Passos Coelho apanhado no caso Vistos Gold*

Este texto – e em particular o seu título – foi inspirado numa peça da CMTV, na qual o órgão de comunicação social mais desonesto e ridículo do panorama jornalístico nacional afirma que “Costa promove jantar no Panteão”. Uma primeira leitura poderá induzir o leitor no erro de achar, dada a utilização do presente do verbo “promover”, que o primeiro-ministro se encontra actualmente em diligências para a organização de um evento no Panteão Nacional, apesar da polémica gerada pelo jantar de encerramento da Web Summit, que as suas declarações vieram incendiar ainda mais. [Read more…]

Luis Filipe Vieira; as mil formas de coacção e o ódio, aquele sentimento visceral

vieira

Vi com a máxima atenção a entrevista exclusiva que a CMTV levou a cabo na noite de ontem a Luis Filipe Vieira. Pela primeira vez concordei com algumas das posições do presidente do Benfica, apesar de continuar a discordar do seu método de actuação.

Cumpre-me saudar o facto do presidente do Benfica ter sido um dos primeiros dirigentes senão mesmo o primeiro a admitir que um erro de arbitragem beneficiou o seu clube, mesmo apesar da habitual (clássica) tentativa de spin para o lance do penalty que ficou, a meu ver, injustamente por marcar em Setúbal. Continuo a acreditar, em questões de arbitragens que não existem erros admissíveis assim como continuo a acreditar piamente que em relação ao meu clube, indiferentemente da postura mansa ou agressiva dos nossos presidentes e dirigentes, existe (factualmente) uma postura por parte da arbitragem, dos seus dirigentes e das influencias que historicamente os movem ou moveram uma intenção deliberada de errar para o segregar e para o excluir das vitórias. Se acredito que existem árbitros que erram por clubite aguda ou por instruções de terceiros? Se acredito que existem encomendas? Claro que acredito. Faz parte do futebol. O que não faz parte do futebol é errar sempre para o mesmo lado. Tanto erro, para o mesmo lado, é uma evidência clara de um futebol altamente viciado, que a continuar assim, diga-se a bom da verdade, irá afastar investidores e consumidores.

[Read more…]

Jornalista ao poste, jornalismo ao lado…

captura-de-ecra-2017-02-15-as-17-43-00

A história é simples: uma jornalista vai pela rua a tentar entrevistar Jorge Nuno Pinto da Costa. Este vai ao telefone e a ignorar a senhora. Ela, cumprindo a sua função, continua a fazer perguntas e mais perguntas. Até que um poste se atravessa no caminho e a senhora vai contra ele. E o que faz logo a seguir, em directo para o seu canal (CMTV), acusa Jorge Nuno Pinto da Costa de a ter empurrado/agredido…Sem se rir.

Por acaso toda a situação estava a ser filmada em directo. Por acaso todos vimos o que aconteceu. Por acaso a senhora foi contra o poste porque nem reparou que o dito estava ali, no meio do passeio. Se assim não fosse, estávamos todos a discutir os direitos dos jornalistas e a vergonha para o FC Porto de ter um presidente que agrediu uma jornalista.

Por acaso vários órgãos de comunicação social estão a dar a notícia de que Pinto da Costa insultou a jornalista sem se darem ao trabalho de colocar/explicar o que se passou segundos antes. Por acaso é com o FC Porto.

Por acaso eu não acredito em acasos. Porque é sempre assim. A diferença é que desta vez foi filmado. Todos vimos. Mesmo que alguns teimem em fazer de conta que não viram.

As pessoas são muito sensíveis, mas nem sempre e depende.

Na sequência de um conjunto de queixas efectuadas por cidadãos, entre os quais se encontram as deputadas Isabel Moreira e Edite Estrela, e o deputado Tiago Barbosa Ribeiro, a Ordem dos Psicólogos emitiu hoje um comunicado criticando violentamente as declarações da Dra. Maria José Vilaça, Psicóloga, que terá afirmado, numa entrevista, que “ter um filho homossexual é como ter um filho toxicodependente”. A Dra. Maria José Vilaça já terá vindo tentar esclarecer essas declarações, afirmando que elas estarão a ser analisadas fora do seu contexto original.

Mais afirma a direcção da Ordem dos Psicólogos que as declarações proferidas pela Dra. Maria Vilaça são de “extrema gravidade” e que, portanto, irá participar os factos em causa ao Conselho Jurisdicional da respectiva Ordem.

[Read more…]

Assunção Cristas decide chafurdar na lama

pigmud

Assunção Cristas quer mostrar serviço e, na falta de alternativas viáveis entre os órfãos de Portas, atirou-se de cabeça para a corrida eleitoral à câmara de Lisboa. Das duas, uma: ou consegue um resultado melhor que o conseguido por Portas em 2001 (7,59%), ficando automaticamente elegível para canonização, ou esbardalha-se com violência e regressa à base, enfraquecida mas sem grande risco de perder a liderança do partido que, a julgar pelas últimas internas, mais ninguém quer. Existe ainda a possibilidade de obter o apoio de Passos Coelho, que sem um candidato de peso para apresentar à capital, parece agora refém da líder do CDS-PP. E, com o apoio do PSD, não será muito difícil conseguir um resultado melhor que a humilhação a que a Pàf lisboeta foi submetida em 2013. [Read more…]

Era uma vez uma parceria público-privada entre a GNR da Guarda e a CMTV

Uma situação bizarra que dispensa comentários. O video e as legendas são mais que suficientes para ilustrar mais um momento épico oferecido pela CMTV com o alto patrocínio do comandante do destacamento de trânsito da GNR da Guarda. O jornalista quer entrevistar emigrantes portugueses? O comandante dá ordem de paragem aos condutores. Serviço público mais serviço público, não há!

Leonardo Ralha defende voyeurismo da CMTV

“O atentado que provocou 84 mortes na cidade francesa de Nice gerou uma vaga de indignação nas redes sociais portuguesas. Pena é que não tenha sido dirigida ao terrorista que acelerou ao volante contra a multidão no feriado nacional de 14 de Julho.”

Assim começa a defesa da CMTV escrita por Leonardo Ralha, jornalista do Correio da Manhã. Um parágrafo apenas e logo batemos em duas falácias. A primeira reside na afirmação de não ter existido uma “vaga de indignação nas redes sociais portuguesas” dirigida ao terrorista. E a segunda, depreende-se, a cobertura, digamos noticiosa, da CMTV não pode ser objecto de críticas.

Ralha desenvolve, no segundo parágrafo do seu texto, a explicação que encontra para essa onda de protestos, para os quais o Aventar, sumariamente, também contribuiu. Segundo o cronista,  houve “raiva” demonstrada “aos órgãos de comunicação social” por estes “mostrarem imagens chocantes”.  Não, corpos “seminus, estropiados, desarticulados, a escorrer litros de sangue, de olhos abertos“, usando as palavras de Vasco Pimentel, não são apenas imagens chocantes. Constituem um exercício de voyeurismo, tal como os que diariamente enchem esse canal de televisão, esticado até à exaustão. Não se trata de “ocultar consequências”, nem de fazer “desaparecer causas”, Leonardo Ralha. A cobertura da CMTV procurou, e conseguiu, mostrar as entranhas da carnificina, como forma de atrair a mesma audiência que entope uma estrada perante um carro acidentado do outro lado.

[Read more…]