Deputado Leitão Amaro acusa “um governo socialista” por causa dos swaps. Fala verdade ou mentira?

O Deputado Leitão Amaro, do PSD, sacudiu a água do capote. A acusou “um governo socialista” e afirmou que os swaps “foram assinados no tempo do governo de José Sócrates”.

O governo em funções é o responsável máximo, isso é claro. Mas há muita gente com responsabilidade pelo caminho. É o PSD assim tão inocente como afirma o deputado Leitão?

É o que vamos ver neste post.

Metro do Porto (Foto: Jcornelius)

[Read more…]

Maria Luís faz merda e o culpado é o Centeno

mla-mc

É o que retiro da escolha da redacção do Público para a fotografia que ilustra este “desce”. Podia ter escolhido a senhora Arrow Global? Podia, mas não era a mesma coisa. É que, quando penso em swaps, não sei bem porquê, não me ocorre o nome do ministro das Finanças. Ocorre-me a bela merda que Maria Luís Albuquerque, e outros como ela, andaram a fazer em empresas públicas. Diz o Viriato que, ainda Sòcrates mandava nisto tudo, e já a Dona Maria andava a dar cabo dos cofres públicos. A levar o país a sério à moda do PSD.

Fonte: Os truques da imprensa portuguesa

Um desenho chega

orçamento de estado-2017

Poderia escrever-se alguma coisa sobre o assunto, mas dissertar sobre revisionismos é uma perda de tempo.

Uma pergunta incómoda

sondagem

O alerta foi dado pela página que vem deixando o ministério da propaganda à beira de um ataque de nervos. Em mais uma iniciativa de puro terrorismo virtual, Os Truques da Imprensa Portuguesa trouxeram à baila uma sondagem encomendada pelo grupo Impresa à Eurosondagem, parte da qual, por algum motivo, não chegou a ver a luz do dia. Sobre o que foi publicado, já aqui deixei algumas notas.

Desconheço o motivo por trás de tal decisão mas, infelizmente para alguns, a lei obriga a que a ficha técnica e o estudo elaborados pela Eurosondagem fiquem integralmente arquivados no site da ERC. E se muitos dos dados recolhidos foram imediatamente tornados públicos, muitos foram os que ficaram presos no filtro do Expresso e da SIC. Um leitor da página, possivelmente desatento e ignorando que o grosso da sondagem havia sido publicado, ainda insinuou que o motivo para a não publicação do estudo estaria relacionado com a desejo de ocultar dados sobre os quais o Expresso até fez notícia. Fica por esclarecer o motivo que levou os dois órgãos a nada dizer sobre a resposta à pergunta “Quem acha que seria o melhor sucessor de Pedro Passos Coelho na liderança do PSD“, e cujo resultado atira a preferida da corte passista, Maria Luís Albuquerque, para o fundo de uma tabela liderada por Rui Rio, que consegue o dobro do resultado obtido pela antiga ministra. Deve ter incomodado alguém. Estou certo que seria um tema de interesse para muitos portugueses.

Imagem via Os Truques da Imprensa Portuguesa

Era uma vez uma proposta pelo Banif que o anterior governou escondeu

MLA VF

Correndo o risco de ser meramente redundante e eventualmente abalroado por um marido violento em fúria, uso novamente este espaço para informar o país que Maria Luís Albuquerque mentiu ao país. E não, não estou a falar de swaps, da sobretaxa que ia ser devolvida ou do BES que não teria custos para os contribuintes. Desta vez o assunto é o Banif. Parece que não há matéria de relevo que envolva esta ex-ministra que não venha manchada de aldrabice. [Read more…]

Congresso do PSD: Maria Luís Albuquerque e o elogio da mentira

MLA

O Congresso Nacional do PSD começa no dia das mentiras. Imenso poderia ser dito acerca da inepta capacidade de planeamento de Passos & Companhia, mas, aqui, a piada faz-se sozinha. [via Uma Página Numa Rede Social]

A fotomontagem acima e a fina ironia que resulta do congresso do PSD ter começado precisamente a 1 de Abril dispensam desenvolvimentos adicionais. Da avalanche de mentiras da campanha de 2011 ao conjunto de aldrabices que marcaram o episódio do regime de exclusividade de Passos Coelho, a fuga a verdade na corte do líder do PSD é sintomática e a mentira aparentemente premiada. Só vota neles quem quer.

Swap! Swap!

swaps swaps

Jesus tinha dois pais, Maria Luís tem dois empregos

MLA

Ora aqui está um cartaz que o Bloco podia fazer. Um cartaz a reforçar junto da opinião pública que significativa parte dos nossos deputados exerce funções paralelas que encerram em si conflitos de interesses. E a política portuguesa está cheia de exemplos desses. Eles são os deputados que integram a comissão de saúde de manhã e que aprovam aquisições de serviços a empresas da área da saúde para quem trabalham à tarde, outros que se sentam na comissão de obras públicas num dia, para no dia seguinte se sentarem no conselho de administração de grandes construtoras, enfim, toda uma festa de promiscuidade que se estende a todas as comissões parlamentares e que explica décadas de danças de cadeiras entre governos, Parlamento, bancos e grandes empresas nacionais e estrangeiras a operar em Portugal. E não se passa nada. [Read more…]

Maria Arrow Albuquerque

maria arrow albuquerque

Maria Luís: Desculpa!

Escrevi que terias mudado de emprego. Afinal foi só uma mudança de local de trabalho. Peço desculpa pelo lapso.

A saída da Mariazinha

é uma saída limpa?

Serão senis ou tomam-nos a todos por otários?

Lisboa, 30/07/2013 - Maria Luís Albuquerque, ministra de Estado e das Finanças, foi ouvida esta tarde na comissão Parlamentar de Inquérito à celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público para esclarecimentos sobre os swaps, na Assembleia da República em Lisboa. ( Steven Governo / Global Imagens )

Vamos lá escrever isto com cuidado não me vá aparecer um troglodita em fúria pela frente: o ser que surge na foto afirmou ontem, sem rodeios nem meias palavras, que reitera o que sempre disse: que os “contribuintes não serão chamados para cobrir prejuízo. Da venda do fabuloso banco bom pois claro!

Assim de repente vêm-me à cabeça Teixeira dos Santos a garantir ao país que o BPN não ia custar um euro aos contribuintes. Ou Cavaco Silva a afirmar que os portugueses podiam confiar no BES, para poucos dias depois se indignar com uma jornalista que o confrontou com essas declarações, afirmando não as ter feito. Confesso que no segundo caso estou mais inclinado para a senilidade.

Agora temos esta personagem, tímida aspirante a líder do PSD e ao cargo de chefe do governo, que não aparenta estar senil mas que parece tomar-nos a todos por otários. Vamos lá ver se nos entendemos: se houver prejuízo – e nesta fase só mesmo quem se deixa adormecer com contos de crianças para embalar jotas é que poderá acreditar em tal patranha – uma parte dessa factura sai do nosso bolso. O Fundo de Resolução tem como maior “accionista” a CGD, um banco público que irá registar perdas que, por ser uma instituição pública, são perdas de todos os portugueses. Tão simples quanto isto. Até Pedro Passos Coelho admitiu que esta solução pode gerar encargos para os contribuintes. Mas a mulher está parva ou quê?

Resta-nos cruzar os dedos para que esta inevitabilidade não seja apenas a ponta do icebergue.

Foto@Dinheiro Vivo

Há spins que são estúpidos e acabam por se virar contra os donos

Cofres cheios? Eis como a política do sucesso demonstra, afinal, o fracasso. Cofres do Estado estão a ficar vazios.

Portugal tem um “pedregulho” às costas que “é pesado”

maria-luis-rodin

Título roubado ao DN (sintaxe “criativa” idem).
Que me perdoem Rodin e mais uns quantos.

Que se lixem as eleições?

Alegra-te

 

Foto@Dario Silva

Seguindo a linha eleitoralista que tem marcado a actividade recente do PSD, que longe de se estar a lixar para as eleições se vai desdobrando entre anúncios de programas de impacto residual (mas muito interessantes no que à propaganda diz respeito), operações de charme junto de empresários, assegurando ser capaz de ganhar as próximas eleições sem recorrer sequer ao táxi do Capelo Rego, e piscadelas de olho ao contribuinte, a quem não revela ainda o próximo programa de governo apesar de deixar escapar a intenção de reduzir impostos, Maria Luís Albuquerque continua em grande forma, no humor como na hipotética corrida para suceder a Passos Coelho.

[Read more…]

Cofres cheios…

cofres cheios

Sermão aos amphiprion ocellaris

palhacos

Explicador

Lista VIP minuto-a-minuto

Passos Coelho, Núncio e a burka fiscal FEMAIL

Depois de ter afirmado no Parlamento que não tencionava fazer striptease fiscal Passos Coelho certificou-se que o seu cadastro fiscal se apresentaria doravante apenas de burka. [Read more…]

Com o PSD e o CDS nunca nos veremos livres da austeridade

Com o PS não sei o que aí virá, apesar de achar que a política será de continuação do programa PSD/CDS, como de resto tem acontecido na alternância deste bloco central. Mas, quanto a estes dois, é claro como água:

Logo na sexta-feira, dia do acordo com o Eurogrupo, jornais gregos, mas também outras publicações, como o britânico The Guardian, noticiaram que a maior oposição ao entendimento entre os parceiros do euro e a Grécia veio dos ministros ibéricos. O jornal alemão Die Welt escreveu depois que a governante portuguesa pediu “pessoalmente” firmeza ao homólogo de Berlim, Wolfgang Schäuble. [PÚBLICO]

Repetindo-me, a vitória de uma alternativa, qualquer que ela seja, é a derrota da base ideológica deste governo: a política do “não há alternativa”. Por isto, não esperemos destes protagonistas uma inversão de política, nem agora, nem no futuro. Agora, porque isso seria a negação do que têm feito e tal inversão conduziria à aniquilação eleitoral destes dois partidos. E nem no futuro, já que reformar, para PSD/CDS, consiste em baixar salários, aumentar impostos, baixar pensões e desmantelar serviços públicos.

Ficamos mais descansados

Não há nenhum compromisso firme de atingir os 12 mil funcionários públicos. Foi uma estimativa, mas que não corresponde a uma meta à qual o Governo esteja vinculado

Capitão sub-títulos traduz Maria Luís Albuquerque

captain subtext

Pedimos desculpa pela tradução incompleta. O Capitão Sub-títulos crashou ao tentar traduzir “mais confortável“.

Metes-me nojo Maria

MLA 3

(na foto: Maria manda-me calar porque também lhe meto algum nojo)

A Maria mete-me muito nojo mas proporciona-me excelentes momentos de farta gargalhada. Ora saltita alegremente de conferência de imprensa em conferência de imprensa com o inseparável amigo Paulo, o homem que tomou a decisão “irrevogável” (no sentido “novilinguístico” da coisa) de se demitir quando soube que o Pedro tinha escolhido a Maria para o lugar do Vítor, ora surge na comunicação social, desolada, a dizer que “tal como os portugueses, tem pouca margem para poupar”, qual Cavaco Silva que não sabe como pagar as contas com o seu magro salário de ministra, ao qual acrescem almoços grátis e milhentas ajudas de custo. Em ambos os casos, adoro o ar de monte de merda (no sentido metafórico da expressão, claro) que habitualmente a acompanha nestes momentos.

[Read more…]

Rotina

A ministra mentiu. Ministério Público confirma.

Gente sem classe

mentirosa

Esta gaja, esta cara-de-pau, esta sujeita sem qualificação possível, esta aldrabona, este monstro que não se coíbe de usar os filhos para mostrar como também é tããããõooo prejudicada pelos cortes, digo pelos roubos, que este governo de ladrões, de pançudos nojentos, de escroques da pior espécie anda a fazer, esta gaja não tem um pingo de vergonha naquelas trombas?

Esta gente defeca verbalmente toda a merda que aqueles cérebros que acumulam lixo atrás de lixo, produzem? Arre Diabo, que o que é de mais é moléstia!

Não se medem as palavras, diz-se o que bem se entende, ofende-se assim os desgraçados que já não podem pagar comida ou casa, quanto mais sonhar sequer em ter poupanças? [Read more…]

Ministra hipócrita

Justificar o aumento do imposto sobre os veículos a gasóleo dizendo que é por serem mais poluentes.

Quem Não Mente?

Hoje, Maria Luís Albuquerque poderá retractar-se ou não! da imprecisa formulação inicial acerca da transmissão do terrível dossiê swap. Já observámos uma sensível evolução discursiva do «nada lhe foi transmitido relativamente à matéria dos swap» para «o que lhe foi transmitido acerca da matéria dos swap era insuficiente para tomar decisões». As modulações discursivas são imperdoáveis em Política [em comparação com o facto de se ter lesado os contribuintes e o erário em vários milhares de milhões de euros, coisa de que nem se fala nem interessa para nada], especialmente quando o que se pretende é abater alguém seja a que pretexto for, por daí se extraírem vantagens mesquinhas na contenda política. E a questão é muito simples na sua extrema e intrincada complexidade: interessa ao País que as Oposições explorem este filão de putativa inconsistência até às últimas consequências ou o que interessa ao País é perceber quantos contratos swap os Governos Socialistas autorizaram, por que motivo os autorizaram e por que, na altura da transição, Pedro Felício, Carlos Costa Pina e Teixeira dos Santos sabiam tão pouco ou quase nada acerca dos prejuízos potenciais e virtuais de esse tipo de negócios ao ponto de ter sido aos bochechos que toda a informação se reuniu para formar um quadro só inteligível ulteriormente?

Por que motivo tem de ser a nova Ministra das Finanças a pagar toda a factura de uma matéria por que não foi responsável directa enquanto governante, tendo herdado um dossiê escabroso?! Ok, talvez Albuquerque o tenha engonhado e não o poderia engonhar. A vingança serve-se fria, mas o Regime Socialista Português serve-a a ferver sempre que um titular de cargo público ouse encalacrar o Partido Socialista, os seus ex-titulares de cargos públicos, entalando-os nas gravíssimas irresponsabilidades em que incorreram. Isso é que é imperdoável, em Portugal. Denunciar abusos, excessos, malfeitorias políticas costuma ser mortífero para o atrevido denunciante. É por isso que está interdito falar no socratismo [raro é o companheiro do BE que convoque, invoque, relacione o passado socratista com muitas das opções políticas em decurso, pacta sunt servanda] e muitos preferem falar no cavaquismo e nas culpas da monarquia às riscas a abordar o hiato de irrespirabilidade antidemocrática dos anos 2005-2011. Albuquerque meteu a unha no mau trabalho dos socialistas, denegriu-o, quis dar a entender que os titulares desse Governo não lhe transmitiram nada porque pouco ou nada saberiam. Azar. Quem se mete com o PS, leva. E hoje, quem se mete com o PS ex-Governo, leva dos galfarros do PS e pode levar com toda a violência e toda sanha dos esbirros não-PS, iludidos com futuros e convénios de Esquerda que nunca sucederão, bem pode vaca tossir e os agentes do Grande Satã branquear todos os dias a pessoa política e pública do grande embusteiro. Nós, os que amamos a verdade, não temos culpa que a verdade incrimine os governos socratistas. Pela dívida. Pelos improvisos. Pela inaudita vertente casino trazida para a governação.  É a vida.

Saúde: custos das PPP agravados em 6 mil milhões de euros

O ‘Correio da Manhã’ saiu hoje para as bancas com o seguinte destaque de 1.ª página:

Correio da Manhã_28-07-2013(2)

Trata-se, como é sabido, de um jornal sensacionalista, suscitando dúvidas quanto à credibilidade de títulos de primeira página. Todavia, nem sempre especula sem sentido. Certas vezes, recorrendo a provas dignas de confiança, acerta na ‘mouche‘, como é o caso do descontrolado e pesado gasto não previsto com as famigeradas PPP no sector da saúde, dominadas pela HPP (CGD), Grupo Mello, uma sociedade gestora herdeira da SLN do BPN e, para completar o cartaz, o grupo Espírito Santo Saúde, dirigido por essa ardilosa e insolente figura, Eng.ª Isabel Vaz.

Desta vez, não há, de facto, dúvidas, menores ou maiores. O CM baseia-se no Relatório nº. 18/2013 – 2ª. Secção do Tribunal de Contas, de conteúdo pormenorizado, e até exaustivo, que em 347 páginas descreve, avalia e recomenda acções do governo sobre as Parcerias Públicos Privadas no Sector da Saúde.

Os resultados para os cofres públicos, conforme o TC justifica, saldam-se por enormes gastos, tomando por base os custos previstos face aos custos reais para o Estado que, como diz o CM, se reflectem em encargos adicionais de 6 mil milhões de euros.

[Read more…]