Premiar o Abandono, Castigar o Cultivo

As causas do estado da floresta portuguesa estão mais do que discutidas, como se disse no Domingo, no Público, “Não há rigorosamente nada de novo a dizer“. Apesar disso e sem menosprezar todos os outros factores que contribuem para a presente situação, penso que vale a pena destacar a seguinte a opinião de Pedro Bringre do Amaral sobre o ordenamento das florestas e a responsabilização dos proprietários:

Passa o tempo, vão-se descobrindo as carecas

O dinheiro dos funcionários públicos estica. “Tribunal de Contas: Governo de Passos usou ADSE para maquilhar contas públicas“.

Tudo correu mal, Senhor Presidente.

[Raquel Varela]

Li os jornais, todos. O que li foi o caos, foi exactamente o contrário do que anunciou Marcelo R. de Sousa ao país – tudo correu mal. Se ontem estava convencida que a eterna questão da propriedade é a chave, hoje acho que há outro factor tão ou mais grave. O que está a desenhar-se no horizonte é uma combinação de dois factores explosivos – o eucalipto e a ruptura da protecção civil, a má gestão pública dos recursos humanos especializados, numa palavra, a erosão do Estado Social. [Read more…]

​Arranje-se um culpado, por favor!

[Rui Naldinho]

Portugal foi mais uma vez atingido pela fúria da natureza, cuja lógica destruidora não teve contemplações com quem passasse à sua frente. Lamentar o sucedido, venerar os mortos e dar-lhes o repouso merecido é uma obrigação moral e cívica, para com os que tiveram a infelicidade de estar naquele local há hora errada.

Mas a natureza também pode ser regeneradora. Vamos ver como e o que se plantará sobre as cinzas de tão fatídico incêndio. Será que aprendemos alguma coisa? Ou cometeremos agora e sempre, os mesmos erros? [Read more…]

Dói-dói, senhor deputado?

Não há tragédia neste país sem que o aproveitamento político dê o ar da sua graça. Hélder Amaral tem razão nas questões que levanta, mas faz uma péssima figura quando afirma que “não basta um Presidente da República dar beijinhos no dói-dói, e dizer que não há nada a fazer“. Não só porque não é o momento para que um representante eleito se dedique a guerras de propaganda com conteúdos brejeiros, mas também porque Marcelo teve pelo menos a dignidade de se deslocar aos locais afectados pelas chamas, o que não sendo mais do que a sua obrigação, não deixa de ser revelador da nova era que se vive em Belém. [Read more…]

É preciso evitar falar em responsáveis

A verdade sobre o que aconteceu em Pedrógão é insuportável. É esse o motivo pelo qual os agentes políticos e os seus porta-vozes evitam, a todo o custo, falar em responsabilidades. Foi conhecendo já a verdade insuportável que o Presidente da República se apressou a dizer que “fez-se o máximo que se podia ter feito”. Mas não fez. E a própria declaração apressada do Presidente foi o primeiro sinal de que uma gravíssima negligência tinha ocorrido e que a estratégia de protecção mútua dos responsáveis políticos tinha começado.

Enquanto os bombeiros apagam o fogo e as televisões facturam, por detrás da cortina há reuniões permanentes de gabinetes, encontros assessorados por empresas especializadas na gestão da comunicação em ocasiões de crise, há snipers anónimos espalhados pelas redes sociais, cooptados nas juventudes ou entre dirigentes partidários arruaceiros contumazes, mais propensos à cacetada e ao vernáculo de taberna, cuja missão é insultar quem questione a palavra de ordem: é preciso proteger a imagem do governo. É preciso evitar que se fale em responsáveis. Daqui a uma semana já ninguém se lembra disto.

[Read more…]

Sou do país que arde

(Outro texto publicado em Setembro de 2005, no Caderno Centro do Jornal de Notícias, depois de um verão em que se registaram os piores incêndios de sempre em Portugal. Até ver. De novo, 12 anos passados, nada mudou, tudo sobre o que escrevi em 2005, se agravou).

«Há pouco mais de três semanas saí de Portugal. Com um sol abrasador. Com um calor insuportável. Com o país a arder de norte a sul. Regressei na semana passada. Menos calor. Alguma (pouca) chuva, finalmente. No momento em que escrevo, chove sobre a ria ali ao fundo na janela. E eu que gosto do Inverno, mas não particularmente de chuva, recebo estes pingos como uma dádiva. Eu e todos os meus conterrâneos, presumo.

Durante a minha viagem choveu torrencialmente nas duas primeiras semanas. Uma chuva aborrecida para quem está de férias, mas que me soube bem, depois de tanto tempo a respirar um ar cheio de fumo e a trabalhar com tanto calor. Uma destas semanas foi de trabalho. Um congresso europeu de sociologia rural. Debateram-se muitos assuntos, entre os quais o abandono das áreas rurais, que acontece essencialmente na Europa do sul, na Europa mais periférica, naquela onde Portugal se inclui por muitas razões e de onde vai lentamente saindo por outras tantas. Portugal é um país que há muito que deixou de ser rural. Portugal é um país que vai deixando ao abandono vastas áreas de território. Aldeias desertas, florestas com árvores de ninguém, casas em ruínas. Portugal é um país onde a agricultura não tem um peso económico substancial, se exceptuarmos algumas, muito poucas, áreas do Ribatejo. Portugal é um país onde a função social e ambiental da actividade agrícola tradicional, ainda que reconhecidamente importante, também se vai perdendo. Estamos a produzir terras de ninguém. De que ninguém cuida, com que ninguém parece importar-se, a não ser uns esporádicos turistas de máquina fotográfica em punho que se deslocam ao Portugal rural ‘profundo’ para ver os vestígios do que outrora foram as casas, as actividades, as pessoas. Vêm sombras do passado e parecem contentes com isso. Destas aldeias desertas também se foi falando no congresso onde estive na última semana de Agosto. Das novas funções do mundo rural também. Da função turística e de recreio. Da função ambiental. Da função agrícola. Da função florestal. Tudo relacionado, claro. Como tem de ser. Tudo associado na tarefa última: a requalificação do território rural. Desde há 50 anos que em Portugal persistimos em não querer ver (e intervir sobre) a desqualificação de todo o interior, de norte a sul. Daqui a alguns anos, senão mesmo agora, ver-nos-emos confrontados com a difícil tarefa de intervir sobre territórios que já perderam tudo. Qualificar o desqualificado. Repovoar o despovoado. Reconstruir das ruínas. Será ainda possível?

[Read more…]

Sem vergonha na cara!

A posição do Bloco de Esquerda sobre os incêndios em 2015.

Em 19 de Junho de 2017, no twitter de Catarina Martins, às 9.40: “Que venha a chuva. Bom dia.”

 

Enquanto tudo arde…

Escrevi este texto em 2004, na altura em que escrevia para o Caderno Centro do Jornal de Notícias crónicas mensais.  Escrevi em Agosto. Não tinham morrido mais de 60 pessoas num só incêndio florestal. A tragédia da morte acontecia, mas em menor escala. Seja a que escala for, a morte nestas circunstâncias, é uma situação inaceitável num país supostamente desenvolvido. No ano seguinte, em 2005, conhecemos os piores incêndios florestais de que há memória. Também escrevi, no mesmo jornal, sobre isso.

Deixo-vos aqui o texto de 2004. Passaram 13 anos. 13. E nestes 13 anos o abandono dos territórios rurais, a ausência de prevenção adequada, a falta de limpeza das florestas, a expansão do eucalipto e do pinhal, a ausência de uma política de ordenamento florestal, o não funcionamento dos instrumentos existentes, tudo isto apenas piorou.

«Enquanto tudo arde… estamos de férias. Como de costume, em Agosto, o país pára quase completamente. O interior fica ainda mais deserto. Em Agosto o país assemelha-se ainda mais a uma jangada prestes a afundar-se por excesso de carga na ténue linha que nos separa do mar. Pomos os óculos de sol, com lentes cor-de-rosa ou azuis e, de repente, parece-nos tudo mais leve. Enquanto pelo país que se deixou ficar para trás, as árvores vão ardendo, alheias ao nosso descanso. Alheias ao nosso alheamento.

A surpresa não é muita. Alguém se lembra de um verão em Portugal sem incêndios florestais? Até pareceria mal se não ardesse qualquer coisa! Pelo menos enquanto houver área florestada para arder, nunca haveremos de ser surpreendidos pela ausência das chamas. No ano de 2003 defrontámos-nos com os piores incêndios de que há memória. Portugal foi notícia no mundo devido aos 422 mil hectares ardidos. Os piores de sempre? Tenhamos calma e alguma fé!

[Read more…]

Algumas perguntas sobre incêndios

Quem foi o Ministro da Administração Interna que em 2006 decidiu acabar com a carreira de guarda florestal?
Quem foi o mesmo ministro que no mesmo ano recusou um ambicioso Plano de Protecção da Floresta que apostava na prevenção dos incêndios mas que, obviamente, ameaçava os interesses instalados?
Quem foi o Primeiro-Ministro que, em 2016, recusou reverter a medida de extinguir os guardas florestais?
Quem foi o Primeiro-Ministro que há 2 dias defendeu que devemos apostar na prevenção?
Claro! Foi o Passos Coelho.

As notícias e as coisas

As notícias das sarjetas televisivas centraram-se, sobretudo, na busca dos lugares onde não havia bombeiros. “Está aqui o corpo de uma mulher”, zurra uma, “então os bombeiros não lhe ligam nada, não vem cá nenhum?”, relincha outro, “a culpa foi dos bombeiros?”, grunhe outro, “não acha que o primeiro ministro é que devia estar aqui? e o presidente?”, ladra o seguinte. Vamos ligar aos estúdios. Lá, além dos cachorros de regaço habituais, que destilam as segregações opinativas do costume, falam – raras – pessoas que ganharam a legitimidade de quem há muito propõe soluções pertinentes. Volta ao terreno.

Parece que há centenas de bombeiros no terreno, pelo que é cada vez mais difícil aos repórteres encontrar sítios onde não estejam bombeiros, para poderem proclamar que não estão lá bombeiros, sim, onde estão os bombeiros? “A senhora não se sente abandonada?”, guincha o do microfone.

Começam a passar imagens de arquivo, repetindo cenas já dadas e baralhando completamente a percepção da linha temporal dos acontecimentos. Continua a não haver bombeiros. Ouvem-se “personalidades”. Mas não havia bombeiros em lado nenhum, pelo que se pode concluir que os repórteres é que são o heróis destes acontecimentos. Pois se não há imagens de bombeiros em acção, só há sítios onde não há bombeiros… [Read more…]

Pedrógão, conhecer é lembrar

O ministro Capoulas dos Santos atribuiu hoje a tragédia de Pedrógão a fenómenos meteorológicos paranormais.
Há aspectos em que este governo se está a tornar melhor do que o anterior. Um deles é a falta de vergonha.

Notícia de 18 de Maio de 2017:

Ah! E o pantomineiro era o outro!

Um disse isto, o outro disse aquilo . E em Pedrógão Grande! E agora ninguém lhes pergunta nada?

“4 horas à espera do 112”

Em Pedrógão. Lá no fundo. Lá longe.

O SIRESP falhou novamente

Estrutura accionista da PPP SIRESP: SLN, PT Ventures,  Motorola, Esegur e Datacomp.

O SIRESP (Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal) tem como objectivo ser um sistema de comunicações móveis comum às forças de segurança, emergência médica e protecção civil. Está marcado pela polémica desde o seu início. Falhou agora no incêndio de Pedrogão Grande e, ironicamente, já antes tinha falhado durante 6 horas neste mesmo concelho, aquando da grande tempestade de 19 de Janeiro de 2013 (cf. vídeo abaixo ao minuto 7:51).

Em caso de catástrofe, quando as comunicações são mais precisas, as falhas no SIRESP têm acontecido. Não serão a causa dos problemas, mas assim não contribuem para a solução. Vale a pena recapitular como é que este sistema problemático entrou em funcionamento (adaptado do tretas.org): [Read more…]

Falha total do sistema de Protecção Civil

© Expresso

A consternação, cada um que a viva a sós consigo, para que ninguém mais possa avaliar a sinceridade com que o faz.
A denúncia da tentativa de desresponsabilização imediatamente iniciada por governantes e políticos, essa, deve ser pública e sem tréguas.

Há vários factos inéditos nesta tragédia. Um deles é a imediata resposta do sistema de propaganda e contra-informação que, de modo muito eficaz, procurou culpabilizar a trovoada seca e os relâmpagos pela absoluta inaptidão dos meios de protecção civil, inaptidão essa que ainda há poucos dias foi denunciada, pela segunda vez, pelo presidente da Câmara Municipal de Vila Real e líder dos autarcas socialistas, a propósito do acidente ocorrido no túnel do Marão que, felizmente, causou apenas danos materiais. Desta vez.

A “optimização de recursos” e o governo do país guiado pelas folhas de Excel tem os seus custos. Por vezes incomportáveis, como é o caso vertente. Em ano de eleições autárquicas, seria importante avaliar a quantidade de dinheiros públicos que estão a ser desviados para festas, festivais culturais, conferências sobre investimento inteligente, inaugurações de pedras, subsídios a instituições para compra de votos, pagamento a snipers anónimos que campeiam pelos blogues, perfis falsos de feicebuque, compra de meios de comunicação locais e o mais que constitui o regabofe dos orçamentos autárquicos em ano de eleições, ao mesmo tempo a que se assiste à degradação contínua dos serviços públicos e ao abandono do interior do país.

Sábado, 17 de Junho de 2017, cerca das 9h00, quase toda a comunicação social fez eco do aviso lançado pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que colocou quatro distritos em Alerta Vermelho, prevendo temperaturas de 44 graus para algumas zonas do país e elevado risco de incêndio em praticamente todo o território, com natural agravamento nas zonas do interior.

Eram 14h00 quando o incêndio teve início, em Escalos Fundeiros, no concelho de Pedrógão Grande. Só às 19h00 o IC8 foi cortado, entre a zona industrial de Pedrógão e o nó de Outão. Estavam no terreno 180 bombeiros, dois meios aéreos e 52 viaturas, num dos maiores incêndios de sempre em Portugal. A Barragem do Cabril, um imenso reservatório de água, fica a escassos dois ou três quilómetros do centro de Pedrógão Grande.

Às 21h30, já com várias aldeias cercadas pelas chamas, um bombeiro desaparecido, vários feridos entre civis, o Presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande afirma: “É impossível acudirmos a todas as aldeias. Estamos a todo o custo a ver se nos chegam bombeiros de Lisboa”.

Às 23h45, quase dez horas depois do início do incêndio, o Secretário de Estado Jorge Gomes fala e confirma a morte de, pelo menos, 19 civis.

Às 00h35 o primeiro-ministro chega à Autoridade Nacional de Protecção Civil. Cinco minutos depois, chega o Presidente da República a Pedrógão Grande, afirmando que “se fez o máximo que se podia ter feito”.

Às 5h00 o Governo declara “estado de contingência activa”, explicando que “isso torna possível o acesso a mais meios e a outras possibilidades” (!)

Às 9h00 confirma-se a existência de 43 vítimas mortais.

Às 10h00 estavam no terreno, segundo o jornal Expresso, “cerca de 800 operacionais, apoiados por 244 viaturas”. Quando chegaram, não se sabe.

Às 10h10 o director da Polícia Judiciária afirma ter sido encontrada “a árvore que foi atingida por um raio”, alegadamente responsável pelo maior e mais mortífero incêndio de que há memória em Portugal.

Às 10h30, cerca de vinte horas depois de ter início o incêndio, chegam meios aéreos de Espanha e estão a caminho três aviões fornecidos pela República Francesa.

Às 13h30 o governo decreta três dias de luto.

 

Paulo Fernandes, do departamento de Engenharia Florestal da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em declarações à RTP, afirma que houve uma “falha total do nosso sistema de proteção civil”. Em causa, por exemplo, “o não encerramento de algumas estradas ao trânsito” e o facto de “não haver um único meteorologista especializado em incêndios florestais que esteja a trabalhar em situação operacional.

 

As longas gravatas de Trump

Aí está a explicação. Trump viu Amor Sem Aviso, um filme de 2002, e reviu-se no ar tonto do Hugh Grant. Acertou.

Portugal e o rating da Fitch: dating with ratings

Na passada sexta-feira António Costa mostrou-se satisfeito com uma decisão da Fitch, ao mesmo tempo que Passos Coelho a desvalorizava, afirmando que não era a primeira vez que a agência dava uma visão positiva sobre a dívida portuguesa.

Com efeito, depois da derrocada de 2011, foi preciso esperar até Abril de 2014 para a Fitch atribuir-nos um “BB+; Outlook Positive”. Esta revisão manteve-se sem alteração até Março de 2016, altura em que foi revista em baixa para “BB+”, tendo assim ficado durante um ano, até ao passado dia 16.

Este relato é factual. Passemos agora à análise.

[Read more…]

O que fazer para ajudar bombeiros e vítimas?

Segue a transcrição do texto de Andreia Sanches e Sérgio B. Gomes, no Público. Convém prestar atenção às actualizações.

***

Muitas pessoas questionam-se sobre o que podem fazer para ajudar os bombeiros e as vítimas dos incêndios na região de Pedrógão Grande. Para já, Jaime Marta Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, diz ao PÚBLICO que há água e leite suficientes, mas que “falta fruta que não seja preciso descascar”. E que também são bem-vindas “barras energéticas”.

Em Pedrógão Grande
O que sabemos até agora sobre a tragédia de Pedrógão Grande
O que sabemos até agora sobre a tragédia de Pedrógão Grande
Quem estiver na zona pode assim deslocar-se com estes mantimentos à zona industrial de Pedrógão Grande, diz Jaime Marta Soares. “Há aí uma equipa de recepção que fará depois a distribuição pelas diferentes frentes.”

Bancos e seguradoras
A Associação Mutualista Montepio anunciou em comunicado a doação de 150 mil euros às vítimas dos incêndios que ainda lavram no distrito de Leiria.

A Caixa Geral de Depósitos criou uma conta solidária – Unidos por Pedrógão – e doou 50 mil euros para apoiar as vítimas da tragédia.
Os dados desta conta solidária são:
Conta Solidária Caixa 0001 100000 330
IBAN PT50 0035 0001 00100000330 42

A Caixa anunciou ainda que vai criar condições diferenciadas para os seus clientes atingidos por esta calamidade.

Também a companhia de seguros Lusitânia, que pertence ao grupo Montepio, comprometeu-se a garantir a “análise célere das situações de sinistro” e a dar uma resposta “tão breve quanto venha a revelar-se possível às necessidades das famílias cujas apólices se encontrem sob sua gestão”.

Cáritas e Misericórdias
A Cáritas Portuguesa e a Cáritas Diocesana de Coimbra já manifestaram a sua solidariedade com todas as vítimas e seus familiares “da tragédia que surpreendeu o país”. Em comunicado, Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa, e Luís Costa, presidente da Cáritas Diocesana de Coimbra, onde se integra a área de Pedrógão Grande afectada pelo incêndio, dizem que “estão a acompanhar a situação a partir do local, para onde se deslocam neste momento, com vista a avaliar a situação e poder dar a melhor resposta”. A Cáritas disponibiliza para já 200 mil euros de apoio para “necessidades emergentes da população no local”. Por seu lado, a Cáritas Internacional divulgou um comunicado manifestando solidariedade para com a população portuguesas colocando-se “ao inteiro dispor da Irmã Cáritas Portuguesa na soma de esforços imediatos para o pronto restabelecimento da situação”. O breve comunicado assinado pelo secretário geral da Cáritas Internacional, Michel Roy, não concretiza nem quantifica, no entanto, nenhum tipo de ajuda.

A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) anunciou através de um comunicado que está a mobilizar as suas estruturas regionais nos distritos de Coimbra e Leiria para apoiar a população das zonas afectadas pelos incêndios na região centro do país. “Em estreita colaboração com o Governo, entidades locais e instituições de emergência e segurança, as Misericórdias de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Góis, Sertã, Pampilhosa da Serra, entre outras, e a UMP instalaram pontos de acolhimento e de informação para prestar toda a ajuda, apoio e esclarecimentos possíveis.” A UMP avança que está a trabalhar com o Ministério da Saúde na região de Pedrógão Grande para dar apoio às vítimas. A fim de dar resposta às necessidades mais imediatas, a UMP anunciou que irá criar uma conta solidária no Montepio para reunir donativos de apoio às vítimas. Os dados bancários dessa conta não foram divulgados.

Doação de alimentos e bebidas nos quartéis
A Rádio Comercial avança que são bem-vindos fruta e água nos quartéis de Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra e Pedrógão Grande, bem como na base do INEM de Avelar. Ao PÚBLICO a porta-voz da Autoridade Nacional de Protecção Civil pede à população para se coordenar com as corporações locais.

O Sporting Clube de Portugal apela aos adeptos que se desloquem ao Estádio José Alvalade para entregar bens de primeira necessidade aos bombeiros que combatem o incêndio de Pedrógão Grande. Frutas (sobretudo as que são mais fáceis de descascar), barras de cereais e outros alimentos podem ser deixados no Hall Vip do estádio dos “leões”, em Lisboa. O comunicado do clube pode ser lido aqui.

Por seu lado, os responsáveis da página de Facebook On Coimbra, que agrega conteúdos sobre recursos culturais do distrito de Coimbra, telefonaram para várias corporações de bombeiros da região e divulgaram uma lista com o tipo de ajuda que se pode levar a cada um os quartéis:

Bombeiros Penela:
– Águas
– Fruta

Bombeiros Voluntários de Góis:
– Águas
– Fruta e outros alimentos
– Soro fisiológico (urgente)
– Pomadas para queimaduras

Bombeiros Voluntários de Miranda do Corvo:
– Águas
– Alimentos não perecíveis (ex. enlatados)
– Fruta
– Leite
– Soro fisiológico

Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital:
– Águas
– Alimentos não perecíveis

Bombeiros Voluntários Ansião:
– Águas
– Fruta
– Barras de cereais energéticas e bolachas
– Sumos

Bombeiros Vol. Coimbra:
– Águas
– Leite
– Barras de cereais energéticas

Bombeiros Sapadores de Coimbra:
– Aceitam donativos que serão depois entregues nas corporações mais necessitadas

Bombeiros Voluntários de Brasfemes:
– Águas
– Barras de cereais energéticas

Bombeiros Condeixa:
– Águas
– Barras de cereais energéticas
– Leite
– Sumos
– Conservas
– Fruta

Bombeiros Leiria:
– Aceitam donativos que serão depois entregues em Pedrógão Grande (cobertores e roupa, águas, leite, barras de cereais energéticas)

Bombeiros Alvaiázere:
– Água
– Fruta
– Barras de cereais energéticas

No final da lista, a página On Coimbra, deixa duas notas:

– “As águas, sumos, leites e outros alimentos, solicitam-se gentilmente, se possível, em doses invidivuais/pacotes pequenos para poderem ser distribuídos por cada bombeiro.
– Infelizmente, não foi possível estabelecer contacto com os Bombeiros Voluntários de Pedrogão Grande e Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos”.

Espectáculos de solidariedade
Um grupo de artistas da zona de Leiria anunciou um espectáculo de solidariedade para com as vítimas do incêndio que deflagrou este sábado em Pedrógão Grande. O concerto vai realizar-se no dia 24 de Junho, às 21h30, no Teatro José Lúcio da Silva. Entre os artistas e bandas participantes estão David Fonseca e Orquestra Jazz de Leiria, Academia de Ballet e Dança – Annarella, Omnichord Records, Samp Pousos, Orfeão de Leiria Conservatório de Artes e Fade In – Associação de Acção Cultural. Segundo informação transmitida pelo Teatro José Lúcio da Silva nas redes sociais, os bilhetes no valor de 15 euros estarão à venda nas suas instalações a partir de segunda-feira.

Falta Cumprir-se Portugal

adriano_miranda_publico_pedrogao_grande

© Adriano Miranda / Público

Sobre um povo que outrora se expunha ao acaso dos ventos e das ondas do mar e que insiste, ainda, permanecer à mercê da natureza e dos burocratas, cito uns parágrafos legais, daqueles que redigimos para nos preservamos, a nós e aos nossos, do livre arbítrio daquelas forças.

Reza assim:

“2 – Os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edificações, designadamente habitações, estaleiros, armazéns, oficinas, fábricas ou outros equipamentos, são obrigados a proceder à gestão de combustível numa faixa de 50 m à volta daquelas edificações ou instalações medida a partir da alvenaria exterior da edificação, de acordo com as normas constantes no anexo do presente decreto-lei e que dele faz parte integrante.
3 – Em caso de incumprimento do disposto nos números anteriores, a câmara municipal notifica as entidades responsáveis pelos trabalhos.
4 – Verificado o incumprimento, a câmara municipal poderá realizar os trabalhos de gestão de combustível, com a faculdade de se ressarcir, desencadeando os mecanismos necessários ao ressarcimento da despesa efectuada.”

Querem ver casas e pavilhões industriais no meio da floresta?
É ir pelos caminhos de Portugal.

Algo não bate certo

No país que bate recordes no défice, cujo ministro das finanças é um Cristiano Ronaldo, que cai novamente do goto das agências de rating, que vê a taxa de desemprego “descer” para níveis nunca vistos, cujo PIB dispara como um míssil, que substitui o Banco público por carrinhas, há dezasseis pessoas que morrem na estrada, dentro do carro, atingidas por um incêndio, sem que autoridade alguma o tivesse prevenido.

Onde fica Pedrógão Grande? Será que, neste caso, a Protecção Civil também estava a operar a partir de Almada?

40 °C à sombra

Now I stand here waiting.

Gilbert/Hook/Morris/Sumner

Vicious
Hey, why don’t you swallow razor blades

— Lou Reed

ºF = (9 x ºC / 5) + 32 ou ºC = 5(ºF + 32) / 9

IPMA

***

40 °C à sombra? Por cá, nem por isso. Contudo, por aí, como reiterava alguém, no longínquo Verão de 1993, diz que sim.

Todavia, no sítio do costume, independentemente dos alertas, quer os ocasionais no Público (há ligação no Ciberdúvidas, embora as palavras que aí se encontram a negrito não sejam as do original), quer os habituais cá por casa, a temperatura mantém-se extremamente estável.

Deve ser do calor.

Efectivamente.

Bandeira à meia-haste na sede do PSD

Os terroristas da Fitch decidiram que a perspectiva do rating da nação já não é tão má e as carpideiras já começaram a chegar à São Caeteno à Lapa.

A ideologia do dinheiro

Quando chegava a casa do trabalho, ouvi Trump na rádio a dizer que se preparava para colocar um ponto final no acordo assinado entre Obama e Raúl Castro. Mais uma grande jogada do player do momento. Segundo Trump, não há acordos com países que não respeitam a democracia. Excepto se for com um país com muito dinheiro e petróleo. Nesses casos, esquece-se a democracia e não se fala mais nisso. [Read more…]

A sina e a purga

Imagem: Jornal Sol

O Partido Socialista foi ontem protagonista de um triste espectáculo público que certamente embaraça muitos dos seus militantes e onde ficou clara uma propensão congénita, muito preocupante em democracia, para a arruaça e para a hipocrisia.

As declarações inadmissíveis do deputado Manuel dos Santos sobre uma militante socialista suscitaram o despertar violento do instinto de matilha, grosso e oportunista, cuja única motivação é política, de vingança sobre o militante prevaricador, que tem assumido posições discordantes com a actual direcção e apontou a gritante incoerência dos deputados do Porto no processo de candidatura de Portugal a sede da Agência Europeia do Medicamento – em segredo votaram por Lisboa e publicamente contestaram o “centralismo”.

A indignação tribal que Manuel dos Santos suscitou não radica em qualquer sentimento genuíno de ofensa pelas declarações que proferiu, antes resulta de um evidente oportunismo político, desmedida hipocrisia e uma arrogância que confirma as preocupações que muitos já manifestam com a aproximação do PS a uma maioria absoluta.

[Read more…]

A Educação rosa

[Santana Castilho*]

O PS é um partido político que foi perdendo a sua matriz ideológica. Sob a liderança de António Costa, a aliança à esquerda é meramente circunstancial e ditada por ser a única forma de ganhar o Governo, depois de perder as eleições. Para os que legitimamente discordem deste ponto de vista, recomendo a análise fina das votações da legislatura e a interpretação grossa dos sinais dos últimos dias (bloco central na TAP, flop na chefia das secretas, imprudente acolhimento de familiares de amigos e de interesses de amigos, prudente respeito pelos contratos firmados com os chineses da EDP mas oportuno desprezo pelos contratos firmados com os professores portugueses).

Para os que concluem o ensino secundário, é hora de exames, onde se joga a entrada nas universidades e politécnicos. Para alguns dos outros é hora de brincar às provas de aferição, onde se queima credibilidade, tempo e dinheiro, porque se trata de provas que foram largamente usadas e abandonadas por inúteis e porque, ao persistir na asneira, ao menos que fossem aplicadas no fim dos ciclos de estudo ou feitas por amostragem.

Na equação política do PS a Educação não conta. O ministro é um bibelot que acompanha os senhores nas festas e que se mistura com a malta nos recreios, quando há fotógrafo por perto. [Read more…]

Helmut Kohl, 1930-2017

Caro Helmut Kohl,

Obrigada,

Uma Cidadã Europeia.

Lido por aí: dicas para organizar o mail

O SLB está à organizar os seus e-mails e os mais fáceis de ordenar são os que recebeu do FCP e do SCP porque foram enviados sem títulos!

«Piratas informáticos a quem o FC Porto terá pago milhões de euros»

Errado! O FC Porto terá pagado (regular). Com ter e haver, regular (pagado). Com ser e estar (e ficar, andar, ir e vir), irregular (pago).

Como é simples o comércio livre!

Como é simples e como nos aprisiona, o comércio livre!