Televisões condenadas a realizar debates, só falta os partidos quererem

Já se sabe que os pequenos partidos querem debater. Têm razão, sem debate nunca deixarão de ser pequenos partidos. A questão é se os partidos com assento parlamentar aceitarão o repto. Apesar da notícia dar um belo título, a não ser que algum dos grandes partidos surpreenda, é de crer que as televisões não terão muito que se preocupar.

Renegociação da Dívida: mais um

O número de pessoas que favoráveis a renegociação da dívida portuguesa tem crescido e tende a aumentar. Para muitos, a actual situação é insustentável e estamos perante o tipo de tratamento que mata o doente. Questões de justiça (se os juros e demais obrigações são justos ou injustos) também são para aqui chamadas.

Sabemos já da posição de PCP e BE em relação ao assunto. Agora junta-se-lhes Boaventura Sousa Santos.

O Aventar tentará ir acrescentando nomes à lista dos que defendem esta posição. Estamos em crer que, a breve prazo, teremos uma lista enorme.

Declaração de Voto: a contribuição de um leitor

Paulo Marques

Penso que votar PSD é um erro. O partido quer privatizar tudo o que dá dinheiro e tudo o que garante um mínimo de nível de vida às pessoas. Concordo com varrer as empresas e institutos públicos de caciques, mas tenho muitas dúvidas se PSD será um partido capaz de não arranjar lugar para os seus.
Mas os serviços públicos não servem para dar lucro, pese embora os desperdícios de pagar 15000€ por jornalistas que servem para fazer favores ao regime, e milhões de euros a administradores. Não faltam casos de sistemas privados que funcionam mal, porque estão em posição dominante ou de conluio. Podemos ver o sistema de saúde americano e as privatizações das redes de comboio o que pode facilmente acontecer, sem falar nas dificuldades de regular adequadamente o setor antes de as empresas de habituarem, com a força do monopólio, a laxismos legislativos. Temo o que será da banca sem a concorrência de um banco do estado a impor limites.
Muito menos se deve vender o que dá lucro a preço de saldo. Já a austera Ferreira Leite ofereceu a rede de cobre por trocos, por isso não me parece que corresse melhor esta altura. E depois, por exemplo, a CP fica com o que só dá prejuízo até ser obrigada a fechar, e os bilhetes nas outras linhas duplicam, porque o objetivo passa a ser o lucro e não obter uma rede de transportes que controle externelidades
Passos Coelho prometeu inicialmente que mudaria o sistema eleitoral para um tipo de voto preferencial, mas já chegou à conclusão que prejudicaria o poder do bloco central e mudou o discurso para a simples redução de deputados, o que minaria irremediavelmente a representatividade e fomentaria ainda mais a bi-partidarização corrosiva da nossa democracia. Aliás, a sua convicção democrática é sempre posta em causa por quem conhece o regime da Madeira, cheio de intocáveis e não criticáveis. Ainda esta semana surgem mais dúvidas sobre o quanto está disposto a fazer para roubar um voto, aceitando voltar a referendar o que pode fazer o país voltar a uma situação que ele repudiava, o aborto clandestino. [Read more…]

Declaração de Voto: Declare, Afirme, Pronuncie-se

Iniciada a campanha eleitoral, com as eleições a aproximarem-se e os partidos a manterem distâncias relativamente fixas nas sondagens, o Aventar dá voz ao (e)leitor, convidando-o a expressar-se e a influenciar, se possível, os resultados finais. Pronuncie-se, tenha uma palavra a dizer, a tribuna é sua.

Porque devemos votar ou não votar, porquê num certo partido e não noutro, porquê num certo candidato em vez de outro? Qual a sua opinião?

Junte-se aos muitos (e)leitores que se têm pronunciado e faça a sua declaração aqui

E não me falem mais de pinturas nas escadas monumentais sff

Ficamos assim: eis a prova de que tudo o que se disse contra a pintura que no domingo a CDU fez nas escadas monumentais em Coimbra não passou de uma tentativa da direita de silenciar um partido de esquerda. Não vou perguntar onde estavam os meninos que agora protestam quando a JS teve o seu momento “mural nas escadas“. Nem vou qualificar a atitude do actual presidente da AAC, militante da JS. No esterco só se mexe com luvas.

Confesso que nem me lembrava desta (tradicionalmente o espaço é ocupado pelo PCP), mas apareceu, e não é uma manipulação fotográfica.

Assunto encerrado.

Comícios do PCP e do PS: dois pesos e duas medidas

O PCP foi acusado de vandalismo

foto: PÚBLICO

100 estudantes perturbaram o comício do PCP em Coimbra, nas Escadas Monumentais.

Foram empunhados cartazes e foram ouvidos gritos de ordem.

A manifestação terá sido ilegal.

Nenhum polícia apareceu no local.

Ninguém foi preso.

O momento em que o manifestante é interpelado pelos agentes à paisana

foto: DN

Cerca de 20 pessoas perturbaram o comício do PS em Faro.
 

Foram empunhados cartazes e foram ouvidos gritos de ordem.

A manifestação terá sido ilegal.

Esteve presente polícia à paisana.

Uma pessoa foi presa por polícias à paisana.

Barcelona: se os filhosdaputa voassem não se veria mais o sol

O futebol como desculpa: evitar confrontos se o Barcelona ganhar a final da Liga dos Campeões. À bastonada e a tiro tentam desalojar os acampados em Barcelona, que resistem de mãos no ar.

A seguir deve aparecer uma ordem de despejo noutras cidades baseada no facto de tanto tempo ao ar livre prejudicar a saúde e provocar cancro de pele.

Como cantou o catalão Pi de la Serra, se os filhosdaputa voassem não se veria mais o sol.

[vodpod id=Video.9666122&w=425&h=350&fv=]

veja mais vídeos e fotos:

[Read more…]

leva tracinho…

Discutindo pintelhos

Nos dez mandamentos da “arte da crónica” não consta nenhum que obrigue o cronista a começar por uma citação queirosiana. No entanto, fica sempre bem, dá-lhe um toque de intelectualidade chique e bem pensante. Por isso, aí vai ela. Diz João da Ega em “Os Maias”: “Neste país, no meio desta prodigiosa imbecilidade nacional, o homem de senso e de gosto deve limitar-se a plantar com cuidado os seus legumes.” Ora, no meio desta prodigiosa imbecilidade nacional em que hoje chafurda a alma da nação, que deve fazer qualquer cronista de senso e de gosto? Plantar legumes? Não. Trata-se de uma impossibilidade real. Então, que fazer? Pois bem. Nada mais nada menos do que “discutir pintelhos”, expressão em boa hora recuperada por Eduardo Catroga para o debate político eleitoral que tem decorrido de forma sensaborona e rasteira e chega agora a uma elevação pública e púbica, digna da dimensão desta “pintelheira” patriótica em que vamos forçando, sem arte nem engenho. [Read more…]

Numa Outra Estação

Muitas pessoas estão à espera do comboio.

Primeiro resultado positivo trazido pela troika

Fim dos ajustes directos. Lá se terão que arranjar outras formas de financiamento partidário.

O memorando aperta mais o cerco aos contratos por ajuste directo.
No memorando da troika há responsabilidades adicionais atribuídas ao Tribunal de Contas. Em documentos semelhantes de outros países não se dá tanta ênfase aos organismos de controlo. Esse papel acrescido reporta-se a dois aspectos: contratação pública, cabendo ao Tribunal o acompanhamento muito rigoroso da legislação e o seu aperfeiçoamento.

Está a falar do fim das excepções que facilitam os ajustes directos?
Exactamente, de acordo com o que o tribunal tem dito sobre essa matéria.

Entrevista de Oliveira Martins ao ionline. Outros aspectos interessantes: a questão da auditoria ao Banco de Portugal (“Não é uma questão de que eu possa falar”); visto prévio para as PPP; na responsabilização da gestão privada em PPP , “há processos pendentes que estão em segredo de Justiça”.

Guardas à paisana?!

O momento em que o manifestante é interpelado pelos agentes à paisana  O momento em que o manifestante é interpelado pelos agentes à paisana

fotos: DN

Dois guardas da PSP à paisana encostaram o homem a uma parede, tentaram identificá-lo e, mediante a sua recusa de se identificar, levaram-no para a esquadra. A meio do percurso, testemunhou o DN, o detido ainda reclamou: “Tenho direito a saber porque estou a a ser detido”. [DN]

Vários dirigentes socialistas sublinharam ainda que a manifestação era ilegal. [Público]

Familiares de desempregados da Groundforce, pessoal do aeroporto de Faro, mantiveram a acção de protesto durante todo o comício. [ionline]

Escapam-me aqui umas coisitas.

  1. Só pode ir a comícios quem concorda com o orador?
  2. Os comícios do PS têm direito a guardas à paisana?

Não sei porque é que o PS está preocupado com estes apupos. Se tudo está bem depois da governação socialista, nada há a temer.

Pobres eleitores do centro-esquerda

Percebo o dilema de quem vota tradicionalmente no centro-esquerda. Percebo a orfandade de que padecem os eleitores face à oferta do cardápio eleitoral. Em 2009, nas últimas legislativas, a direita estava desprovida de massa muscular, não era ameaça plausível nas urnas, o governo, diziam os estudos de opinião, era assim-assim, o primeiro-ministro popular e o eleitor de esquerda viu no voto no Bloco, que cresceu sobejamente, uma travessura de percurso, um puxão de orelhas, um ralhete, talvez, para pôr as gentes do governo na ordem. Uma forma de obrigar o executivo, agora sem maioria absoluta, a uma maior humildade e a mais diálogo. A intenção até era boa, pensava-se que os danos colaterais seriam limitados. Sabemos agora, porém, que não houve personalidades que validassem grandes entendimentos e o resultado foi a constante ameaça do caos, uma negociação contínua à beira do abismo.Em 2011, o PSD tem novo líder, ganhou musculatura, mas nunca teve um discurso tão encostado à direita, diz-se, ou pelo menos sente-se epidermicamente, e é uma ameaça nas urnas. O governo já é mau, confirmam os estudos de opinião, a popularidade do primeiro-ministro caiu a pique (será que o PS já vale mais do que Sócrates, quando sempre se afirmou o contrário?), está cansado (estamos cansados?), o Bloco demitiu-se da responsabilidade de negociar a ajuda externa, uma posição que lhe custa votos, as sondagens vêm aos pares e dão empate técnico e o pobre eleitor de centro-esquerda indeciso sente-se asfixiado pela sua responsabilidade. Não votar PS já não é apenas uma travessura, é pactuar com uma vitória dos partidos da direita nas eleições. Votar PS é, sempre, votar no actual governo, premiar um défice histórico, o colapso das contas públicas e a bancarrota. A pouco mais de uma semana do acto eleitoral, percebo o dilema de quem vota tradicionalmente no centro-esquerda, percebo o desejo de alheamento, de fazer a merenda e partir para onde não haja jornais ou televisão.

passos coelho e o diácono remédios

 

Felizmente a lei sobre a IVG é pacífica na sociedade portuguesa, integrando tranquilamente o nosso património social e cultural. Até alguns sectores do catolicismo mais radical acabaram por aceitar a IVG como aceitaram os métodos anticoncepcionais. Mantêm o discurso, resguardam a aparência da ortodoxia, ficam-se por aí. Levantar o assunto da IVG da forma como o fez hoje Passos Coelho aos microfones da Rádio Renascença, é uma manifestação primária de oportunismo político sublinhando o completo desnorte em que o PSD se encontra mergulhado. Para “caçar” meia dúzia de votos! É, provavelmente, o maior erro político de toda esta campanha. Lá diria o diácono Remédios: “num habia nexexidade!”.

(publicado em mais um packard em rodagem)

Eu, penitente pelo impostor Obama

Obama e sua mulher, Michelle, dedicaram esta semana a um périplo pela Europa. Convencido, mas não convincente, o presidente americano assevera que o mundo actual continuará a obedecer à liderança dos EUA e seus aliados europeus; isto, a despeito da China e Índia se revelarem duas potências económicas pujantes e de crescente domínio global, na companhia de outros ‘BRICS’.

Eu, ao ter publicado no ‘Aventar’ este ‘post’, sou compelido a declarar-me penitente pelo impostor Obama que, no vídeo a seguir exibido, recebeu a humilhação merecida de sua majestade a rainha Elizabeth II:

Obama teve o castigo devido, da imoral e decrépita realeza britânica; acerca da qual, de resto, me dispenso de fazer comentários.

Obama é, pois, mais uma das muitíssimas figuras políticas que me desiludiram. Não apenas a mim. Também a muitos mais, como a minha ex-companheira do ‘Aventar’, Carla Romualdo, que afirma: “em tempos recentes acreditei neste gajo”.

Do filme-documentário ‘Inside Job’, já tinha tido sinais de desencanto. Agora, com esta cerimónia no Buckingham Palace, humilhado por gente que sempre viveu à grande da crendice no ideal monárquico, fiquei definitivamente convencido. Neste caso, sim, Obama foi convincente e eu transformei-me em penitente.

Amigos e companheiros na corrida às legislativas

Era o que eles queriam ser, os da corrida para as eleições legislativas, amigos e companheiros. Na prática até aconteceu. O nosso, ate agora Primeiro-ministro, a governar em minoria no seu segundo mandato, teve o cuidado de procurar apoio. Apoio que encontrou em dois dos seus colegas de parlamento e líder de um partido que as vezes ganham, outras perdem, o PSD. Como também acontece no partido que nos governa, auto denominado socialista. Digo auto denominado, pelos tipos de fracções que existem: há os fundadores, há os que entram mais tarde ao partido, e a fracção neoliberal que sustenta um comércio livre, não [Read more…]

Sondagens

Indecisos

 A 10 de Setembro de 2009, a duas semanas das eleições, a Católica captava que 19% do eleitores manifestavam tencionar votar mas diziam não saber em quem. A uma semana das eleições, esse valor tinha baixado para 17%. Agora, a duas semanas das eleições, estamos com 28%. Mas notem como as coisas se complicam quando olhamos para a Marktest: em 2009, na última sondagem antes de eleições, a Marktest captaba 37% de indecisos. Na mais recente, 33,3%. Mas na última sondagem de Setembro de 2009 apenas 2,6% de pessoas diziam que não iriam votar

Pedro Magalhães, e é favor lerem o resto

Rating

As agências de sondagens são como as de rating. Têm os credores nos Conselhos de Administração e dão percentagem aos partidos, de acordo com os juros que lhes vão exigir. O PSD está bem cotado : AAA.
Luís Januário

Dividocracia

Clique na imagem para ver o filme

Este é um vídeo feito pelo público, fique descansado, não vai ver este vídeo aparecer nos media tradicionais.

Quando estiver a ver o vídeo, clique na imagem igual à que se mostra ao lado, para obter legendas em português.

 


 
[Read more…]

Vinho novo em odres velhos

Na falta de auto-estradas ou troços do TGV, o Governo demissionário tem-se desdobrado em entregas de diplomas como se de inaugurações se tratassem. Como é hábito, quem está na Oposição chama isto de oportunismo. Um dia que a agulha mude, trocam-se as vozes nos mesmos discursos.

O Programa Novas Oportunidades até tem aspectos importantes e virtuosos. Entre outros, a aproximação de gerações mais velhas às novas tecnologias, desde a informática às redes sociais. Diversas pessoas, com mais de sessenta anos de idade, descobriram as maravilhas da Internet graças àquele Programa, e disso fizeram um aliado de combate à solidão.

Infelizmente, a ideia corrente que fica é que não tardou que as Novas Oportunidades fossem instrumentalizadas para embelezar a estatística das nossas habilitações literárias, para mais rapidamente subirmos no ranking da OCDE.

Acontece que há muito que a exigência e o mérito capitularam. [Read more…]

Músicas e letras barrocas na Europa e nos Andes. Ensaio de antropologia social

Dedico este texto à nossa próxima neta, ainda sem nome, filha de Félix Ilsley e Camila, nascida Iturra. Tive a premonição que seria menina, menina é. Sentir-me-ei Beethoven e Bernard Shaw, se for nomeada Elisa. Donde, este ensaio sobre arte de música e letras é para a minha imaginada Elisa.

1.Antropologia.

Lembro-me que com vinte anos de idade dava aulas como assistente na Faculdade de Direito e Ciências Sociais da hoje Pontifícia Universidade Católica de Valparaiso, o porto mais amável e lindo do Oceano Pacífico. Encontrava-me a terminar o curso de Direito e Ciências Sociais, quando foi aberto concurso para assistente de várias Cátedras. Os Catedráticos que me estimavam e que sabiam o que eu sabia de Direito Penal, Direito do Trabalho, Direito Comercial, Direito Constitucional e de Medicina Legal solicitaram-me que concorresse. O Colégio de Advogados do Chile tinha-me premiado por ser a pessoa que mais sabia dessas matérias. Apesar disso, bem sabia eu o que existia por detrás desses convites: os 370 votos do operariado de Indústria do nosso pai, mais esses outros 370 das suas mulheres e um considerável número de votos dos seus descendentes maiores de idade. Mais os colegas do Senhor Engenheiro, os técnicos que trabalhavam para ele, e uma família imensa, coordenada pelo próprio Senhor Engenheiro, o nosso pai. [Read more…]

Na Estação

O avô dá alimento ao neto.

Uma questão de confiança

Outdoor PS 2011

Em Lisboa, em Entre-Campos, nem a desculpa entretanto apresentada para não cumprir a promessa de não usar outdoors (colocar “de forma simbólica” um “outdoor por círculo eleitoral”) foi mantida: o painel da foto é composto por um outdoor na frente e outro no verso.

O caso de campanha de ontem foi a artificial troca de argumentos sobre se o PS estaria ou não a usar o medo para condicionar o voto (está) e se o PSD pretende ou não privatizar a CGD (pretende privatizar algumas coisas).

É uma discussão artificial porque é irrelevante. Na verdade, o PS, ele mesmo, comprometeu-se com a troika avançar com a privatização de partes da CGD, para melhorar a gestão do grupo, o que incluirá «uma agenda mais ambiciosa com vista à já anunciada venda do ramo de seguros do grupo, um programa para a eliminação gradual de todas as subsidiárias não nucleares e, se necessário, uma redução de actividades no exterior» (ver ponto 30 da carta do Governo à Troika).

[Read more…]

no pasa nada

 

Dia estranho, o de hoje. Aparentemente não aconteceu nada. Que se estará a preparar?

Declaração de Voto: Faça a sua, diga de sua justiça

Iniciada a campanha eleitoral, com as eleições a aproximarem-se e os partidos a manterem distâncias relativamente fixas nas sondagens, o Aventar dá voz ao (e)leitor, convidando-o a expressar-se e a influenciar, se possível, os resultados finais. Pronuncie-se, tenha uma palavra a dizer, a tribuna é sua.

Porque devemos votar ou não votar, porquê num certo partido e não noutro, porquê num certo candidato em vez de outro? Qual a sua opinião?

Junte-se aos muitos (e)leitores que se têm pronunciado e faça a sua declaração aqui.

Estudantes convocam protesto contra comício do PS em Coimbra

Acusando o ainda primeiro-ministro de ter vandalizado as bolsas de estudo,  pintado as propinas de negro usurpando as cores da Académica e ocupado indevidamente o ensino público com Bolonha, vários estudantes de Coimbra estão a organizar, via Facebook, uma concentração de protesto no espaço onde na próxima 6ª feira vai decorrer um comício eleitoral do PS.

Sim caro leitor, não estando a delirar estou a inventar. Mas imagine por um momento que o parágrafo era verdadeiro. E que uma dezena de estudantes, trajados ou não a rigor, que o Maio vai quente, aparecia no comício, que é real, mandando bocas e tomates, gritando e invectivando. Agora imagine os títulos na comunicação social. Seriam assim:

Estudantes protestam contra cortes nas bolsas e propinas em comício do PS

à imagem do que foram hoje, ou assim:

Estudantes ligados à extrema-esquerda boicotam comício do PS? [Read more…]

Pacheco Pereira, Maria de Lurdes Rodrigues e as Novas Oportunidades

Santana Castilho *

1. Em artigo intitulado “Notas de campanha (1)”, Pacheco Pereira classifica de “reprimenda mal-educada” a Passos Coelho aquilo que eu disse sobre o programa do PSD para a Educação. Pacheco Pereira foi atrevido. Falou do que não conhecia. Deturpou e distorceu. Porque não aceito lições de Pacheco Pereira, ignoraria a diatribe, não fora o respeito que me merecem os leitores do “Público”, que cumpre esclarecer. Passos Coelho prefaciou um livro meu e apresentou-o. O livro é um contributo para um programa de actuação política no domínio da Educação. Por iniciativa própria, Passos Coelho esclareceu aspectos de uma colaboração que me pediu. E entendeu, naquele acto público, referir o meu desapontamento (que lhe comuniquei em privado) com a versão final do programa eleitoral para a Educação do PSD e anunciar que o iria melhorar. Passos Coelho falou antes de eu ter falado e teve a hombridade de reconhecer (coisa pouco usual na prática política corrente) que o programa devia ser melhorado. Porque foi Passos Coelho a tomar a iniciativa de se referir ao que eu não abordaria na apresentação do livro, entendi escolher, para o referenciar, os aspectos que melhor poderiam servir a decisão, autónoma e prévia, (e sublinho o “prévia”) de Pedro Passos Coelho. Do espírito e da forma do que foi dito, quer por Passos Coelho quer por mim, ressaltou frontalidade e cordialidade. Só por ignorância ou má fé alguém pode falar de má-educação. A sala estava cheia. Duzentas pessoas podem testemunhar o que aqui fica, preto no branco. E Pacheco Pereira não estava lá. Ficar-lhe-á bem pedir desculpa. [Read more…]

E a democracia, does it really matter?

A partidarização da Democracia tem turvado uma ideia essencial: é que o Homem, enquanto ser pensante, crítico, activo, antes de se enquadrar numa ideologia, possui as suas próprias ideias. Ora a principal função das ideologias é anular as ideias. Os partidos são sempre sectários. Transformam os indivíduos em militantes que devem acatar, submissos e acríticos, as directivas do conjunto ideológico. Em Portugal, porém, e ao contrário do que se esperava numa sociedade que há 37 anos conhece o valor da Democracia, a ideia de partido continua viva. Cada vez mais viva, aliás. Todos os anos surgem vários partidos e cada um deles cada vez mais sectário: dos Animais, do Norte, da Esperança, dos Trabalhores, da Extrema-Direita, etc, etc. A ideia de que cada um de nós pensa e age aos bochechos ou sob impulsos parcelares é, para mim, insultuosa e mesmo incompreensível. Como é que alguém pode pensar que, por ser de um de um partido de Esquerda, deve, obrigatoriamente, ser contra a NATO, apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo e querer salvar as baleias e os golfinhos? Ou os que não votam no Partido dos Animais são, invariavelmente, a favor de Touradas ou não gostam dos bichos? O mesmo se aplica à Direita, supostamente xenófoba, conservadora e liberal. Devem ser todos os eleitores de direita, ser xenófobos, conservadores ou liberais? E porque é que eu hei-de ser pelo Norte, se é tudo uma questão meramente geográfica e de latitude? [Read more…]

Valdano não resiste a Mourinho

Escrevi isto em Janeiro mas podia ter sido agora. Valdano, eminência parda de Florentino Pérez e jogador de xadrez na sombra, levou xeque-mate.

as felonias dos nossos governantes soberanos

governares

Bem sei que escrevi um ensaio como este, tempos virados. As felonias eram e são as mesmas, pelo que pensei que era bom refrescar a memória. Aliás, nestes tempos, estamps a viver uma quase guerra cívica, pelo debate político que esqueceu a economia do país e, como tenho dito antes, apenas ficamos com a Virgem de Fátima e o Beato Wojtila.

Reconheço ter escrito um texto semelhante, anos virados. Tempos passados de forma cronológica, têm piorado a nossa situação. Temos tornado a ser um povo pobre e sem meios por causa da atitudes da luta política travada que faz esquecer a produção, o lucro, a mais-valia. Enfim, a economia da República.

Não me é fácil escrever estas palavras, menos ainda a palavra felonia, de amplo significado: Rebelião (de vassalo para com o seu senhor), traição, crueldade. Também não me é fácil adjudicar estes adjectivos às pessoas que nos governam, no melhor

[Read more…]

De caras

 

%d bloggers like this: