Dinheiro do Banif (I)

O Governo vai meter 1100 milhões de euros no BANIF. Um professor contratado ganha, brutos, 1373 euros. O que vão dar aos ladrões pagariam os salários  de 66763 professores durante um ano.

Ficar doente é coisa de malandro

O orçamento de estado é uma espécie de merda e talvez seja a hora da Renova fazer uma colecção especial indo, por higienicoexemplo, buscar inspiração ao Relvas ou ao Gaspar.

Não, juro!

Não estava a pensar no que, nos respectivos, se segue ao recto. A minha reflexão ia mais de encontro às palavras que tais personagens debitam com frequência excessiva. E ia, fundamentalmente, encontrar os actos desta gente que nos rouba, fazendo de conta que nos governa.

Uma das medidas já em vigor vai fazer com que qualquer um de nós fique sem salário nos três primeiros dias de atestado. Se tiver uma gripe, um acidente, um azar (por definição as doenças quase nunca são um caso de sorte, mas enfim…) lá vem o ladrão buscar mais uns trocos. [Read more…]

Longe de mim defender Artur Baptista da Silva

…mas o que será mais grave? Aparecer na televisão, depois de enganar jornalistas, ou chegar a primeiro-ministro, depois de enganar um país?

Da série ai aguenta, aguenta (6)

Indemnizações por despedimento baixam para 12 dias

 

O que vale é que Passos Coelho não tem netos

Alcunha do neto de Mario Monti no infantário é “spread”

A direita portuguesa é desonesta

Eu sei que corro o risco de me dizerem que não faz muito sentido utilizar um pleonasmo no título, mas há muito que confessei as minhas múltiplas incompetências, de entre as quais, destaco, a escrita. Pensei no descer para baixo ou no subir para cima, mas acabei por juntar direita e desonestidade.

E antes de baterem, permitam que explique.

Em Portugal, segundo dados do Eurostat, a hora de trabalho, em 2011, tinha um custo de 10,30€. Ou seja, 30,1% do custo na Alemanha.

Mas, comparando a nossa produtividade com a do país de Merkel, podemos verificar que a nossa é 72,6% da alemã.

Ou seja, se os nossos salários estivessem em linha com o que recebem os alemães, de acordo com as respectivas produtividades o nosso custo de hora laboral seria de  24,9€, isto é, mais de 100% do que realmente é.

Os portugueses, caros defensores do regime, são mal pagos! Muito mal pagos!

Umas contas bem simples que mostram a verdade e que colocam uma interrogação aos aldrabões que por aí andam – vão continuar a dizer que o problema em Portugal são os elevados custos do trabalho?

E se tentassem investir numa gestão com menos boys e com mais competência não conseguiriam aumentar a produtividade?

E se o dinheiro do país fosse usado para aumentar a produtividade da nossa economia em vez de ser entregue à TROIKA?

E se em vez de tirarem dinheiro às pessoas para safarem os bancos e os juros da TROIKA, porque é que não deixam de pagar os juros e entregam o dinheiro à economia real?

Carta para mis nietos sobre la situación en Portugal

 

Queridos nietos,

Veo que están siempre interesados en saber cómo se gobierna Portugal e cómo se porta ese gobierno con la población. Primero, es necesario decir que no todo el pueblo votó por ellos. El partido más votado fue el llamado PSD o Partido Social Democrática, que, para poder con mayoría, una mayoría impenetrable formó una coligación con el partido más próximo de ellos en su ideología, o el partido de Centro Democrático Social –Partido Popular que, para abreviar nombres tan grandes, son llamados CDS-PP. Los resultados fueron estos:

[Read more…]

A lambreta do Pedrinho

Parece que tem marcha atrás.

Impostos

Ó Gaspar, será que dá para eu ficar com os meus impostos e tu com o meu ordenado?

As fundações e a cobardia do governo

A longa e polémica história da Fundação do PSD-Madeira que o Governo não extinguiu

A dívida pública é uma PPP

Este é o país em que a dívida pública não passa de mais uma parceria público-privada: basta ver que constitui um prejuízo para a maioria dos cidadãos e dá lucro a uma minoria de privados. Os bancos exultam. O povo exalta-se, mas pouco, por enquanto.

Quando actuais e antigos governantes se referem à responsabilidade dessa dívida, recorrem a uma generalização insultuosa, usando a célebre censura de que temos vivido acima das nossas possibilidades, fazendo de conta que não sabem que essa dívida tem origem na incompetência – que grande eufemismo! – com que os dinheiros públicos têm sido geridos pelos membros dos partidos que estão há anos instalados no Estado, nas regiões autónomas e nas autarquias.

Os verdadeiros culpados optam por culpar-se uns aos outros, no que teriam toda a razão, não fosse o caso de nunca se incluírem a si próprios. Têm em comum, no entanto, o facto de culparem e castigarem quem tem como principal culpa votar sempre nos mesmos, porque mesmo não sendo os mesmos são a mesma coisa. Os mesmos, portanto.

E Passos Coelho rouba os cidadãos e diz que é primeiro-ministro

Britânica rouba ‘ferry’ e grita que é o pirata Jack Sparrow

Acabou-se a Vaselina, pá

E as pessoas de Braga saíram à rua;
outras foram para a praia.

Governar assim é fácil

É fácil governar assim. Mentir com quantos dentes se tem na boca para chegar ao poder e, depois de lá estar, roubar os mesmos de sempre à força toda. Uma vez, duas vezes, as vezes que forem necessárias. Com total descaramento e com a suprema lata de se fingir muito triste com as decisões tomadas.
Enquanto o roteiro da gatunagem inclui o roubo de mais um salário a quem trabalha, os únicos responsáveis por esta crise continuam impunes. Não se mexe nos privilégios da Banca, para quem o saco infinito dos contribuintes está sempre aberto. Não se mexe nos off-shores. Não se mexe nos dividendos em Bolsa. Não se mexe nas grandes fortunas. O indivíduo até falou disso no discurso de sexta-feira, mas concretizar? Tá queto, fica para as calendas gregas.
Realmente, é fácil governar assim. Falta dinheiro, vai-se buscar sempre a quem não pode fugir. Rouba-se a uns para dar aos outros. Quanto vai poupar António Mexia e os seus accionistas com a descida da TSU? E Alexandre Soares dos Santos? E Belmiro de AZevedo? E Américo Amorim? Alguém acredita que eles vão contratar um único funcionário a mais por pagarem menos à Segurança Social?
Não, o indivíduo não é burro. Pelo contrário, é muitíssimo inteligente. Mas extraordinariamente insensível, desonesto e moralmente corrupto. Daqui a 2 ou 3 anos, é vê-lo num exílio de luxo numa qualquer Paris deste mundo.

Toni reage às medidas do governo e critica Cavaco

http://www.facebook.com/aristocratas

Investigação RTP

Eu bem digo que quando a esmola é grande

 

Esta vida de ex-ministro

Para estomagos fortes:

Prostituição versus Pornografia

Um dia vai ser de Lei: a EDP governará Portugal. Por agora, comanda apenas algumas autarquias.

Sinto-me MUITO Português! Como nunca!

E não é pelo futebol!

É pelo dinheiro que me roubaram hoje!

Fiquei sem os subsídios (cá em casa é a dobrar)!

Passei esta madrugada, na rua, a colocar pendões que, pelo menos, mostram que não estamos esquecidos!

Estou de acordo com o candidato Passos Coelho que se referiu a esta medida como um disparate!

Quero formalmente agradecer a todos os que votaram neste governo e que, por isso, me ajudaram  a ser ainda mais Português.

Eternamente GRATO!

O assalto ao subsídio de férias já começou

A história da democracia portuguesa é feita, entre várias hecatombes, da destruição do tecido produtivo em nome da obsessão de se ser considerado bom aluno, de desperdício de dinheiros europeus e da apropriação do Estado por dois ou três partidos para benefício dos filiados e amigos.

Os anos de Sócrates conseguiram aprofundar todos esses males, graças à total ausência de vergonha de um conjunto de figuras sinistras que empobreceu o país em todos os aspectos, nomeadamente através da multiplicação de Parcerias Público-Privadas, numa perspectiva de protecção contínua aos privados, esses amigos que estão sempre do lado certo do cartão partidário. Este é o país em que a culpa não morre solteira, é certo: entrega-se à prostituição.

O bando socrático explorou e aprofundou a má fama e a má imprensa dos funcionários públicos. Para pagar os calotes que criou em consequência de ter metido a mão na caixa registadora, culpou, exactamente, os funcionários públicos, ou seja, aqueles que eram obrigados a pôr dinheiro na caixa.

Inventaram, então, a generalização da improdutividade e publicaram, com a ajuda de meretrizes com cartão de jornalista, a ideia do parasitismo e dos salários excessivos. Depois, foi congelar as progressões na carreira, cortar nos salários, aumentar os impostos, para não falar no resto do assalto fiscal, ainda que disfarçado de taxas moderadoras, por exemplo.

Entre Passos Coelho e Sócrates existe uma única e verdadeira diferença: o primeiro não está em Paris. De resto, o actual primeiro-ministro respira de alívio porque o anterior abriu à catanada o caminho para a liquidação do Estado.

Por estes dias, os funcionários públicos experimentarão, pela primeira vez em vários anos, o retrocesso de não receber o erradamente chamado subsídio de férias. Trata-se de mais um roubo que não esquecerei, como não me esquecerei de nunca mais votar em gente que já deu provas suficientes de um latrocínio essencial.

Funcionários públicos continuam a ser assaltados

Função Pública sofre cortes esta semana sem saber se são legais

A contradição de Bruxelas

O resgate dos bancos espanhóis depende do défice, no entanto o resgate conta para o défice. Lá como cá, cumprir é impossível.

The Beat Goes On

Estado vai pagar mais mil milhões de dívidas, desta vez da Sociedade Lusa de Negócios. Isto é roubo! Parem estes tipos! Chamem a polícia!

uma mulher roubou caramelos

Em Milão, no último fim-de-semana, numa cadeia de supermercados, uma mulher de 76 anos foi apanhada pelo gerente a roubar um saco de caramelos. Os caramelos custavam 78 cêntimos. O gerente é um homem de 37 anos e imagina-se que não teve dificuldade em apanhar a mulher. A polícia foi chamada. O gerente denunciou o roubo e a ladra, apanhada em flagrante. A mulher confessou e, humilhada (diz quem escreveu a notícia), admitiu que lhe apeteceu um caramelo mas que não tinha os 78 cêntimos.  O agente da polícia, comovido (também diz quem escreveu a notícia), pagou os 78 cêntimos do seu bolso, a mulher foi embora e alguns clientes aplaudiram. [Read more…]

O Euro, de 2008 a 2012

No texto de Rui Tavares no Público: ” O euro é assim: um jogo de países contra países e, no fim, ganham os bancos.

Quase 500 milhões do orçamento rectificativo servem para a compra de activos do BPN

Quase metade dos 1.100 milhões de euros inscritos no orçamento retificativo servem para o Estado comprar activos [tóxicos] do BPN. Tradução: os activos dum banco, de forma simplista,  são os empréstimos que faz; activos tóxicos de um banco são aqueles que nunca serão pagos; o estado está a comprar o prejuízo do banco e a dar o que tem valor.

Sorria…

Vamos começar bem a semana…? Sorria… está a ser roubado!

Muita polícia em Foz Tua para proteger o colonato da EDP

P. Vaz

Durante toda a semana.
Para proteger as obras da barragem de Foz Tua de 100 campistas/manifestantes, o Estado português enviou, por obséquio, pelo menos 34 agentes da autoridade. Ontem juntaram-se dois cães…
Há assim tanto a esconder?

[Read more…]

EDP e a Escravatura Amarela

É tudo um sonho mau.

Conhece o Vale do Tua?

CRISTINA SEIXAS
Conhece Belo Monte? e o Vale do Tua? Não temos pronuncia “adocicada” mas temos, na mesma gente com alma.
Aos poucos, a nossa alma,  vai ficando vazia, devastada por cada terraplanagem, por cada abate, por  cada dia que passa
As fragas aqui “sussurravam” silêncios, agora “gritam” dinamitadas pela mão suja dos interesses podres dos Senhores deste país…Para quem durante toda a vida trocou “olhares ” com esta paisagem, agora dói, uma dor que vem do fundo, de quem nos está a mexer nas entranhas, sim dói como se nos arrancassem a alma. Só não percebe isso quem não conhece, porque quem não conhece não pode gostar, não pode defender. Só assim nos podem chamar de “radicais”, sim, viver cá entre explosivos e com esta dor que devasta virou radical…
Porque é que as figuras públicas portuguesas não nos ajudam? Somos portugueses…dá trabalho? Fica mal? Não é “fixe”? Somos “portuguesinhos” esquecidos? sem coragem? Onde está o orgulho na cultura, no património, no ambiente, nas nossas gentes, na nossa história? O Tua tem tudo isso e muito mais.
Há anos que gritamos para não nos matarem o Vale do Tua, não nos matem!! ACORDEM!!!! Venham ao Tua, falem do Tua, O TUA precisa de AJUDA!!!
Sábado juntem-se aos movimentos de cidadãos e ambientalistas às 15 horas em Foz Tua, VAMOS DAR A CARA PELO VALE DO TUA enquanto é tempo.
O silêncio e a inércia é a maior cumplicidade deste crime.

%d bloggers like this: