

Ora, ora, saem uns e entram outros. Ninguém parece perceber nada de nada e todo o mundo parece saber mais do que alguém até encontrar outro que sabe menos ou parece saber mais do que eles próprios e ai volta tudo, anormalmente, à estaca zero.
Dançam o velho jogo das cadeiras onde há 10 cadeiras e 11 pessoas e a cada nova dança menos uma cadeira fica.
Música já há, ao bom e fiel som de gaita-de-foles e velha pianola desafinada que estão a ser tocados de forma capaz de aterrorizar um alto e digno residente natural dos ocultos vales marcianos e neptunianos e talvez, por isso, nem os altos dignatários extraterrestres de outros planetas vizinhos queiram entrar em contacto connosco, terrestres loucos, devido às nossas famosas bubuzelas capazes de fazer completas e gratuitas carecadas em rebanhos inteiros.
E já agora sabem que há muita gente que crê que saiu uma nova bebida? Não? Então quanto forem a um bar de praia, peçam lá e assim mesmo:
– “Umas Swap’s, fresquinhas, para esta mesa se faz favor!” [Read more…]

E se fosses dar banho ao cão?

Maria Luís Albuquerque não sabia dos contratos swaps. Se nem sabe o que assinou, demita-se.

Rimas

José Sócrates: “Esta operação swap [swɒp] é um flop [flɒp]” – Público.

Viva a meritocracia!

Secretário de Estado demitido devido aos “swaps” volta à Metro do Porto. A culpa de o país estar como está é dos funcionários públicos, pá!

Mil milhões de euros

Sorriam, fomos todos roubados.

De regresso ao Estado Novo?

Prepotências, métodos tortuosos e embustes deste governo não se afastam dos padrões de dirigismo e das acções políticas características do Estado Novo. O mais grave e inquietante da citada postura é notório na comunicação, em certas deliberações e eventos de iniciativa da coligação governativa. O fenómeno intensifica-se a um ritmo progressivo. Sinto-me a viver o período do maior desassossego antidemocrático do regime pós-25 de Abril, PREC incluído.

Gaspar justifica a quebra do PIB com a chuva. Quem nos governa ousa desrespeitar as deliberações do Tribunal Constitucional e a lei em vigor ao tempo do acórdão, pagando fora do prazo subsídios de férias da função pública. Começou por invocar uma falsa insuficiência de meios.

Vencidos no campo das relações laborais e do direito à greve dos professores, a despeito de contrariarem o Colégio Arbitral que reprovou a hipótese de requisição civil, recorrem ao Júri Nacional de Exames para requisitar administrativamente a presença de todos os professores nas escolas, na próxima 2.ª feira, dia 17, a fim de fazerem a vigilância dos exames.

[Read more…]

Garcia Pereira na luta contra os ‘swaps’

garciapereira101212Garcia Pereira, que conheço pessoalmente e de quem discordo politicamente em muitas matérias, tem, ao menos, o mérito – e a seriedade – de se manter fiel ao seu MRPP, por onde passaram: Durão Barroso, Fernando Rosas, Arnaldo Matos, Saldanha Sanches, Ana Gomes, Maria José Morgado, Maria João Rodrigues, Pinto Ribeiro, Franquelim Alves, José Lamego (ex-marido de Assunção Esteves) e muitos, muitos outros que se espalham por aí entre a vida partidária no ‘bloco central’, a comunicação social e o “tacho” compensador de subserviências e serviços prestados com interesseira devoção.

Claro que, do grupo, excluo aqueles que, por acreditarem no ideário perfilhado e no combate contra a tentativa hegemónica do PCP, se perfilaram pelo crer nos objectivos da luta em que se embrenharam. Têm de aceitar, todavia, o erro. Os acima listados vivem em lugares e condições sociais próprias de elites, ao passo que os crentes comuns estão submetidos à arrogância de sucessivos governos injustos – de Cavaco a Coelho, passando por Guterres, Barroso e Sócrates – uns mais do que outros, mas geminados nos desmandos contra o interesse do País e dos Portugueses. [Read more…]

‘Swaps’ – abordagens teóricas (II)

continuado de ‘Swaps –  abordagens teóricas (I)

Contratos de ‘swaps’

‘Swaps’ são parentes próximos dos contratos cambiais e de futuros. ‘Swaps’ são acordos entre duas partes para trocar fluxos de caixa ao longo do tempo. Há uma enorme flexibilidade nas formas que os ‘swaps’ podem tomar, mas os dois tipos básicos são os ‘swaps’ de taxa de juro ou ‘swaps’ de moeda. Muitas vezes estes são combinados quando o juro recebido numa moeda é trocado pelo juro noutra moeda.

‘Swaps’ de taxa de juro (1.ª parte)

Como outros derivados, ‘swaps’ são ferramentas que as empresas podem usar para facilmente mudar as suas exposições ao risco e as suas estruturas de balanço. Consideremos uma empresa que contraiu uma dívida e registou nos seus livros a obrigação de reembolsar um empréstimo a 10 anos de US $ 100 milhões de capital, a uma taxa de cupão de 9%/ano. Ignorando a possibilidade de reembolsar o empréstimo, a empresa espera ter de pagar de US $ 9 milhões anualmente, por 10 anos e um pagamento total de US $ 100 milhões no final dos citados 10 anos. Suponha-se, porém, que a empresa está desconfortável por ter esta obrigação fixa nos seus registos contabilísticos. Talvez a empresa tenha um negócio cíclico, em que as suas receitas variam e possam, decididamente, cair até um ponto em que seria difícil fazer o pagamento da dívida. [Read more…]

‘Swaps’ – abordagens teóricas (I)

Segundo o ‘Dicionário Inglês-Português de Economia’, de F. Nogueira dos Santos,  ‘swap’ significa:

Permuta; 2. Operação de reporte cambial; 3. Linha de crédito recíproco entre bancos centrais; 4. Substituição de um programa por outro.

Ultimamente, na comunicação social, na blogosfera e em debates informais na sociedade, tem-se, falado, de facto, de ‘swaps’ de forma abundante, avulsa e em muitos casos sem a noção do conceito subjacente ao termo, nem de outros que lhe estão associados.

Iniciei este texto com a reprodução dos significados de dicionário especializado, sobretudo atendendo ao que João Garcia, na página 8 do ‘Expresso’, edição de Sábado, apropriadamente, escreveu:

O problema é que, em geral, há uma incapacidade cognitiva e epistemológica (vivam os jargões!) para os entender. [Os ‘swaps’, acrescento eu]. [Read more…]

Os swaps e a leviandade de críticas insustentáveis.

Tenho ouvido e lido por aí a condenação generalizada do governo de Sócrates, no que respeita ao fecho de contratos de ‘swaps tóxicos’ – parte dos críticos nem sequer estão habilitados a perceber a diferença entre ‘tóxicos ou exóticos’ e os ‘vanilla swaps’ – estes últimos correspondem  a níveis de segurança mais elevados e são utilizados por gestores competentes. Sem os  enjeitar à partida, recorrem ao seu uso, numa óptica prudente de riscos pré-avaliados.

Deprimidos pelo desconhecimento, optam por personalizar a discussão. Segundo os padrões anglo-saxónicos, refugiam-se na subjectividade de acusações gratuitas a este e aquele, furtando-se à objectividade por ignorância, mentira ou motivações sectárias.

O pior de tudo é que, mesmo no plano da subjectividade, distorcem a verdade para atacar adversários e inimigos políticos que, natural e legitimamente detestam, fazendo da inconsciente ignorância uma arma pérfida de dolosa falsidade. [Read more…]