O melhor momento é nunca

mais tarde

As iniciativas “não surgem no melhor momento, nem servem de pretexto para discutir e reformar o sistema político.”

Era o que faltava não se poder trabalhar de manhã nos escritórios de advogados que fazem consultoria às leis que se aprovam à tarde. Exclusividade é coisa dos zecos das escolas e dos dôtores dos centros de saúde. E de todos os que têm que fazer o seu horário de trabalho e mais as horas que só não são extra porque não têm remuneração.

Ninguém está contra se trabalhar a tempo inteiro no  trabalho para o qual se recebe salário e ajudas de tempo inteiro. Não, vamos é embrulhar isto num pacote de profunda revisão, que inclua círculos uninominais, redução do número de deputados, financiamento partidário e que até agora nunca surgiu no melhor momento.

A vaca verde

cow

Liderada por Jorge Vasconcelos, ex-presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), a comissão foi nomeada em finais de Janeiro e tem até 15 de Setembro para apresentar uma proposta para aumentar os impostos relacionados com o ambiente, de modo a reduzir a fiscalidade sobre o trabalho.
(…)
O documento agora divulgado faz uma longa análise dos impostos e taxas que têm relevância ambiental. No ano passado, representaram 13,9% de todas as receitas fiscais do país – aproximadamente um em cada sete euros.

Sucedem-se as notícias do não aumento de impostos. Uma vaca que origine um sétimo dos impostos é alvo apetecível para mais um pouco de ordenha. “Ah e tal, estes não me saem do bolso!” É mesmo assim?

Deixa-se de fumar por causa dos impostos?

O objectivo desta nova taxa alimentar é a taxa em si mesma. O resto é hipocrisia política e duplo discurso, consoante se é oposição ou governo.

Mais impostos? Que ideia. Não precisamos de criar desnecessárias ansiedades.

O deputado Pedro Mota Soares pensava assim em 2009:

“Acho que é uma prática higienista e até fascizante que me obriguem a comer pão com menos sal. E se eu quiser comer pão com mais sal? Não posso?”, questiona o deputado do CDS-PP Pedro Mota Soares que se mostra mais a favor de obrigar a colocar informação clara sobre o teor do sal nos rótulos das embalagens de pão, o que está incluído na proposta socialista. [PÚBLICO]

O que pensará hoje o ministro Pedro Mota Soares sobre esta nova taxa higienista ? E os do PSD, o que é que pensarão? Aguardo com curiosidade o repúdio de ambos quanto a esta investida por parte de quem não vai aumentar os impostos.

A Tecnoforma também foi facilitação?

Facilitar um negócio seria ajudar a criar algo  novo. O resto são esquemas de amiguismo.

Consideremos o seguinte ponto de vista

Esqueçamos por momentos a relação  divergente que o governo mantém entre o que anuncia e o que executa e assumamos que é verdadeira essa intenção de conseguir um défice de 1.9% sem mais impostos/cortes salariais e de pensões/taxas/outras medidas de aumento da receita.

Em vez de 4% do produto interno bruto (PIB), a equipa de Pedro Passos Coelho aponta agora para um défice à volta de 1,9% este ano, indicam números enviados pela Comissão Europeia ao Parlamento português. [dinheiro vivo]

Se o governo pretende atingir uma meta mais exigente do que o acordo com a troika exige e se tal é possível sem aumentar o fardo fiscal que está a derrear os portugueses, concluiu-se que o brutal aumento de impostos de Gaspar era desnecessário e que este governo está a empobrecer o país por opção política.

A alternativa a este ponto de vista é Passos Coelho estar novamente a mentir. Você decide qual das opções é mais credível.

Quem não quer ser coiote, que não lhe vista a pele

lobovelha

PSD: «Não é bonito chamarem-nos mentirosos»
José Matos Correia, vice-presidente do PSD, critica o partido de Seguro, por só abanar a cabeça a
dizer não.
O CDS alinha pelo mesmo tom. O porta-voz do partido de Paulo Portas, Filipe Lobo d’Ávila, pede ao PS e aos partidos da oposição para virem a jogo.Os dois partidos da maioria não gostaram de ser atacados de eleitoralismo nem de que o Governo tem uma agenda escondida para mais cortes.
Matos Correia, vice de Passos Coelho, diz que essa crítica não é bonita nem é verdadeira.
Em política não pode valer tudo, dizem os partidos da maioria PSD-CDS.

Nem ao se defenderem deixam de mentir. Não é “verdadeira“? Deixem-me rir. E depois de terem passando uns anos com o tema pinócrates vêm agora queixarem-se mesmo de quê?

Pois é, em política não pode valer tudo. Especialmente, mentir aos portugueses, seus mentirosos!

Eles decidem por nós

Triple A

João Vieira Pereira, colunista-blogger do Expresso muito apreciado pela ala liberal nacional, brindou-nos ontem com aquilo que, na minha qualidade de leigo do economês, me parece ser uma verdade absoluta nos tempos que correm:

Os mercados e as agências de rating funcionam a velocidade diferentes, mas se tivesse de escolher em que indicador confiar, o rating continua a ser o mais fiável. Estas agências analisam tendências de longo prazo, olham para os fundamentais da economia e decidem sobre a capacidade de um país pagar as sua dívidas no futuro.

Não só é fiável como continua a sê-lo. As premissas que regem os ratings atribuídos pelas agências privadas norte-americanas, promiscuamente ligadas a especuladores diversos, continuam tão fiáveis como no dia em que atribuíram um triplo A ao Lehman Brothers, imediatamente antes deste falir. Mas o que é verdadeiramente interessante neste curto mas esclarecedor artigo, é perceber o entendimento que um opinion maker tão experiente na matéria tem sobre estas agências, tão servis aos interesses do costume como o político mais canalha e corrupto, considerando que estas “decidem sobre a capacidade de um país pagar as sua(s) dívidas no futuro“. O que o nosso país possa ou não fazer é irrelevante. São os marionetes das Goldmans desta vida que o decidem por nós, essa é a verdade absoluta. JVP limitou-se a constatá-la. E pensar que ainda anda por ai tanta gente que pensa que a nossa soberania financeira (e não só) foi transferida para as instituições europeias…

Saída limpa

saida limpa

Assunção

assunçao esteves
Assunção teve oportunidade de hoje, mais uma vez, responder às dúvidas dos jornalistas. O assunto era a possibilidade de um militar de Abril se dirigir ao parlamento e, desse modo, ao país, no dia em que se comemoram 40 anos sobre a revolução libertadora. Nós ouvimos e nem pensamos no conteúdo das respostas de Assunção: ficamos mesmerizados pelo seu estilo.

No país de Fernando Pessoa a heteronímia não é uma novidade, mas a presidente da AR, não conseguindo emular na escrita o poeta, tenta fazê-lo na fala. Valha a verdade, o reportório da Assunção, além de limitado, é desgostantemente medíocre, mau grado já ter brilhado com uma citação de Simone Beauvoir – da qual não sabemos se conhece outra coisa – que, por razões de contexto, lhe saiu desgraçadamente mal.

Assunção conhece dois registos de discurso: o do pesporrente e ininteligível ” inconseguimemto” e o do sucinto, lacónico mas agressivo – por vezes quase raivoso – “evacuem as galerias” (compreende-se, porém que a ordem seja gritada, para que os cidadãos não se confundam com o “as”, interpretando-o como “nas”…) ou o “isso não existe” com que respondeu aos jornalistas sobre a questão da possibilidade do discurso do intruso militar na AR. Não é de agora que se sabe da multiplicidade caleidoscópica de Assunção e dos espantos que ela motiva. [Ler mais ...]

Abril no parlamento

25 abril

De que é que tem medo o PSD?

inconseguida-estesves

O problema é deles“, disse Assunção Esteves sobre a intenção da Associação 25 de Abril discursar na sessão solene comemorativa da revolução. Medo de ouvir o que se não quer ouvir? Compreendo, em vésperas de eleições mais vale uma pequena polémica encetada por uma figura menor do que parangonas sobre o que pudesse vir a ser dito na Assembleia da República.

O Prémio*

Alexandra Lucas Coelho foi premiada num do mais importantes prémios atribuídos em Portugal. Dou-lhe os meus sinceros parabéns. E ainda bem que no seu discurso disse o que lhe apeteceu.
Mas o texto aqui escrito por Sarah Adamopoulos (que não conheço) leva-me a dizer o seguinte: quem fingiu, e bem, que havia cultura no governo foi Gabriela Canavilhas e o seu SEC de então; e nessa matéria foram muito bem secundados por Francisco José Viegas, e apenas com uma diferença, é que com Sócrates havia Ministério da Cultura e Secretaria de Estado da Cultura, e com Passos Coelho não há MC mas também não há SEC. A reestruturação dos serviços da área da Cultura feita por FJV é a mesma que estava preparada anteriormente, e que apenas pode ser adjectivada de vergonhosa, aliás como a sua prestação como SEC.
Com isto não estou a defender que com Jorge Barreto Xavier é que a coisa está boa, nem que a sua intervenção quando do prémio tenha sido correcta. Outro aspecto tem a ver com o prémio monetário. Se, como se diz, o prémio tem uma parte de dinheiro público, então direi que como contribuinte não quero que os meus impostos sejam aplicados em prémios literários. Claro que essa decisão não é minha, é de um governo, este ou outro, que seja legitimamente eleito. E por isso este país não é de Cavaco Silva, como diz Alexandra Lucas Coelho, mas também não é de Siza Vieira, ou de qualquer outra estrela da nossa área dita cultural.
Quanto ao papel que deve ter um Secretário de Estado da Cultura de qualquer governo, pergunto, e então o património cultural? E a língua, que é também património? E o Acordo Ortográfico? Como ficamos?
Como dizia um primo meu, esta malta acha que a cultura é uma casa à parte do país.
*Título de um livro de Manuel Vásquez de Montalbán, cuja leitura recomendo

Maduro sacode

Poiares Maduro  recusa-se a comentar a presença entre os escolhidos pela Comissão de Recrutamento da Função Pública (CRESAP) de um cidadão condenado a 9 anos de inibição do exercício de funções de gestão.

Sacode para  a CRESAP, a qual por sua vez  “desconhecia e desconhece se o Doutor Queirós se encontra impedido por decisão judicial ou outra” e sacode a água do capote alegando que ”o Doutor Queirós assumiu, sob compromisso de honra, que não possuía qualquer incompatibilidade, impedimento e inibição para o exercício de dirigente superior da Administração, nos termos da lei”, concluindo que não é “órgão de polícia” e  que deve ser o Governo a tratar do caso, ficando assim patente que esta entidade não escrutina devidamente os concorrentes e nem sequer lhes pede o registo criminal.”

António Manuel de Almeida dos Santos Queirós foi sentenciado em 2013,  pelo Tribunal de Coimbra “onde se refere que “em consequência desse acto, António Manuel de Almeida Santos Queirós, atentos os factos constantes e exarados na sentença, inibido para o exercício do comércio durante um período de 9 (nove) anos, bem como a ocupação de qualquer cargo de titular de órgão de  sociedade comercial ou civil, associação ou fundação privada de actividade económica, empresa pública ou cooperativa”.

António Manuel de Almeida dos Santos Queirós é candidato a Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

 

O país (não) está melhor

Do que Timor e o Gabão. Continuemos calados.

Alexandra

alexandra_lucas_coelho_copyright_miguel_manso
© Miguel Manso

Conheço a Alexandra Lucas Coelho há muitos anos, somos mais ou menos da mesma geração de jornalistas, creio que ela mais nova. Recordo uma viagem que fizemos juntas há muitos anos pela então recém-inaugurada rede de bibliotecas públicas. Creio que trabalhava então para a Antena 1. Conheço-a mal, não somos amigas, há anos que não a vejo, mas conheço o que escreve e gosto do que leio – há um entendimento entre nós que passa pela escrita, pelo jornalismo que olha para as sociedades de hoje, mas talvez, e sobretudo, pelo jornalismo literário, pelos melhores escritores, editores, livros, pelo amor pelas belas letras que formam o poema (e o poema pode não ser poesia), para falar disso que me une a umas esparsas pessoas, que por vezes mal conheço mas que habitam essa parte incerta onde também sou.

Li o discurso que a Alexandra Lucas Coelho proferiu na cerimónia de atribuição de um dos mais importantes prémios literários do País, que este ano a contemplou a ela. Dou-lhe os meus parabéns, tenho a certeza de que o seu livro o merece. Lucas Coelho escreve muito bem, há muito que reconheço nela uma escritora. Hei-de ler o seu livro seguramente. Dou-lhe também os meus parabéns pelo discurso que fez. Numa altura em que praticamente não se ouve ninguém, em que os escritores se calam, num silêncio de chumbo que pessoalmente me pesa (como a muitos mais, tenho a certeza), é muito bom haver alguém que se chega à frente para dizer o que muitos gritam mas ninguém ouve. Talvez tenham medo que Jorge Barreto Xavier os censure por serem «primários». [Ler mais ...]

Aparentemente, as farturas dão sorte

fartura

© André Carvalho (http://bit.ly/1mYHW6p)

Conta o Expresso que Tânia Ribas de Oliveira vai apresentar o concurso Fartura da Sorte. O *fatura que surge na notícia é, obviamente, uma lamentável gralha.

Aliás, com esta notícia, fiquei a saber imensa coisa: às farturas elegíveis está associado um número de identificação fiscal, quem pedir farturas pode ganhar um Audi e as farturas sorteadas em Abril são as emitidas em Janeiro — não sabia que havia emissão de farturas: no meu tempo, as farturas eram fritas, viradas, escorridas, cortadas, passadas por (ou “polvilhadas com”, parece que a doutrina se divide) açúcar e canela e, por fim, comidas. Contudo, pelos vistos, sim, as farturas também podem ser emitidas e, inclusive, titular aquisições.

Deveria estar grata por estarmos em democracia

A imprensa não contou o que o secretário de Estado da Cultura disse sobre o discurso de Alexandra Lucas Coelho e foi pena. Vale a pena ler o resumo que a autora publica.

Governês

Ontem, numa comissão parlamentar, o recém famoso secretário de estado da administração pública, ao ser interpelado sobre a sua conferência de imprensa fantasma e a nova e exótica forma de cortar pensões de reforma que ali anunciou, jurou fidelidade ao líder, baldou-se a responder e rematou com uma latinada que algum assessor lhe ensinou para a ocasião: “Roma locuta, causa finita“. O que, se em latim se pode traduzir como “Roma falou, a questão está encerrada”, em governês significa: “o chefe falou, ‘tá falado”.

Um partido, uma crise, sempre a mesma causa

10154183_1424179911167839_678078996_n
Desconfio que o partido surpresa destas eleições vai ser o POT. É deles.

A abolição silenciosa (e consentida) da democracia

Give up your rights

Ultimamente sinto-me no filme da democracia New World Order style que se desenrola nos EUA desde o muito mal explicado atentado terrorista de 11 de Setembro de 2001. Há quem acredite que, com o 25 de Abril, assistimos a apenas um PREC. Na realidade foram dois. E ainda que um tenha ficado rapidamente pelo caminho, o “processo revolucionário em curso” levado a cabo pela mesma elite que já governava o país no tempo do outro senhor continua, e conheceu dias de franca expansão desde 2008, altura em que os verdadeiros terroristas do globo decidiram que os países mais vulneráveis da zona euro (entre outros) haviam de pagar as aventuras especulativas dos grandes bancos mundiais e da alta finança em geral. Como resultado de erros que não cometemos e do facto dos 2 partidos e meio que dominam o sistema político serem meros instrumentos nas mãos da verdadeira elite, assistimos hoje ao acelerar da perda de soberania financeira, que de qualquer forma já vinha sendo progressivamente alienada desde a adesão à União Europeia, mais tarde convertida em IV Reich.

[Ler mais ...]

Pagam-lhe mesmo para escrever destas coisas?

Não temos filhos porque começamos a trabalhar a meio da manhã“. Querem ver que ando a mandar dinheiro fora em posts que poderiam ser artigos no Expresso?

Riso comovido

GaiolaDouradaPOSTERO Festival do Cinema Francófono deu a oportunidade aos portugueses residentes em Toronto de verem o filme GAIOLA DOURADA, com legendas em inglês. As duas sessões saldaram-se por outras tantas enchentes  e no final, os aplausos foram fartos, sentidos e gratos por haver uma organização a lembrar-se de proporcionar aos emigrantes um bom filme. Porque, como ficou selado por uma secretária de estado das das Comunidades, do PSD, há anos, os emigrantes portugueses distribuem-se pela Europa, África e o Resto do Mundo. [Ler mais ...]

Propaganda pechisbeque

propagandaPoupar no avião para gastar nos audis (e nos dos sorteios também).

Valores

valores de abril

Um país com um sistema político falhado

Um país assim é aquele onde um qualquer jota, que chega a primeiro-ministro com apenas os votos de uns milhares de militantes, consegue meter o país de pantanas, sem que um contra-poder o consiga parar na sua loucura.

É o que está a acontecer com a fusão entre a Refer e as Estradas de Portugal. Depois de um sussurro na comunicação social, para sondar a receptividade da medida, anuncia-se que se vai proceder a uma transformação profunda num sector crítico para o país, como os transportes, sem que se conheçam estudos, sem discussão pública, sem planeamento e sem, sequer, que se saiba o que se irá fazer.

Vamos fazer de conta que não sabemos a resposta e deixemos uma pergunta: competitividade na oferta não melhora a qualidade do serviço?

estrada e linha

BPN: pagamos e ainda gozam

duraobarrosoO mordomo dos carrascos de Bagdade  veio avisar a pátria de que existe, emigrado, e pretende regressar à sua zona de conforto. Empreendedor como sempre, José Manuel ambiciona disputar o difícil mercado dos candidatos da direita a Belém, intenção que confirmou desmentindo-a numa entrevista.

Mas o cherne da sua aparição foi outro: deixou à campanha eleitoral europeia dos seus uma dica fabulosa: atacar outro notável emigrante, Vítor Constâncio, afirmando que o tinha questionado três vezes sobre o banco do PSD.

A anedota é hilariante: o homem que viu um arsenal no Iraque, que lá não estava, acusa o ex-governador do Banco de Portugal de não ter visto que o BPN era uma associação de malfeitores, que o era, mas onde ninguém tocava, precisamente porque os bandidos são do seu partido e às castas de inimputáveis nada se vê, nunca se investiga, jamais se invade a privacidade das fraudes. [Ler mais ...]

O mais completo aldrabão de que há memória em Portugal

Hoje estive na Universidade Nova a tentar explicar aos alunos de direito o que é o serviço público de media, para que serve e em que se distingue dos serviços estritamente comerciais. O direito de antena fora dos períodos eleitorais é obrigação do serviço público e só por isso esta peça informativa montada pelo principal partido da oposição, mas que poderia ter sido feita, com os devidos ajustes quanto ao prisma partidário, por qualquer órgão de informação independente, foi concerteza exibida pela RTP.

Caso não houvesse o direito de antena, o milhão de portugueses que a viu em directo permaneceria, acossado sob o jugo da propaganda do governo e da inércia da comunicação social, com a temerosa ideia de que a catástrofe que tombou sobre o país foi herdada e não criada por um governo corrupto e incompetente. [Ler mais ...]

Luxos

Em assertiva entrevista, o presidente da Comissão Europeia determinou ser indispensável que surja uma candidatura à presidência da República apoiada por PS, PSD e CDS.

E a democracia? Ah, sim, pois, têm de compreender, isso é luxo de ricos.

barroso

A extrema-direita

Em dia de mentiras, vou-vos contar umas verdades. A extrema direita vai-se instalando pela Europa, trazendo, das ruínas do século passado, os males que se julgavam enterrados. Le Pen em França, uns populistas na Áustria e na Alemanha, Turquia e a censura.

O que é que define estes movimentos? Alimentam nas pessoas a ilusão de poderem ficar em porto seguro se alguns grupos de pessoas desaparecerem. Mentem, manipulam, procuram bodes expiatórios. Apontam soluções fáceis e falsas. Praticam o culto do líder E assolapam-se no poder.

Proponho-vos agora o seguinte exercício: relerem o anterior parágrafo mas como se estivessem a ler sobre Portugal.

espera

Já está? Continuemos.

[Ler mais ...]