Bem vinda Palestina

welcome palestina

É por bem que é vinda, para os puristas da linguagem pouco secular.

Sem asas, na ONU

Portugal votou como devia. Voltámos à normalidade e… os aviões ficam em terra.

Benghazi, crónica de um massacre anunciado

O ditador líbio cita Franco, comparando a entrada deste em Madrid à tomada de Benghazi. Sem capacidade militar para se defender da aviação, da artilharia e das tropas de elite de Gadafi, a população de Benghazi aguarda o massacre, enquanto muitos tentam a fuga. Gadafi ameaça:

“Estás son las últimas horas de esta tragedia, llegaremos esta noche y no tendremos compasión

Os resistentes preparam-se para morrer como os republicanos espanhóis, sabem que o gritar Não Passarão de pouco lhes servirá.

Entretanto o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma zona de exclusão aérea. Ver ingleses, franceses e americanos a intervir num país estrangeiro traz-me as piores recordações. Mas ver morrer os resistentes de Benghazi seria sem dúvida o pior dos pesadelos.

Neste conflito se decide a sorte das revoltas árabes que enfrentam ditaduras sanguinárias. A Arábia Saudita já invadiu o Bahrein. Esta é a última esperança de que evitando um banho de sangue os revoltosos de toda a região ganhem o alento necessário para a sua luta.

Votos, negócios e temores

A actual situação de guerra total e sem olhar a meios, exige a obliteração do regime do Sr. Kadhafi. Não pode haver qualquer ensejo de contemporização para com o déspota, ou pretender a reforma de um regime que durante quarenta anos, empilhou provas insofismáveis da sua marginalidade. Propor um “período de transição” com a gente que comanda em Trípoli, pode levar muitos a pensar que consiste numa tentativa de “salvar o que possa ser salvo”. Ali, pouco ou nada existe para aproveitar e este deve ser um capítulo definitivamente encerrado.

O ministro Luís Amado finalmente acedeu a esclarecer a posição portuguesa, que contudo permanece prisioneira ao estranho princípio de um compromisso que todos sabemos muito difícil. De qualquer forma, as suas declarações no Maputo representam já qualquer coisa, mesmo verificando-se a existência de algumas zonas cinzentas no discurso. De facto, qualquer apeasement é inaceitável. [Read more…]

Da mercearia para o hipermercado

No post anterior, o Jorge critica a postura de Sócrates. Também considero o Primeiro-Ministro de Portugal cada vez mais caixeiro-viajante e menos estadista. Mas se até aqui o homem foi fazendo algumas vendas menores a personagens pouco recomendáveis, que nos divertem pela excentricidade, de repente passou a ser recebido por gente que não brinca em serviço. Temos negócios com países árabes ao mais alto nível, a China compra dívida pública portuguesa, isto é um patamar completamente diferente da exportação de computadores para a Venezuela. Pouca gente refere o facto, mas Portugal ganhou subitamente importância no palco mundial, graças à eleição para o Conselho de Segurança das Nações Unidas. Não quero sequer pensar na possibilidade do voto português ficar refém ou condicionado, por razões de mercearia, em questões de Direitos Humanos.

Haiti:

Para garantir que a ajuda continua a chegar sem problemas, os EUA assumiram o controlo do aeroporto de Port-au-Prince, onde a cada 20 minutos aterra um avião e para onde partiu esta tarde um C-130 português. Apesar deste fluxo contínuo de ajuda que continua a chegar ao Haiti de muitos países do mundo, toda a ajuda parece ficar aquém das necessidades da população“. (O testemunho de uma portuguesa).

Espero que tudo o que se está a fazer no Haiti possa ajudar as vítimas e a reconstrução deste país mas, notícias como ESTA são reveladoras da natureza de algumas pessoas…

A máquina do tempo: as papoilas afegãs e a liquidez do sistema financeiro internacional

Uma notícia destes últimos dias é a declaração, em entrevista ao diário britânico «Observer», do italiano Antonio Maria Costa, máximo responsável na ONU pelo combate ao crime e ao tráfico de droga, que nos vem garantir que o sistema financeiro internacional se salvou do colapso total devido a dinheiro proveniente do narcotráfico – «Os empréstimos interbancários foram financiados por dinheiro vindo do tráfico de droga e de outras actividades ilegais» (…)«Em muitos casos, o dinheiro da droga era a única liquidez disponível. Na segunda metade de 2008, a falta de liquidez era o maior problema do sistema bancário. Ter liquidez em capital, tornou-se num importantíssimo factor». [Read more…]

Globalização das Perguntas

A ONU resolveu fazer uma grande pesquisa mundial. A pergunta era esta:

“Por favor, diga honestamente, qual a sua opinião sobre a escassez de alimentos no resto do mundo.”

O resultado foi desastroso. Um fracasso total.

Os Europeus do Norte não entenderam o que é “escassez”
Os Africanos não sabiam o que era “alimentos”
Os Espanhóis não sabiam o significado de “por favor”
Os Norte-Americanos perguntaram o significado de “o resto do mundo”
Os Cubanos estranharam e pediram maiores explicações sobre o que é “opinião”
O Parlamento Português ainda está a debater o que significa “diga honestamente”.

(Este texto chegou-me via mail. Um abraço para o seu autor!)

A máquina do tempo: a declaração universal dos direitos humanos

Comemora-se hoje o 61º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos.  O seu primeiro rascunho deve-se ao canadiano John Peters Humprhey, recebendo depois contributos de muitas outras pessoas de outros países entre as quais se conta Eleanor Roosevelt. . Em 10 de Dezembro de 1948 a Assembleia Geral da ONU aprovou os seus 30 artigos. Estava ainda muito viva a recordação da 2ª Guerra Mundial, onde todos os princípios básicos da convivência entre seres humanos tinham sido barbaramente violados.

Esta declaração universal, a ser respeitada, acabaria imediatamente com quase todos os males que afligem a Humanidade. Dado que o acesso a todo o seu articulado é fácil, apenas vou lembrar o artigo 1: «Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e de consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.

[Read more…]

Disso estamos livres

Hoje assinala-se o Dia Internacional de Luta Contra a Corrupção. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, já veio apelar à luta contra um tipo de crime que é sempre intencional e que impede o desenvolvimento das sociedades.

Este ano, o tema do Dia Internacional de Luta Contra a Corrupção é: "Não permitamos que a corrupção mate o desenvolvimento".

Mais uma vez, este é um dia que dedicamos aos outros países, tipo africanos, latino-americanos, até mesmo EUA e alguns europeus, como a Itália. Aqui, no nosso cantinho, não padecemos desse mal. Ufa.

Os militares portugueses vao à bola

Hoje de manhã, ouvi na TSF uma alta patente do Exército português, destacado na Bósnia, a dizer que gostava muito que Portugal jogasse contra a Bósnia no «play-off» de acesso ao Mundial da África do Sul e que fazia questão de receber os jogadores no seu quartel-general.

Nem de propósito, a Bósnia vai ser mesmo o adversário de Portugal. Presumivelmente, porque nestas coisas nunca se sabe, era o melhor adversário que a nossa Selecção podia encontrar, juntamente com a Eslovénia.

Estamos a uma distância muito curta de chegar ao Mundial. Acredito que vamos estar lá, por mais que Scolari peça à Senhora do Caravaggio para que tal não aconteça.