Telejornais

são, de repente, business schools e cada pivot um PhD em finanças públicas. Tudo pelo preço da TDT ou uma assinatura de TV Cabo.
Perdemos totalmente a noção do ridículo. Os pássaros riem, nos galhos.

Bruno Santos

Mundo civilizado?

O Público chama a atenção para um “cantinho” da agenda noticiosa.

Vamos continuar a fazer de conta?

O eclipse no quartel

eclipse
Uma anedota já antiga esclarece-nos sobre a boa comunicação ao longo da hierarquia militar. Perante a eminência de um eclipse solar, o oficial de dia decide instruir os seus praças e comunica as suas intenções ao seu subalterno.
—Tenente, amanhã haverá um eclipse do Sol. Quero que a companhia esteja formada com farda de trabalho na parada, onde darei explicações acerca deste raro fenómeno que não acontece todos os dias. Se por acaso chover, nada se poderá ver e nesse caso a companhia ficará dentro da caserna.
O tenente dirige-se ao sargento: [Read more…]

Porto!

19363760recepobxportoca

 

Eu não queria falar sobre o tema. Só quem nunca esteve envolvido na criação de raiz de projectos de marketing territorial se dá ao luxo de falar levianamente. É um trabalho duro, de enorme desgaste e óptimo para ser criticado pelos “bitaiteiros” do costume.

A nova imagem da marca Porto/Cidade não é indiferente. E aqui está um elogio aos seus criadores. Mesmo torcendo o nariz ao ponto final. Luís Paixão Martins, cujos seus sentimentos pela sua Lisboa se equiparam aos nossos sentimentos pelo nosso Porto, aproveitou para escrever sobre o tema puxando a brasa à sua sardinha.

Porque os gostos se discutem, aqui fica o meu: para mim, o Porto é ponto de exclamação e não ponto final. A exclamação das vendedoras do bolhão, dos frequentadores da baixa transformada em “movida Almodóvar”, do cimbalino pedido ao balcão, do Velasquez em dia de bola no Dragão, etc, etc, etc. O ponto de exclamação de sentimentos fortes. De entusiasmo. De arrebatamento. De cólera. Do antes quebrar que torcer.

Porto!

 

(imagem gentilmente palmada ao blog Bibó Porto Carago!

Comunicação e realidade

Quanto às conclusões de Vasco Ribeiro, relevo a firmeza com que deixa clara a diferença entre a assessoria de imprensa e o “spin doctoring”, explicando que este vai muito para além da indução noticiosa. O “spin doctor”, escreve, “é o autor político da mensagem e, em consonância com a instituição ou indivíduo que representa, gere com autonomia a conversão da mesma em notícia, através de métodos bem mais complexos e opacos que os da assessoria”.

A relação entre “spin doctors” e jornalistas, prossegue, é uma relação tensa – “oscila entre a conflitualidade e a cumplicidade” -, o que se afigura natural no choque entre quem pratica uma disciplina do marketing que integra “as mais sofisticadas e actualizadas técnicas de manipulação e persuasão” e aqueles que têm por missão informar – lido Aqui, sobre a tese de doutoramento de Vasco Ribeiro (a quem aproveito para enviar os devidos e merecidos parabéns).

Destaco esta frase do autor citado: “se afigura natural no choque entre quem pratica uma disciplina do marketing que integra “as mais sofisticadas e actualizadas técnicas de manipulação e persuasão”. Numa frase todo um resumo do que é o “spin doctoring” e a diferença com assessoria de imprensa. E sim, uma boa empresa de consultoria de comunicação convive com as duas realidades que, embora distintas, vivem numa necessária união de facto. Não perceber isto é não querer ver a realidade. Claro que existe sempre quem prefere meter a cabeça na areia ou fingir-se virgem ofendida…

(está aberta a caixa de pancada….ups….de comentários)

Autárquicas – Manual de Boas Práticas à Borla:

1016739_491162550973246_1979949132_n

Uma eleição autárquica não se ganha contratando duas, três, ou mais empresas de comunicação ao mesmo tempo;

Uma eleição autárquica não se ganha por se conseguir meter duas, três, dez ou vinte notícias nos jornais e outras tantas nas televisões;

Uma eleição autárquica não se ganha fazendo sondagens marteladas e delas dar conhecimento a todo o mundo e arredores;

Uma eleição autárquica não se ganha com camiões gigantescos, porcos a esmo e concertos às dúzias;

Uma eleição autárquica não se ganha em campeonatos de quem mete mais outdoors por m2;

E sabem o porquê de afirmar tudo isto?

[Read more…]

Dicionário do Governo (2)

Bissemanaladj. que se faz ou sucede menos do que duas vezes por semana.

Laranja do Algarve é que não

O problema do nosso país não teve a sua origem apenas no lapso de Paulo Portas ou na carta de Vítor Gaspar. O erro tem concentradopelo menos dois anos e foi assinado, de cruz, por todos os portugueses que votaram neste conjunto de incompetentes.

Digamos que esta semana foi apenas a apresentação pública do sumo concentrado que tem estado na base da bebida servida pela TROIKA aos Portugueses. Palpita-me que o sumo tinha acabado e Cavaco, talvez a pedido da Maria, mandou vir mais um frasco de concentrado. Para que tudo fique na mesma, claro.

E dentro do frasco original, vinha um bando de gente mal preparada que chegou ao governo achando que tudo se resolvia cortando. Dois anos depois está mais que provada a falência da receita – temos mais desempregados, maior dívida e o défice com um valor historicamente elevado. O problema, repito, não está em saber se Paulo fica ou sai, se o Gaspar tinha razão ou, até, se foram os  Professores que provocaram esta confusão no governo. A receita do sumo está errada e, além do sabor, temos que deixar os sumos concentrados e passar a servir um sumo natural de frutas nacionais, pêra rocha, por exemplo. Laranja do Algarve, por causa das confusões, será de evitar.

Cavaco Silva e os seus boys têm uma intenção clara – permitir aos grupos económicos a entrada na Saúde, na Educação e na Segurança Social. E, só vão desistir, quando o conseguirem. É por isso, que não podemos continuar a beber este sumo de segunda. Portugal e os portugueses precisam de voltar a ter economia e para isso o mercado interno tem que voltar a ser uma aposta central do governo. Não podem continuar a cortar nos salários e nas aposentações – podem, por exemplo, dispensar todos os assessores e agências de comunicação que por estes dias encheram os jornais, as televisões e a blogosfera de pseudo-informações. Fica a sugestão…Mas, mais laranjas é que não.

Christine Lagarde – A mulher invisível

Hoje, Christine Lagarde deu uma aula prática ao batalhão de jornalistas, repórteres de imagem e fotógrafos que aguardavam a sua chegada.

Enquanto os media perscrutavam os vários pomposos carros que iam chegando à procura da Directora do  FMI, Christine Lagarde resolveu ir para a sua Conferência a pé (como qualquer outra pessoa comum). Chegou, passou à frente dos jornalistas, passou à frente dos repórteres de imagem, passou à frente dos fotógrafos, disse boa tarde aos assessores e entrou.

Comentário dos Media após alguns segundos: “Did anyone get her image?”

Image

Um mau padrão de comunicação:

Expresso } Economia } 16 de Fevereiro de 2013

(texto escrito no Forte Apache)

Imaginem um blogger que escreve um artigo crítico sobre um banco português. O seu blogue, pessoal, conta com poucos mas bons leitores. O director de comunicação (???) do banco em causa, fica irritado com o texto e resolve telefonar ao blogger, ameaçando-o. Como não fez o trabalho de casa, não sabia que o blogger em causa escrevia, igualmente, num outro blogue. Um blogue de forte audiência nacional (juntamente com o Educação no meu Umbigo e o Arrastão, lidera a blogosfera política nacional). Comprou uma guerra desnecessária e estúpida.

Esta breve história aconteceu, recentemente, em Portugal. Da blogosferapassou para as páginas dos jornais (e só não passou de forma mais intensa porque o blogger em causa não está para isso). Do nada, o director de comunicação do BES, criou uma tempestade. Foi de um amadorismo inacreditável.

[Read more…]

A morte lenta da palavra manuscrita

Finalmente encontrei um texto que fundamenta um assunto que há muito queria trazer para este espaço: escrever à mão cartas aos amigos.

Li o texto hoje na revista do PÚBLICO, uma tradução do artigo «Philip Hensher: Why handwriting matters», publicado no The Observer no passado dia 7: ” Terá a escrita à mão ainda algum valor que sobreviva ao email e ao sms? Neste excerto do seu novo livro, The Missing Ink (A Tinta Perdida), Philip Hensher lamenta a morte lenta da palavra manuscrita e explica que levar a caneta ao papel ainda pode ocupar um lugar muito especial nas nossas vidas”.

“(…) vivemos num tempo em que escrever à mão está prestes a desaparecer das nossas vidas. Algures num passado recente, escrever à mão deixou de ser um instrumento necessário e incontornável de troca entre as pessoas — uma forma de comunicação em que cada um de nós deixa um bocadinho da sua personalidade no instante em que pressiona o papel com o bico da caneta. (…)”

Pequenas sugestões por P. Hensher: aprecie a sua própria caligrafia; redescubra a alegria de escrever à mão, apenas para si próprio; escreva a outras pessoas (a quem ama, a quem gosta, a pessoas com quem trabalha, etc.).

Escreva postais, por exemplo, é muito agradável receber um! O Natal é uma excelente oportunidade!!

P.S.- Não se esqueça de pedir a morada…

Os problemas de comunicação do governo

Por muito que queiramos (ou quiséssemos) olhar para os políticos como casos individuais, o seu comportamento é demasiado estereotipado para que o mereçam, tornando, por exemplo, as Farpas queirozianas textos infelizmente intemporais, tal é a triste semelhança entre os politicotes da Regeneração e os espécimes ministeriais nossos contemporâneos.

Sempre que algum aspecto da governação suscita crítica ou revolta, lá surge um sequaz do governo a choramingar que os ataques resultam da dificuldade em explicar as medidas. Na realidade, o governante limita-se a agredir o cidadão, esperando que este compreenda que o soco que lhe acerta na queixada é, afinal, beijo apaixonado, manifestação evidente de um amor mal compreendido. No fundo, o governo pouco difere do perpetrador de violência doméstica que explica à vítima que a quantidade de porrada é directamente proporcional à paixão. [Read more…]

Sobre a R.T.P.

Uma vez mais o governo português parece andar à deriva. Por um lado pretende mostrar serviço à troika, por outro tem medo da opinião pública interna e não quer efectivamente colocar em causa as vacas sagradas, neste caso a RTP, preferindo optar pela cosmética à efectiva mudança. Pela parte que me toca defendo há muito a total privatização de todos os elefantes brancos que muito dinheiro custam ao contribuinte, mas servem, tem sido assim ao longo de décadas, aos partidos políticos para colocar boys em jobs bem remunerados. A RTP é apenas mais um triste exemplo. Bem sei que na U.E. existe a tradição de manter um ou mais canais públicos de televisão, mas existe mundo desenvolvido para lá do espaço da U.E., onde as televisões e não só, mesmo privadas, são exemplos de isenção e independência face ao poder político. Nos E.U.A. por exemplo, já provocaram a demissão a um presidente e condicionaram a manutenção no poder ou eleição a inúmeros políticos.  [Read more…]

Em Portugal? Impossível!

 

Por vezes somos levados a pensar que Portugal é um país de terceiro mundo. Que só aqui acontecem coisas inacreditáveis. É preciso estar com terceiros, com não portugueses e a nossa alma fica um pouco mais…alegre.

 

Um velho amigo de outras paragens esteve, por estes dias, de visita a Portugal. Entre algumas valentes patuscadas e a folia própria do S. João, contou-me uma história de bradar aos céus que lhe aconteceu no seu país.

 

Este meu amigo trabalha como Consultor de Comunicação. Nos finais da década de noventa, depois de muitos anos a virar frangos, criou uma empresa. Recentemente, um cliente seu, no final de uma palestra onde foi orador um importante administrador (ou director, não percebi bem) da televisão pública do seu país, virou-se para quem o convidou, o tal cliente do meu amigo, tecendo críticas ao facto da escolha de media partner ter recaído num concorrente privado de TV. Não satisfeito, atirou-lhe:

 

“Eu bem lhe disse para escolher outra empresa de consultoria, a que escolheu é uma merda. Devia ter escolhido a que lhe indiquei e sempre garantia um forte apoio da minha televisão”.

 

O inacreditável é que a tal empresa de comunicação a que se referia esse administrador (ou director) era…da mulher (ou amante, ainda ninguém percebeu bem).

No final só tive tempo para lhe explicar que, em Portugal, era impossível um administrador/director da RTP fazer coisa semelhante. Impossível, repeti. Onde já se viu semelhante? Imaginem um Administrador/Director da RTP criticar a um organizador de um determinado evento por ele escolher a SIC em detrimento da RTP e logo a seguir aproveitar para tentar vender os serviços de consultoria da sua mulher (ou amante) garantindo, pelo caminho, os seus bons ofícios no canal que administra/dirige. Nem consigo imaginar.

 

Realmente, não lembra a ninguém, pois não???

Proposta (i)nocente

Já referi nesta casa que o actual Governo está com um problema de falha de comunicação.

Para melhor concretizar os grandes desígnios de mudança reivindicados pelo Governo, talvez fosse tempo de recuperar grandes comunicadores do passado. Algo de que, certamente, a ala mais Direita do Governo iria ficar babada de orgulho, e que daria a possibilidade do arquivo da RTP safar-se à privatização por verdadeiro serviço público:

Eles vão. E vocês?

http://www.facebook.com/v/196142750413666

Nos últimos dias nas…

…Redes Sociais só dá passarada. O que será?

Este Fevereiro ele vai voar…

A Morte do Assessor de Imprensa:

Já está publicada toda a trilogia “A Morte do Assessor de Imprensa” no PiaR:

Da Comunicação de Massas à Comunicação das Massas;

Do Pombo-correio ao Twitter;

A Comunicação Integrada e o Consultor de Comunicação.

Upload Lisboa 2010

Foi com um largo sorriso que reagi quando ao chegar ao Porto, vindo do Upload Lisboa 2010, deparo com as luzes do Dragão, bancada a bancada, a apagar. Um final perfeito de viagem no dia em que troquei mais um espectáculo de gala no Dragão por uma palestra no muito bem organizado Upload Lisboa.

Uma espécie de mensagem subliminar do Dragão, estilo “Estás perdoado, pá” e no fundo até estou: sempre fui explicar, a propósito da morte do assessor de imprensa, que o consultor de comunicação é um maestro e socorri-me do exemplo de Jorge Nuno Pinto da Costa para exemplificar o que é o maestro dos maestros: Aquele que, como Pinto da Costa, pode até nem ser “grande espiga” a chutar numa bola mas sabe mais de futebol que o Mourinho e o Cristiano Ronaldo juntos.

Tal como aqueles jogadores que já em férias são convocados de repente para substituir um colega lesionado, eu fui chamado a comparecer no Upload Lisboa (Reitoria da Universidade Nova de Lisboa) para encerrar o mesmo com uma intervenção subordinada ao tema “A Morte do Assessor de Imprensa”. Foi uma espécie de visita de médico e dei por muito bem empregue o meu tempo: estive com o Rodrigo (o culpado), finalmente conheci pessoalmente a Jonas (já estou desculpado?) que não sei se é uma mulher do norte mas a fibra está lá toda; conheci a Ana (responsável do Facebook do Sapo) que é uma simpatia assim como a encantadora Alda Telles. Tive a oportunidade de assistir às intervenções da Maria João “Jonas” Nogueira (Sapo), do Carlos Merigo (Brainstorm#9) e do Alexandre Maron (Editora Globo). Só lamento não ter tido hipótese de ouvir o Brian Solis. A minha comunicação foi moderada pelo Armando Alves e o Nuno Ramos de Almeida esteve quase a perguntar pela fruta quando viu um determinado slide…

Uma nota final para destacar a Virgínia Coutinho: é fantástico verificar que ainda existe gente jovem disposta a arriscar e com muita carolice conseguir organizar eventos desta envergadura. Os meus parabéns para ela e toda a sua equipa.

O mundo, os meios de comunicação, o meu sono, está tudo a mudar

Quando o je, moi mesmo, descobre que teve um incêndio na sua rua através de um blogue, numa cidade com dois jornais diários que até “existem” online, sendo a rua aquela que deu origem à cidade (por via romana) e apesar de tudo ainda significativa na malha urbana, mais metro menos milímetro, concluí que a idade pesa no profundidade do sono, e o mundo mudou mesmo na forma de comunicarmos. Esta vale por mil algodões, e não engana.

Publicidade genial:

A não perder ESTE vídeo publicitário encontrado no PiaR do Rodrigo – um excelente blog para quem gosta de Comunicação e PR.

“Bosh é Brom”, slogan criado por Alexandre O’Neill

Volto à polémica campanha anti-tabaco, em França, abordada no ‘Aventar’ pela Carla Romualdo e pelo Fernando Moreira de Sá, cujas opiniões reflectem o que eu penso. Mas neste instante, o interesse da abordagem é outro: prende-se, sobretudo, com o recurso ao tema ‘sexo’ em publicidade, o que me permite, confesso, um regresso virtual a esse inconfundível mundo de marketers e publicitários, que coabitei em determinada fase da minha carreira profissional.

O ‘sexo’ tem sido, desde sempre, um tema recorrente para criativos de publicidade. Não me recordo, porém, de casos em que isso tenha sucedido à custa do estilo grosseiro e ultrajante, característico da citada campanha antitabágica. De facto, no dia-a-dia das nossas vidas de telespectadores, é fenómeno comum – anúncios de perfumes, por exemplo – visionarmos a aplicação, com sentido estético e sensatez, de sábias mensagens de insinuação erótica; seja a promover a água-de-colónia típica do homem duro, machão, do género do Hugh Jackman no ‘Austrália’, seja a divulgar o perfume com que qualquer mulher sonha ser uma provocadora sensual, alma gémea da Scarlett Johansson. Este jogo, a meu ver, é habitual e ninguém fica chocado, a não ser a D. Maria que trabalha para o Sr. Pároco Augusto e que, naturalmente, sente os fígados revoltados com tamanhas blasfémias – Ai que horror, Nosso Senhor!

A história da publicidade portuguesa é composta de excelentes e ricos exemplos de talento, estética e eficácia comunicacional – e sublinho o uso da história porque o presente, dominado por multinacionais, é muito bisonho e está praticamente confinado a exercícios de mimetismos, como aquele da Sónia Araújo a testemunhar as virtudes dos corantes da L’Oréal, justamente no estrito respeito pelo estilo da ‘petite vedette’ francesa que faz o anúncio original.

Actualmente não é bem o caso, mas as estratégias de marketing, durante muitos anos, implicaram políticas de comunicação sintética, clara, incisiva e socialmente transversal; isto é, ao jeito do velhinho slogan, “Farinha Predilecta, para o avô e para a neta”. É, pois, dentro destes princípios, também impostos por meios de comunicação de alcance mais limitado e precários, que deve relevar-se os contributos de vários intelectuais, nomeadamente poetas, no papel de ‘copy-writers’. De entre eles, é justo destacar três figuras: Fernando Pessoa que, em 1928 e ao serviço da agência “Hora”, criou para a Coca-Cola o conhecido slogan: “primeiro estranha-se, depois entranha-se”; Ary dos Santos que, nos anos 60, foi o autor de “Cerveja Sagres, a sede que se deseja”. Por fim, Alexandre O’Neill que, igualmente nos anos 60, propôs o slogan “Bosh é Brom” que o lápis azul transformou em “Bosh é Bom”.

Os três casos são demonstrações de elevada capacidade criativa e poder de síntese na comunicação. Mas, de todos, a frase original de O’Neill, “Bosh é Brom”, constitui exemplo da possibilidade de fundir, em três palavras, a criatividade, a estética, a comunicação eficaz, a malícia e o humor, dispensando, claro, a boçalidade. ‘Bosh’ é uma marca de bens duradouros e na expressão, como nas imagens, o foco era o produto e apenas o produto.

Uma parte da vida a 140 caracteres

Existe desde há cerca de quatro anos, mas foi num período de cerca de ano e meio (ainda assim uma eternidade no mundo da internet) que o Twitter ganhou pujança. Beneficiando de uma projecção mediática extraordinária, de umas eleições presidenciais nos EUA onde acabou por ser protagonista, o site de microbloging garantiu um lugar ao sol.

 

Pelo menos durante mais algum tempo. É verdade que o futuro é ainda incerto. O projecto ainda não encontrou um modelo de negócio que lhe permita obter rendimentos visíveis e o Twitter não é um YouTube que, debaixo da alçada da Google, pode ainda continuar a perder dinheiro.

 

Ferramenta de comunicação em 140 caracteres de cada vez, o Twitter tem milhões de utilizadores regulares em todo o mundo. Muitos dos que se inscreveram pouco ou nada utilizam o programa. Muitos por não verem relevância na coisa, outros por não lhe encontrarem utilidade. Há quem tenha dezenas ou centenas de seguidores. Há quem tenha milhares ou mais de um milhão, como a CNN ou o actor Ashton Kutscher, que fizeram uma “corrida” para ver quem chegava primeiro à marca de um milhão de “fallowers”. O marido de Demi Moore ganhou.

 

Certo é que, como todas as acções no mundo da Internet (e não só), é preciso ter algum cuidado com o que se diz. Vejamos o que um diálogo de 140 caracteres pode provocar… (vídeo em inglês)

 

 

 

Destak comprou o Metro:

Hummm, como será que o grupo Cofina vai actuar no mercado dos gratuitos agora que adquiriu o Metro, juntando-o ao Destak e Meia-Hora?

Sócrates, Comunicação e Fé:

Confesso, devo ter sido dos poucos bloggers que não viu a entrevista do PM.
Estava a assistir a um debate sobre o QREN. Paciência, terei de ver a gravação.
Mesmo assim, fui recebendo uns sms. Num deles, o escriba de serviço colocou: “Espectacular, o homem domina as técnicas de comunicação”. Escrito por um perigoso “fassista” da minha área profissional, a comunicação. Por sinal, um PSD daqueles que sabe o hino e tudo.
Curioso, nesta palestra, a dada altura, um dos oradores decidiu falar de comunicação, aproveitando o embalo para criticar os jornalistas. Não querendo maçar os leitores e não pretendendo entrar em polémicas (já bastou a minha opinião sobre o Vasco Lourenço, ehehehe) dei por mim a concluir que o orador em causa percebia tanto de comunicação como eu de física quântica. Queixava-se de uma medida avançada pelo PM que, na realidade, é puramente virtual e mera propaganda, algo que ele denunciou e que a imprensa não lhe ligou. No ar pairou uma qualquer estratégia de censura pró-governamental. Escusado será dizer que a Manuela Moura Guedes desmente, religiosa e cabalmente, todas as sextas-feiras, mas enfim. Ficou a suspeita. Eu deveria ter explicado mas não o fiz. Não estava em minha casa e era mero acompanhante de convidado.
É fácil culpar os outros. E aqui chamo um bom exemplo que o desmente.
Recentemente passou um ano sobre uma campanha de comunicação feita com pés e cabeça. Pensada ao detalhe e que pretendia chamar a atenção para uma injustiça que este governo se preparava para cometer. Muitos diziam que não valia a pena, que a comunicação social não lhe pegaria pois estava “vendida” ao Governo (o caso Freeport ainda não estava em antena e o estado de graça de Sócrates perdurava) e, pasme-se, outros já tinham tentado. Esqueciam que mandar uns bitaites não conta. A campanha avançou na mesma.
Resultado: todos os órgãos de comunicação social lhe pegaram, deram o devido destaque, directos incluídos. A partir daí foi sempre sem parar, a população mexeu-se criando movimentos cívicos e o erro não foi cometido.
O problema é outro. A Comunicação está pejada de amadores que enganam os clientes convencendo-os que os jornalistas se compram com uma boa jantarada e um JB 15 ou resmas de páginas de publicidade. O cliente, por sua vez, pensa que com um powerpoint feito pelo estagiário-escravo de serviço e uma daquelas sessões de massagem cerebral a que chamam “conferência de imprensa” se consegue. É como aquele doente que prefere ir ao bruxo em vez de marcar consulta no médico. Depois, quando a enfermidade não passa culpam o médico ou, no caso presente, os jornalistas.
Na verdade, alguns ainda acreditam (ou preferem acreditar) que é com papas e bolos. Olhem, o Sócrates é que a sabe toda. Em questões de Comunicação não brinca. Claro está que um dia vai deixar de resultar pois “milagres” é domínio da fé e não da Comunicação.
(também AQUI)