Esta é a execução orçamental do governo, sem torpezas nem cunhas

As contas curtas e cunhadas:

  • Balança de Bens e Serviços: 432.000.000 € (+)
  • Balança Corrente e Capital = 868.000.000 € (+)
  • Balança Corrente = 162.000.000 € (+)

As contas do Relatório de  Execução Orçamental de Maio 2013 do governo:

Página 49

0001(3)

A análise e interpretação deste quadro são morosas e trabalhosas. São tarefas incompatíveis com actos de propaganda de feirante, destinada a influenciar os menos atentos.

Ser competente e honesto é indispensável, sendo também necessário estar de boa-fé. Segundo Vítor Gaspar afirmou ontem na AR, não estão considerados nestas contas a recapitalização do Banif, 1,1 milhões de euros; a ser considerada pelo Eurostat, a elevação do défice do 1.º trimestre atingirá 10%.

Para agravar as frustrações dos governantes, a que estamos sujeitos, e indefectíveis apoiantes, a CE acaba de sair-se com esta:

Bruxelas já vê mais riscos no cenário macroeconómico do Governo

Eu diria mesmo que Portugal é país completamente riscado e há muito.

Até o Álvaro se desmanchou à gargalhada

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=zXG4R-uTbkA]

O deputado Bruno Dias actualiza a ciência económica na Assembleia da República através do Borda d’Àgua. Um contributo de Vítor Gaspar para o conhecimento humano.

Choveu, subiu o nível dos juros da dívida portugesa

As taxas de juros da dívida pública portuguesa agravaram-se para as percentagens seguintes:

0001 (2)Fonte: Jornal de Negócios

Também Itália e Espanha viram os juros das dívidas públicas registarem aumentos, embora com intensidade inferior à verificada para Portugal. Saudado pelo aliado Cavaco, o governo, pela mão da swinger dos swaps, Maria Luís Albuquerque, exuberou na euforia do regresso aos mercados, há cerca de um mês, realizando uma operação de 3.000 milhões a 10 anos à taxa de 5,669%.

Agora, em momento de subida sensível e generalizada a todos os prazos de juros, os membros do governo ou mesmo os deputados da  maioria emudeceram.  Olham para o ar e assobiam ‘Singing in the Rain’.

Sinceramente também não tenho paciência para ouvir Vítor Gaspar a argumentar que, tendo chovido torrencialmente no centro da Europa, os juros, fluídos como a água, também registaram subida nos níveis das taxas; ou então, as vacuidades da madame d’ air négligé, estilo Saint Germain de Prés, Teresa Leal Coelho.

[Read more…]

Notícias de Última Hor(t)a

climaKing’s College London, a Harvard Business School e as restantes sete universidades da Ivy League acabam de acrescentar aos curricula dos respectivos MBAs e Doutoramentos de Economia, Finanças e Negócios uma “cadeira” de Meteorologia e Investimento, anual e obrigatória.

Depois de ouvirem Gaspar, hoje de manhã, os Reitores foram unânimes no reconhecimento da indispensabilidade do profundo conhecimento deste tema para o exercício futuro de funções ao mais alto nível, quer da Governação, quer da Governança.

Destaque ainda para o lugar central que o Borda d’Água adquiriu nas Bibliografias obrigatórias dos mais ambiciosos. Em resultado, a vetusta publicação esgotou de imediato na Distribuição, constituída sobretudo por invisuais, amblíopes e romenas com dois filhos pela mão e outro ao colo.

Quem prejudica quem?

Portugal é um país especial – conta-se uma anedota e, como se diz por aqui, ´tá a andar de mota.danca Assim, se me permite, caro leitor, vou seguir essa máxima de grande sucesso:

Um tipo com problemas de Álcool, encontra um amigo muitos anos depois do último olhos nos olhos.  Conversa para aqui, comentário para ali e a pergunta:

– Então, meu, e com a bebida?

– Está resolvido! Agora só bebo dois tipos de vinho! Estou curado!

– A sério? Nem acredito! Que bom! E que vinhos são esses?

– Portugueses e Estrangeiros.

Sim, eu sei que os discursos do Gaspar são um bocadinho mais humorados que as minhas anedotas, mas vem isto a propósito das GREVES que os Professores têm em cima da mesa: avaliações de 7 a 14 de junho e a todo o serviço no dia 17 de junho.

Os comentadores, mesmo aqueles que são pagos pelo PSD para aparecerem na Blogosfera a comentar, alinham no discurso oficial que basicamente se resume a isto: os Professores são uns malandros, uns filhos da …, porque usam as criancinhas nas suas lutas. Claro que têm direito à luta, que a Greve é um Direito Constitucional (sabemos o quanto este PSD ama esta constituição!), blá, blá, blá, batatinhas.

E, nesse mesmo registo, pergunto: não são esses mesmo comentadores profissionais e seus financiadores que recorrem permanentemente às criancinhas para a fotografia nas campanhas eleitorais? [Read more…]

We will always have Paris…

O presidente francês François Hollande resolveu responder à Comissão Europeia sobre a forma “abusada” com que a CE se intrometia nos assuntos internos do seu País e disse: “Bruxelas não tem nada que ditar o que Paris deve fazer”. Segundo a imprensa Francesa, Hollande encostou Bruxelas às cordas.

Eu cá que não sou de intrigas, nem tão pouco de esquerda mas, no entanto, fervorosa benfiquista, parece-me que posso dizer que por cá esta receita sempre seria mais bem vista do que qualquer pedido de simpatia. Não?

OCDE esqueceu-se do ‘momento do investimento’, diz Gaspar

OCDE(2)

Vítor Gaspar teve hoje um dia negativo. Ingrato, diria. Com coragem, e referindo-se ao ‘programa de ajustamento’ de que é o gestor governamental, confessou:

Certamente sou responsável por vários erros.

Registe-se a humildade. Todavia, exige-se-lhe mais detalhes quanto à natureza e impactos quantitativos e qualitativos, nas condições de vida dos portugueses, do maior erro cometido: a defesa intransigente das políticas austeridade, agravando o programa do ‘memorando de entendimento’ da troika – lembro a retirada dos subsídios de férias e de Natal, bem como a antecipação do IVA de 23% aplicado à energia eléctrica e gás em Setembro de 2011, quando o memorando estabelecia Janeiro de 2012.

Queixou-se do PS quanto ao memorando, mas tem reduzida moral para se lamentar. Assumiu a direcção do programa com entusiasmo e empenho, fazendo sentir aos portugueses, e de que maneira!, a deterioração da vida do dia-a-dia. Desemprego, pobreza, miséria, insensibilidade social, entre outros, são pecados a expiar arduamente. Mas, permanecerá incólume e até progredirá na carreira, a nível internacional. [Read more…]

É o penta

Depois da taça, da liga e do campeonato, SLB ganha Vítor Gaspar, o homem que corta todas as jogadas. E o Passos Coelho também, já se sabia.

Gaspar dá vontade de rir

Embora a intenção seja fazer-nos chorar.

O Acordo Ortográfico não está em vigor coisíssima nenhuma

O Acordo Ortográfico não está em vigor coisíssima nenhuma

Sim, coisíssima nenhuma.

Até ao ano *letivo 2013/2014, na classificação das provas, continuarão a ser consideradas *corretas as grafias que seguirem o que se encontra previsto quer no Acordo de 1945, quer no Acordo de 1990 (*atualmente em vigor), mesmo quando se utilizem as duas grafias numa mesma prova

Os meus agradecimentos a João Pedro Graça, pela divulgação deste contributo para acabar de vez com a ortografia em Portugal.

E não se pode suicidá-lo?

Vítor Gaspar: “Ajustamento de Portugal é muito bonito”

Aos Filhos de Fouquier-Tinville

Chega. É chegada a hora de olhar para Pedro Passos Coelho e Paulo Portas e mesmo para o obediente frankfürter Gaspar como o último reduto para o êxodo-êxito da Intervenção Externa. Perante a incoerência e cinismo do FMI/BCE/CE, são eles, e não outros, a nossa única e exclusiva esperança, última oportunidade para nos salvarmos colectivamente de desgraças maiores, da desordem política, do caos fútil, do descrédito internacional.

Em geral, os partidos políticos na Oposição, certos comentadores e especialistas afectos a determinados partidos momentânea ou permanentemente fora do exercício do Poder, como o intelectualmente desonesto e autodeslumbrado Daniel Oliveira ou o visceral zarolho Miguel Sousa Tavares anti-docentes, só nos garantem o Fim do Mundo e nada mais que a desgraça geral e colectiva. O registo de Daniel Oliveira, especialmente depois do abandono espectaculoso do BE, passou a ser explicitamente desonesto quando, colocando em perspectiva José Sócrates [a devastação que pôs em movimento] e Pedro Passos Coelho [nada mais que um bombeiro atrevido com óbvio desinteresse na demagogia e no eleitoralismo, debatendo-se com a paralisia do Centro Decisor Europeu] escamoteia a evolução favorável dos números entre 2010 e 2013. No défice e na dívida. [Read more…]

Revoltante sensacionalismo

02052013-jornal_i_detailÉ muito triste confirmar o sensacionalismo em que caem alguns jornais, como é o caso do i. Como é possível concluir que Vítor Gaspar será o responsável por destruir mais 208000 empregos até ao próximo ano? Tendo em conta que esses números derivam de previsões feitas pelo próprio ministro das Finanças, é evidente que o número será superior.

Senhores jornalistas, mais rigor, por obséquio. Pelo menos, acertaram no nome do responsável.

Do Decadente Socialismo Franco-Português

Houve um tempo, demasiado recente, em que gastar dinheiro em Portugal era todo o âmbito da política. O que importava fazer? Gastar. Em quê? Não importa. Importava gastar. Era o socialismo. Quinze anos dele.

Deu-nos estagnação do PIB, deu-nos facilidades amargas, dívidas à fartazana, facilitismo, falências, eleitoralismo absoluto, demagogia acima do interesse nacional, um inteiro cortejo guloso de políticos na gula gananciosa de rapar em pelo menos duas legislaturas. Mas agora temos Gaspar, o Marciano, alguém que não contemporiza com detalhes, não se apieda com choradinhos, não pensa eleitoralmente, nem se detém com impostores de Esquerda ou com as hesitações Moralistas Socialóides com demasiado boa consciência e as mãos vazias de economia, risco pessoal, em benefício dos pobres dos desempregados. [Read more…]

Os swaps e a leviandade de críticas insustentáveis.

Tenho ouvido e lido por aí a condenação generalizada do governo de Sócrates, no que respeita ao fecho de contratos de ‘swaps tóxicos’ – parte dos críticos nem sequer estão habilitados a perceber a diferença entre ‘tóxicos ou exóticos’ e os ‘vanilla swaps’ – estes últimos correspondem  a níveis de segurança mais elevados e são utilizados por gestores competentes. Sem os  enjeitar à partida, recorrem ao seu uso, numa óptica prudente de riscos pré-avaliados.

Deprimidos pelo desconhecimento, optam por personalizar a discussão. Segundo os padrões anglo-saxónicos, refugiam-se na subjectividade de acusações gratuitas a este e aquele, furtando-se à objectividade por ignorância, mentira ou motivações sectárias.

O pior de tudo é que, mesmo no plano da subjectividade, distorcem a verdade para atacar adversários e inimigos políticos que, natural e legitimamente detestam, fazendo da inconsciente ignorância uma arma pérfida de dolosa falsidade. [Read more…]

Gaspar, os Swaps, e o Passado Interdito

Meu Deus, que País dualista, bizantinista, clivado, segundo o tal paleio que não faz acontecer. Isto, o ambiente do comentário e da politiquice, está de tal maneira maniqueu, que vale tudo, à força de insistência, para abater os incumbentes, herdeiros do Pedido de Resgate, mas poupar os agentes que fizeram trinta por uma linha e procrastinaram contas e riscos, como se não tivéssemos fatalmente de pagar todos os desmandos e optimismos.

Vítor Gaspar, só para dar um pequeno exemplo de alguém que tem apanhado forte e feio por falhar metas e previsões sucessivas, não pode dizer o que quiser e achar por bem na matéria viscosa dos swaps. No caso desses contratos especulativos e do potencial buraco extra de 2,8 mil milhões de euros nas contas públicas, está impedido pelas drago, pelos medina e demais virgens vaginais do passado, de quaiquer acusações como o facto de os swaps serem consistentes com outros actos de gestão aventureira e que compõem um padrão nos Governos de José Sócrates.

Meu Deus, isso não. Logo os tweetistas do Fascismo de Esquerda-na-Garganta e Croquetes-no-Bucho, os galambas, os jugulares, os valupis, os bicicleta, os corporativescos, toda a fauna que se locupletou directamente com o facto de ser muito competente a dourar a grande peta socialista, vêm rasgar as vestes. Não se pode! [Read more…]

Atenção, hoje é noite de carrapato

vg

Parece que a raça só se extingue em Maio.

A gaffe de Ana Drago

– A senhora deputada deveria saber que eu não fui eleito coisíssima nenhuma. – assegurou Vítor Gaspar, ministro da República. Deve ser algo que o honra. Salazar também não.

Já descobri onde é que o Gaspar esconde o nosso dinheiro

image

Encontrado o local do pote do Passos.

Para acabar de vez com a CMVM

Ao ler o título deste despacho da Lusa, pensei que o presidente da República tivesse abruptamente aportuguesado a terminologia utilizada na instituição onde é membro do muito restrito clube dos “notable alumni” e do ainda mais exclusivo clube dos “internationally renowned alumni“. Efectivamente, o vídeo da SIC não é esclarecedor, mas, por aquilo que leio na notícia do Público, escrita em  português europeu padrão, estas *maturidades terão sido criadas pela Lusa e repetidas por órgãos de comunicação social que plasmam acriticamente os despachos. De facto, Cavaco Silva já falou em maturidade, sim, mas na verdadeira acepção do termo.

Pelo contrário, o ministro das Finanças não se coíbe de utilizar *maturidades («Foi acordado em princípio, e sujeito aos processos nacionais de validação parlamentar, sempre que apropriado, estender as maturidades dos empréstimos oficiais europeus por sete anos»), mas com pertinente correcção efectuada pelos jornalistas no parágrafo seguinte («O ministro português qualificou como “um momento especial” a decisão tomada em Dublin e salientou a importância do prolongamento dos prazos de pagamento»). [Read more…]

Gaspar e ‘troikas e baldroikas’

0019

Vítor Gaspar, como sabemos, é um  neoliberal fundamentalista. As ideias que sustenta, baseadas em modelos econométricos que, sem excepção, saem furados, convertem-no no principal responsável pelo duro projecto de empobrecimento dos portugueses – o Coelho aprova e na matéria não mete o bedelho e Cavaco, em permanente abstinência de bom senso e lucidez, coopera com as promulgações de leis iníquas.

Mas, alto lá!, Gaspar é professor. Exímio no tom do discurso causador de dormência, gosta de falar, falar, falar. Quanto mais não seja para se ouvir a si próprio.

Há um ou dois dias, foi a Dublin dar uma extensa lição (Apresentação Gaspar_Dublin_11_Abril_2013), sobre Portugal nos últimos anos e no tempo presente.

O passado é permissivo de diagnóstico, e independentemente de uma ou outra manipulação,  lá se valeu, em abundância, de números  desde 2008, sem dar importância significativa a toda a série de erros grosseiros iniciados por Cavaco e continuados por Guterres e sucessores. [Read more…]

O fim do mundo chegou sexta-feira à noite

Isabel Vilar*

Sexta-feira à noite, o Tribunal Constitucional aplicou a Constituição.

Para o nosso primeiro-ministro, a decisão de um órgão de soberania, autónomo, com funções de controlo e fiscalização, foi um ataque pessoal, e por isso com ataques pessoais foi resolver o assunto: Telefonou ao ministro das finanças alemão, para nos dar tautau. E lá veio o senhor e deu-nos tautau…

De seguida, telefonou ao amigo Durão Barroso e lá veio o caro comissário dar-nos mais um tautau.

Não contente, pediu ao nosso caríssimo comentador Marcelo Rebelo de Sousa para dar uns açoites aos juízes do Constitucional, e pasme-se “afinal, como estes são funcionários públicos, o que fizeram foi, quiçá, protegerem-se…”, fulanizando o lugar e a responsabilidade… que vergonha! [Read more…]

A Primavera está oficialmente   suspensa

À espera da assinatura de Vítor Gaspar.

A pior política

“Não há pior política do que a política do pior”, António Nóvoa, reitor da Universidade de Lisboa.

Inédito

Vivemos num país cercado pelo governo.

Cinefilia

O Gaspar viu A Doutrina do Choque e copiou. É melhor ver Os Dez Dias que Mudaram o Mundo antes que isto aqueça.

Vítor Gaspar fechou o estado

Alô Ministério Público, alô Supremo Tribunal de Justiça, já não há verba para actuar?

Eurogrupo: conjunto de imbecis às ordens de Schäuble e participado por Gaspar

De Manuela Ferreira Leite a Paul de Grauwe, passando por Paul Krugman e outros académicos e especialistas, há um numeroso grupo de economistas que se pronunciou, em uníssono, pela contestação  da medida imposta a Chipre e sua generalização de confiscar depósitos bancários em situação de resgate financeiro de qualquer País da Zona Euro que, no futuro, venha a recorrer à tóxica ajuda da ‘troika’ – depósitos superiores a 100.000 euros, entenda-se.

A generalização da medida foi anunciada por Jeroen Dijsselbloem, o holandês agora presidente do Eurogrupo, eleito para a função; segundo o suplemento económico do ‘Expresso’ (pg. 5), os critérios de selecção foram os seguintes:

Foi escolhido não pela sua experiência política e económica mas por ser um guardião das ideias mais ortodoxas do norte da Europa relativamente ao sul.

Esta frase não se limita a definir o mandarete holandês. Caracteriza claramente a subserviência à Alemanha – personalizada em Schäuble – a que o belga Paul da Grauwe, Prof. da ‘London School of Economics’, no mesmo suplemento (pg. 9) se refere nos seguintes termos:

[…] A Alemanha nunca aceitaria que os seus bancos fossem tratados como os bancos cipriotas foram. E usam o dinheiro dos contribuintes se necessário. [Read more…]

Ó redundante Sr. Costa 2,3% ainda é curto, upa!, upa!

carlos costaCarlos Costa, governador, apresentou o Boletim Económico da Primavera do BdP, destacando a previsão de queda de – 2,3% no PIB para este ano. O ‘Público’ adita algumas informações de pormenor, mas relevantes.

Impressiona-me observar que,  várias instituições e  os sábios líderes, apoiados por técnicos e estruturas de dimensão considerável, saiam a público para transmitir com estridência informação que já sabíamos – além da ‘troika’, Vítor Gaspar também já havia anunciado a previsão de quebra este ano de – 2,3% para o PIB.

A este  repetir de comunicação do que outro tinha comunicado chama-se redundância. No mínimo, é censurável e controverso que, de várias fontes pagas pelos contribuintes, existam diversas entidades a realizar o mesmo trabalho. O facto é ainda mais controverso, porque os líderes comunicadores, em outras ocasiões, não se fatigam de reclamar que o grande desafio a empresários e trabalhadores portugueses se centra no aumento da produtividade. [Read more…]

Crato Mentiu (I)

No jornal I, a ex-Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, diz tudo o que eu quero dizer:

“Diminui-se o número de disciplinas, as crianças estão menos tempo na escola, precisamos de menos professores, logo está reduzida a despesa. Mas interrogo-me sobre o sentido desses cortes. O movimento que estávamos a fazer antes era o contrário – era ter os nossos jovens mais tempo na escola.”