Comentário – Comunicado do FMI de 25 de Julho de 2013

O comunicado é extenso, contraditório e impudente. Define-se como análise da Zona Euro, como esta compreendesse um espaço monetário e social coeso, consistente e formado por Estados-membros a funcionar em condições homogéneas ou, pelo menos, semelhantes.

O Tratado de Maastricht, ingénua ou deliberadamente, criou a União Europeia e os fundamentos da União Monetária, de iniquidades e problemas económico-financeiros que submetem ao sofrimento os povos da agora designada ‘periferia desqualificada e empobrecida’.

Acima das controvérsias a nível nacional, reduzidas à visão de interesses partidários e de lobbies substancialmente alimentados por negócios de fundos comunitários e afins, prevalece a verdade de que, do grave impulso às PPP e obras públicas de tonitruante propaganda, iniciadas por Cavaco diga-se, Portugal e outros chegaram à funesta condição de perda do tecido económico tradicional – agricultura, pesca e indústria – e a um crescendo de endividamento insustentável (Grécia com 160,5% do PIB, Portugal 127,2%, Irlanda 125,1%, países assistidos, e Itália 130,3% são o paradigma, no 1.º T de 2013, que a mais indecorosa das verborreias não conseguirá negar).

As projecções integradas no final do documento do FMI, quebra de – 0,6% do PIB da Zona Euro em 2013, são bastante elucidativas dos topetes cantados na alvorada europeia.

[Read more…]

Mulher admirável

É grande e admirável a MULHER que reage assim à estupidez.

Então sejemos

Sim, somos governados por analfabetos.

Regresso ao passado

Passos Coelho quer uma união nacional, para já.  A acção nacional popular, partido único, guarda-a para a primavera segurista.

A mentira é uma arma, da burguesia

Mentir, intoxicar, envenenar, enganar.  Os aldrabões de serviço falam de uma taxa de IRC de 31,5%. Mas com os “descontos” é isto que as empresas em Portugal têm pago.
TAXA DE IRC PAGA PELAS EMPRESAS EM PORTUGAL

Objectivo: mandar, só para o ano, mais 220 milhões de impostos para cima da população, aumentando o lucro das empresas.
A ler a explicação e desmontagem do embuste neste texto do Eugénio Rosa (pdf)

A Cilada

PortasA tomada de posse do Governo Passos Coelho II foi um momento de esfuziante êxtase. Paulo Portas surgiu felicíssimo, confiantíssimo, sorridentíssimo, o que enfatiza um excepcional grau supercola na coligação. Ainda bem. Ele, que era o principal santo para o peditório socialista por ruptura, demissão, divisão na coisa governamental, deixou de poder ser um alvo. Já não há uma brecha para a Oposição explorar obsessionadamente, tirando a vulnerabilidade aparente da inamovível Maria Luís Albuquerque ou o estatuto gagá de Machete, espécie de sumptuário tardio, senecta anedota num ministério esvaziado em forma de sinecura, coisa que lhe não é estranha, depois de uma vida inteira a passear estilo e boa vida.

A pergunta agora é esta: a quem e a quê se agarrará o PS, na sua mó retórica por eleições antecipadas ou por demissões forçadas?! Regressar esse PS ao comunicado demissionário de Portas, ao alarde da sua consciência, ao cansaço do adjectivo irrevogável já está gasto. Mas alguém tem paciência para essa insistência e essa merda?! Por que não se entretém o PS a conferir as suas próprias propostas apresentadas na Távola da Salvação Nacional e que o Governo Passos II engatilhará como passíveis do voto coerente favorável do mesmo PS?! Esqueçam Paulo Portas: sim, dissera que «ficar no Governo seria um acto de dissimulação», mas não é. Não é simplesmente porque o Governo já não é o mesmo. Não é materialmente o mesmo. Não é pessoalmente o mesmo. Não é retoricamente o mesmo. [Read more…]

Gerações o diabo que vos carregue

Ouvi ontem duas vezes ( pela voz de dois jovens deputados do PSD) uma das frases mais odiosas e perigosas das que habitam o actual debate político: “A geração anterior deixou à nossa geração um conjunto de problemas que…”- o que se segue é variável.

Ouçam uma coisa, espécie de candidatos a “camisas laranjas” (esta qualificação é forte, mas não sei se vocês a percebem): a situação não é construída por uma geração, mas por partidos concretos (que se designam a si próprios “arco da governação”), pessoas concretas, políticas concretas, servindo interesses concretos. As vítimas são pessoas concretas de todas as gerações. Parem, pois, de semear ódios analfabetos – se é que existem outros. A luta de gerações como eixo dominante do conflito social é pasto para imbecis.

Ai, se o revogável irrevogável sabe, revoga já

Passos Coelho volta a piscar o olho ao carneiro mal-morto…

Uma alemã, outra portuguesa e ambas nos endrominam

Merkel

Merkel

M.L.Albuquerque

M.L.Albuquerque

Eis as duas louras governantes, com as semelhanças do corte de cabelo e de outras coisas que as fotografias não mostram  – essa das  louras “estúpidas” foi o que contou pra você.

O meu amigo João, quanto à Maria Luís de Albuquerque, já se pronunciou aqui sobre a mentirosa criatura que, a despeito de provas evidentes e operações de swaps complexos que ela própria fechou na Refer, insiste em faltar à verdade.

O curioso é a personalidade da ‘czarina’ germânica, Merkel, corresponder também a pessoa dissimulada, estranha e muito ambiciosa em alcançar o comando da Europa. Tudo isto e muito mais pode ficar a saber-se através desta entrevista ao ‘Negócios’ de Gertrud Höhler, ex-conselheira de Helmut Khol, que acaba de publicar um livro a desancar na Merkel até ao tutano.

Da entrevista, nada me surpreende do que Gertrud Höhler revela; do livro, garanto que vou lê-lo muito atentamente. Eis o que saiu do prelo, que agora é computadorizado:

livro de Gertrud Höhler

Como dizem aqui no Alentejo, uma alemã, outra é portuguesa e as duas andam a ‘endrominar agente’, filhas d’um….

Queres ir para o governo?

Assalta o estado e vais para secretário do mesmo.

O caso da ministra muito mentirosa

180140O governo CDS/PSD mantém uma ministra do governo PSD/CDS que mentiu descaradamente no parlamento. A coisa é de uma evidências tão óbvia que apenas o João Miranda, meia-dúzia de assalariados governamentais e o meu amigo Joaquim, que funciona pela fé e só acerta nas vitórias do FC Porto, ainda gesticulam em defesa de Maria Luís Albuquerque.

Adiante. Com muito mais interesse sobre a ainda ministra, e já não falando do emprego do marido na EDP, parece-me o seu curioso currículo académico.

Em 1987 ia para a Universidade Lusíada quem não tinha nota para entrar numa pública, ou na Católica.  Estávamos em pleno esplendor dos turbo-professores das turbo “universidades” privadas, dedicadas em exclusivo aos cursos de papel e caneta.

Curioso. Que foi para lá fazer a jovem? Como também o é afirmar que o seu pai, militar da GNR “foi militante do PSD, logo após o 25 de Abril.” Como toda a gente sabe a militância partidária é, e sempre foi, interdita a militares de carreira.

 

FMI, conclusão do artigo IV de 2013 da Consulta sobre Políticas de Zona Euro – Tradução para português do Comunicado de Imprensa n.º 13/275 de 25-07-2013

A comunicação social portuguesa ignorou, com é hábito, o Comunicado de Imprensa indicado em título do FMI, relativo a conclusões sobre ‘Políticas da Zona Euro’. Das excepções, refira-se o ‘Jornal de Negócios’, que publicou uma notícia sob o título: “FMI alerta para “elevado risco de estagnação” na periferia do euro”. Louve-se o mérito.

O documento em causa, embora focado na Zona Euro, tem nítidas conexões com o actual e os próximos momentos da política portuguesa; em especial, em incidências com o OGE 2014 em que constarão os cortes avultados nas chamadas reformas estruturais ou, dito em linguagem do governo, a reforma do Estado – os 4,7 mil milhões de euros.

No ‘Aventar’, o mediatismo não é obsessão; mas sim, relatos e notícias que possam influenciar – quase sempre negativamente, diga-se – a vida dos portugueses e o paradigma da doentia ‘consolidação orçamental’, no curto e médio prazo, castradora do crescimento e promotora do desemprego e outras consequências desastrosas para muitos milhares de famílias.

[Read more…]

BE e PCP, Seduzidos e Abandonados

É prodigioso observar o fenómeno do passa-culpas no dossiê contratos swap. A Oposição acaba de encontrar um gnu manco na manada governamental. Saltam leoas, hienas e abutres no seu encalço. Pedem sangue e demissão. Pobre Maria Luís Albuquerque! Bem tenta espernear, aparar os golpes, mostrar que não mentiu. Mas nada parará a magna tarefa patriótica dos partidos da Oposição de moralizar o Governo Moribundo, Morto, Inumado, Exumado, etc., coisa a que se prestam, à falta de mais o que fazer. Portugal, que já engoliu elefantes e baleias com licenciados falsificados, com decisores absolutamente criminosos, não pode, ai Jesus, engolir a girino Albuquerque, as imprecisões e graduações da verdade da Ministra das Finanças!

Coisa curiosa é a sintonia de propósitos e princípios entre BE, PCP e a Ala Socratista do PS: dir-se-ia que os primeiros estão a ser seduzidos para a grande convergência de Esquerda, materializável em eleições a qualquer momento. Pobres partidos! São como a mulher ingénua e simplória para a foda oportunista e o engano que a descartará sem qualquer sombra de dúvida. Entretanto, com a barafunda, o pó levantado, a vozearia estéril, em torno da tenra Albuquerque, perde-se de vista quem em primeiro lugar contratualizou os swap, quem os autorizou e recrudesceu autorizações, quem, em seis anos de Governo, não fez a ponta de um corno para suspendê-los, renegociá-los ou abortá-los. Não. Pelo contrário, com a bênção tendenciosa dos media nervosos com o estatuto indeterminado da RTP, somos obrigados a determo-nos, com olho exigente, no que em dois anos não foi feito. Isso é que é gravíssimo. Cenas fúteis e cínicas que nem a remodelação do Governo permitiu secundarizar e fazer esquecer. [Read more…]

A Quinta da Boeira procura escravos

boeira
É mesmo isto, sem tirar nem pôr. Pronto, talvez esteja a exagerar um bocadinho. Mas só um bocadinho. É certo que quem for contratado poderá trabalhar sem receio de chicotadas físicas, embora não saiba se poderei dizer o mesmo de chicotadas psicológicas.
A primeira recebe-se logo quando se vai à entrevista: são cinco dias de trabalho a multiplicar por sete horas diárias. É um horário nocturno (das 16 às 24 horas) mais horário de fim-de-semana (de 4ª a Domingo). Mesmo sem fazer contas aos valores que qualquer empresa com alguma honestidade pagaria pelo trabalho nocturno e pelo fim-de-semana, espera-se que saia dali um salário decente. [Read more…]

Promessa fácil

Há um ano e uns meses a França via François Holland ser eleito presidente. Questionava-me na altura se as promessas seriam para manter e a resposta aí está. A França prepara uma subida de impostos que renderá 4 a 6 mil milhões de euros.

Nessa altura, em França ganharam as promessas que fazem o imaginário reivindicativo da oposição em Portugal. O PS apresentou há dias umas quantas banalidades com as quais acha que virá a ganhar as eleições e, tal como Holland, chegar ao poder.

Hesitações por se prometer o que  se sabe que não se irá cumprir? Importa lá. Há que dar de comer à trupe que vive daquilo que o partido proporciona e a promessa é ainda mais fácil quando os incompetentes estão no governo. Bastam banalidades.

E não é bom?

Para Malik Ibn Benaisa, estudioso do Corão, «a mulher não pode ter a cara e as mãos descobertas, não pode usar saltos altos, tem que levar um lenço para tapar o peito e não pode usar perfume porque a mulher que o faz é uma fornicadora». E então, senhor Benaisa? Não é bom ter uma mulher fornicadora? A menos que o senhor prefira um homem fornicador e aí está na mesma tudo bem.
Pela minha parte, depois de ver este estudo, só lamento não usar saltos altos. Acho que vou reconsiderar esta falha.

Eis a razão de não se terem pago os subsídios de férias a tempo e horas

Toda aquela conversa da treta de haver dinheiro mas que não se iam pagar os subsídios de férias quando era suposto, estão lembrados? A verdade verdadinha já a sabíamos, só faltava a confirmação.

Hoje, a verdade veio à superfície. O défice no primeiro semestre ficou uns pentelhos abaixo do limite acordado com a troika, feito heróico que poderia cair por terra com uma simples questão de cumprir como cumprir a decisão de um tribunal.

O que hoje ficámos a saber é que não há dinheiro. O falido estado está falido, bem para além do os incompetentes do governo procuram fazer crer.

Em todo o lado

Um quarto dos alemães com salários baixos (traduzido automaticamente do alemão).

Remodelação do Governo (9)

Pires de Lima elogia Álvaro. Beato hipócrita!

Teatro no Porto: bom e barato

No final dos três anos de qualquer curso profissional, os alunos têm de participar numa Prova de Aptidão Profissional (PAP), o que lhes permitirá obter uma certificação profissional, para além do diploma de 12º ano.

Na Academia Contemporânea do Espectáculo, a PAP integra, frequentemente, a representação de peças, em que intervêm alunos dos três cursos: Cenografia, Luz e Som e Interpretação. O facto de estas provas estarem abertas ao público constitui uma possibilidade de ver o trabalho de um conjunto de jovens talentosos que estarão no futuro das artes do espectáculo em Portugal. É uma ocasião para assistir a espectáculos de grande qualidade pagando pouco.

Este ano, estarão em cena os espectáculos If…GípolisO Maldoror Está Vivo.

Não sigam o cherne. Sigam os cartazes. [Read more…]

Remodelação do Governo (8)

Os feitos de Pires de Lima na Unicer: 700 despedimentos. Uma empresa que, recorde-se, teve quase 30 milhões de lucros em 2012. Convenhamos, é o homem ideal para a Economia deste Governo.

Cortes nos subsídios de desemprego e de doença

Um governo amigo do povo, em especial dos desamparados por falta de trabalho ou de saúde.

Obsolescências

Ontem, parido e empossado, surgiu o Governo Passos Coelho II. Nasceu para levar a jangada nacional até ao fim do caminho e tentar mostrar resultados, se houver tempo e o Daniel estiver errado. Terá de fazer violências. Apanhará provavelmente com mais greves por mês que o Governo Passos Coelho I, mais débil, mais perro, e muito mais medroso. Muito menos articulado do que este promete parecer. Precisamos de greves na função pública, apesar da compressão de direitos e rendimentos, das requalificações e evacuações? O mundo europeu da Moeda Única carece delas? Claro que não. Do que precisamos mesmo é de menos Fisco, mais indústria, mais emprego, mais actividade privada e um caminho de competição directa com outros pólos planetários hoje com regras mais favoráveis para eles e que nos vão deixando mais e mais para trás e a dever-lhes dinheiro. A Ásia, sim, precisa de greves. Urgentemente. Nunca as terá. E mesmo que as tenha, delas pouco ou nada se falará. O Brasil também precisa. Greves por mais direitos laborais, pela humanização da sua indústria e de outras estruturas produtivas, greves por condições gerais mais justas de remuneração.

Cá, na pequena paróquia política portuguesa, por exemplo, pensar em greve, neste contexto em que uma hora conta, já antecipa ineficácia e cansaço levados ao limite e é um contrassenso quando no horizonte muitos aventam um novo cenário de bancarrota. As sociedades europeias que intuíram e inventaram o Estado Social e a aspiração ao bem-estar têm de redescobrir estratégias novas de protesto, mais cívicas e inteligentes, menos tiro-no-pé, à medida da massa crítica que constituem, à medida da realidade demográfica e cultural que habitam, e sobretudo à medida da nova consciência ambiental que se traduz em novas práticas individuais libertadoras, minimalistas, capazes, só elas, de engendrar uma felicidade pouco compatível com a loucura consumista, a ganância e a ambição competitivas que trucidam a concorrência e pisoteiam as caveiras dos derrotados e menos capazes. [Read more…]

Fazer exame para professor

Sem prejuízo de voltar a abordar o assunto, ficam aqui algumas primeiras e más impressões acerca de mais uma invenção do Ministério da Educação (MEC): a Prova de Avaliação de Conhecimentos, Capacidades e Competências para acesso à profissão docente.

Se bem percebi, pretende o MEC que os professores contratados realizem uma prova em duas fases: uma primeira, comum a todos os professores e sob a forma de prova escrita, independentemente da área em que leccionem, que servirá para avaliar a capacidade dos candidatos para “resolver problemas em domínios não disciplinares”. Quererá isto dizer que os candidatos a professores terão de explicar, por escrito, como resolveriam uma determinada situação numa aula?

Os que passarem à fase seguinte, farão uma prova, oral ou escrita, relacionada com a área de leccionação.

As pessoas que vierem a ser sujeitas a este exame têm, na sua esmagadora maioria, e no mínimo, uma licenciatura e um estágio pedagógico, ou seja, estão habilitadas a dar aulas. Muitas dessas pessoas já dão aulas há vários anos, o que acrescenta experiência à formação inicial. Como se isso não bastasse, há cada vez mais professores a frequentar mestrados e doutoramentos. O Ministério da Educação quer, portanto, sujeitar a um exame de acesso um conjunto alargado de profissionais com provas dadas. Gostaria de realçar a expressão “provas dadas”. [Read more…]

O meu voto de confiança

1005302_548562741868291_884677734_n

E no entanto, nem todos andamos cá para ver andar os outros, e aprender a fazer como eles (sem pensar) fazem. Muitos escutam a sua humanidade pedir-lhes o que profundamente é no que a constitui: um anseio, que requer a caminhada – descoberta, conquista, chama-lhe o que quiseres. A maioria desses caminhantes são jovens, pessoas a quem contudo normalmente se atribuem todos os defeitos herdados dos pais, como se o Mundo que lhes é dado a viver nada lhes trouxesse, não os confrontasse, como se fossem apenas os genes de que são a reprodução mais recente. Alguns desses jovens viajantes que não querem já saber dos carros e das casas (que o desemprego que lhes destinam torna de qualquer modo inalcançáveis) fazem-se hoje portugueses noutros lugares.

Cruzei-me há dias com uma jovem estudante que quer cumprir a sua vocação e ser médica – ser médica pelas razões certas e eternas que fazem da medicina uma missão. Como o jornalismo o é, ou o ensino, e também a política, apesar de tudo aquilo a que assistimos e que nos é oferecido como normalidade. Gostaria de ser médica, essa médica, em Portugal, onde é tão precisa. Mas receia não aguentar a pressão, os sistemas informáticos de gerir pessoas ainda demasiado centrais no processo curativo, e ainda cheios de deficiências e de rigidez, sem espaço para a diferença (a singularidade que cada ser humano é), reproduzindo o que acontece na organizações, onde as pessoas competem pela sobrevivência e pelo poder, e onde a diferença não serve, não cabe.

Vi nessa estudante de medicina, como em muitos mais jovens que vou conhecendo, a visão desse mundo em mudança, dentro da cabeça dos mais novos, em gestação rápida que os tempos vão velozes, um mundo a nascer e que se construirá sem dúvida contra aquele que hoje decai alegremente, perante a indiferença de tantos para quem a injustiça é uma espinha de engolir.

Apetece.

Descarrilamento na Galiza

Hoje descarrilou um comboio perto de Santiago de Compostela. Um dia mau.

Desemprego: mais de 200 vítimas na Cova da Beira

Quando me deparo com certos comentadores e escribas da propaganda governamental que por aí circulam nas TV’s, nos jornais e na blogosfera, não os ouço nem leio. Cuspo, cuspo forte e sonoro de espontânea reacção pela náusea perante a falsidade, o artificialismo e o ardil de quem anda a impingir gato por lebre.

Por efeitos de experiência vivencial directa, regular e na maioria dos casos durante mais de 20 dias por mês, conheço com suficiente pormenor diversas regiões do interior; em especial o Alto Alentejo e as Beiras Baixa e Alta. Terras em continuado despovoamento, habitadas em grande maioria por idosos e com estruturas produtivas, incluindo agrícolas, abandonadas e muitas delas degradadas e destruídas.

Já sabia do triste desfecho, porque o processo se iniciou há meses. Contudo, o ‘Expresso’ acaba de confirmar: a Carveste, empresa têxtil de Caria, Belmonte, em processo de encerramento desde há tempos, vai expulsar para o desemprego mais de 200 trabalhadores.

[Read more…]

Reformas em nome de alguma coisa

antonio-mexia-edpAfortunado país é este dotado de tantos Antónios tão clarividentes, sendo eu, pobre de mim, a triste excepção, modesto verme da blogosfera indigno de usar o mesmo nome de outros génios portugueses! Depois do santo que pôs peixes a ouvi-lo, depois do festim dos sermões de António Vieira, eis que o verbo de António Mexia nos elucida sobre as reformas que o governo está a realizar. Estais preparados? Ficai, então, a saber que as “reformas estão a ser feitas em nome de alguma coisa.”

Já se sabia que António Mexia é tão bom que não é gestor, é CEO. A partir de hoje, sabe-se que é muito mais do que isso: com Mexia, a língua portuguesa recupera o esplendor, a frase resplandece com tão grande intensidade que se torna difícil olhá-la de frente e, no fundo, faz sentido um homem que vende luz proferir ditos tão brilhantes.

Ainda assim, tentarei, humildemente aprender com Mexia. Experimentarei, por exemplo, dizer em voz alta proposições inundadas de inteligência. Aqui vai uma:

– Os factos são consequências das respectivas causas.

É escusado. Escrito ou dito por mim, parece estúpido.  Desisto.

Remodelação do Governo (7)

Percebe-se a nomeação de Pires de Lima. A Banca e as grandes empresas estão radiantes. Por que será?