Praia em tempo de castanhas

praia_braga_eleicoes

Nas ruas de Braga já se assam castanhas mas isso não deve impedir a junta de freguesia de São Victor de, a quatro dias de ida às urnas, levar 150 eleitores a molhar os pés no Atlântico. Campanha eleitoral com o dinheiro dos munícipes? Em Braga?? – nah…
Entretanto, tem sido impossível calar os professores no que diz respeito à falta de funcionários nas escolas do concelho de Braga.
(in Correio do Minho, 28-09-2017)braga_falta_professores

 

Imoralidade eleitoral com idosos – mudar a Lei

ricardo-rio-malafaia_2

Miguel Teixeira

Discordo como cidadão eleitor deste país, que em altura de eleições se procure aliciar votos dos eleitores (é da tentativa de aliciamento de votos patrocinada pelo erário público que estamos a falar), em centenas de autarquias deste país convidando milhares de idosos para almoçar na Quinta da Malafaia ou em qualquer outro espaço de convívio. Discordo igualmente que em alturas eleitorais se levem os idosos de Centros de Dia a S. Bento da Porta Aberta, a Fátima ou seja lá onde for, em ações patrocinadas por Câmaras Municipais ou Juntas de Freguesia que configuram uma concorrência eleitoral desleal, falseando com enorme “chico-espertice” os resultados eleitorais. [Read more…]

Vai pôr cobro a esta pouca-vergonha no seio do seu partido, Dr. Pedro Passos Coelho? Ou será que a sua palavra não vale rigorosamente nada?

Por estes dias, o Dr. Pedro Passos Coelho chamou, e bem, a atenção para as manobras eleitoralistas que aqueles que se encontram em posições de poder tendem a usar para ganhar vantagem nos mais variados actos eleitorais. Imagino que o senhor primeiro-ministro no exílio se referia, por exemplo, a casos como o anúncio da devolução da sobretaxa, que o seu governo usou para obter vantagem nas Legislativas de 2015, e que afinal não passava de um embuste, em linha com casos de sucesso como aquela saída limpa que tinha um Banif escondido debaixo do tapete.

Pois bem, já que o caríssimo líder da oposição decidiu trazer este tema à baila, aproveito a deixa para, encarecidamente, pedir a alguma alma bondosa da capital que faça chegar esta mensagem ao Dr. Passos Coelho, porque algo de muito grave se está a passar na distrital portuense do seu partido. Não, não me refiro às tropelias da entourage de Marco António Costa e da sua compincha da Webrand. No que a este caso diz respeito, já sabemos tudo, como sabemos que nada irá acontecer, porque, nesta bela pátria à beira-mar plantada, o poder quase absoluto continua a garantir a impunidade dos esquemas subterrâneos. Penso que só temos direito a 1 caso Sócrates a cada 100 anos. [Read more…]

Os milagres e os vendilhões do santuário

Os milagres acontecem todos os dias. A criança que é salva por um bombeiro, o emprego que aquele pai desesperado consegue encontrar, o grupo de jovens que vai a lares visitar idosos, solitários, acamados e sem família, uma mãe solteira com três filhos e dois empregos, que consegue ter tempo assistir à peça de teatro na escola e não falha um jogo dos filhos ao Domingo, um voluntário que deixa tudo para ajudar refugiados num país distante. Todos os dias, sem dogmas ou literatura ficcional. [Read more…]

Aumentos de 150% na direcção da ANAC? Eram as Legislativas, estúpido!

eleitoralismo

Anda por aí muita gente surpreendida e indignada com os aumentos salariais acima das possibilidades do país que o governo anterior proporcionou  a três elementos da direcção da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), um aumento superior a 150%. Junto-me a esse coro de indignação mas devo dizer que não estou minimamente surpreendido. Só quem não esteve atento aos últimos esforços eleitorais da coligação PSD/CDS-PP a poucos dias das Legislativas é que pode estar. Ou será que já ninguém se lembra dos vários aumentos salariais proporcionados pela equipa de Pedro Passos Coelho na semana das eleições? Só no ministério da Saúde foram 11 mil enfermeiros de uma assentada. E se esses aumentos não me causaram indignação pelo aumento em si mas pelo timing, no caso da direcção da ANAC estamos perante um verdadeiro insulto à população portuguesa. Pelo aumento estratosférico, pelo timing e por ter sido uma decisão dos mesmos que agora se indignam diariamente contra qualquer minúsculo aumento do salário mínimo. E a melhor desculpa desta direita moralista, até ao momento, é acusar o PS de ter participado na aprovação da lei que permitiu este abuso. Genial!

Devolução da sobretaxa: mais uma manobra pré-eleitoral exposta

MLA PPC

A poucos dias das eleições de 4 de Outubro, e pela voz da ministra das Finanças, o governo PSD/CDS-PP anunciava a devolução de 35% da sobretaxa, baseada em previsões cujo optimismo alucinado se apresentava como uma decorrência normal da estratégia de não olhar a meios para ganhar eleições. A tal sede de poder. O optimismo desvaneceu quando, passadas duas semanas do acto eleitoral, Maria Luís Albuquerque vem informar o país que a devolução da sobretaxa seria afinal mais modesta, na casa dos 9,7%, por culpa da quebra na receita do IRS. Melhor que nada pensavam alguns que estarão agora a olhar para as notícias que dão hoje conta de que afinal é precisamente nada que se perspectiva que iremos receber. De 35% para 0% em menos de dois meses. A coligação PàF agradece a todos os que engoliram o embuste.

Foto: Marcos Borga@Expresso

José Gomes Ferreira acusa governo de “vergonhosa manipulação política”

Um dos mais reputados ideólogos da extrema-esquerda nacional, o jornalista-comentador-subdirector de informação da SIC José Gomes Ferreira, conhecido pela sua hostilidade face a Pedro Passos Coelho e ao seu governo, acusou a coligação de levar a cabo uma “vergonhosa manipulação política”, traduzida num empolamento artificial das receitas do IRS, que alimentou um dos grandes embustes pré-eleitorais da coligação PSD/CDS-PP: a “devolução” da sobretaxa do IRS. Terminado o período de manipulação eleitoralista, o logro foi revelado. Há exactamente um mês, duas semanas antes da eleição, a estimativa do governo apontava para uma “devolução” de 35% do valor da sobretaxa. Um mês depois, essa estimativa desceu vertiginosamente para a casa dos 9%. José Gomes Ferreira explica mais uma trapaça governamental.