UE-Mercosul, mais um prego no caixão

Desde que Lula foi eleito, enorme tem sido a azáfama para empurrar para a frente o acordo de livre comércio UE-Mercosul. Depois de ter estado em negociação durante 20 anos, foi, em 2019, assinado um “acordo de princípio” que voltou a ser congelado sobretudo devido aos desvarios de Bolsonaro. Mas agora os ventos estão de feição e a torto e a direito são esgrimidos os argumentos da geoestratégica e do negócio. Durante a visita de Lula a Portugal, António Costa garantiu que Portugal será “ponta de lança” para conclusão do acordo.

Este acordo é “absolutamente estratégico” para Portugal, ao permitir “melhores oportunidades” para aumentar as relações comerciais entre os dois países.”

Como de costume, as oportunidades de negócio são o único critério válido para os governantes. O empenho na concretização desde acordo conhecido por “carros por carne” está no auge. Ainda há arestas por limar, pois os países do Mercosul (Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai) não acharam graça nenhuma ao “Instrumento Conjunto UE-Mercosul” que a Comissão Europeia quer anexar ao articulado do acordo, para proteger aspectos ambientais (sem carácter executório). E em especial o Brasil – depois da viagem de charme de Lula a Portugal e Espanha – já anunciou que abrir as compras públicas aos investidores estrangeiros não, obrigado. E muito bem.

Entretanto a Comissão já tirou da cartola ideias democráticas como dividir o acordo em dois, para fazer passar a parte comercial sem necessidade do “sim” dos parlamentos nacionais. Aliás, o secretismo em que as diligências decorrem é tudo menos democrático. Em Julho (17 e 18), aquando da Cimeira UE-CELAC (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), pretendem as partes chegar a acordo. [Read more…]

Viva o Benfica!

«Feira do Livro de Lisboa prolongada “por causa das comemorações do Benfica”».

Com o AO90, até as consoantes mudas falam!

Recentemente, um aluno de nacionalidade portuguesa pronunciou a palavra “concepção” articulando o /p/. Aproveitei a circunstância e fiz uma pequena sondagem à turma – a maioria dos alunos, para meu espanto, declarou que pronunciava do mesmo modo.

Os três alunos brasileiros não estranharam, porque isso corresponde, em parte, à sua pronúncia, sendo que acrescentam um /i/ de ligação a seguir ao /p/.

Ao longo das últimas décadas, a palavra, em Portugal, foi sempre (ou quase sempre) pronunciada sem a articulação do /p/ (kõsɛˈsɐ̃w̃ – concèção), sendo que essa consoante tinha, entre outras funções, a de obrigar à abertura da vogal pretónica.

O chamado acordo ortográfico (AO90) estipulou a eliminação dessas consoantes mudas, em nome da unificação ortográfica. Assim, em Portugal, passou a escrever-se “conceção”, enquanto, no Brasil, se manteve “concepção”, de acordo com a regra estapafúrdia (porque limitada) de que devemos escrever de acordo com a pronunciação. Em resumo: graças ao esforço de unificação ortográfica, portugueses e brasileiros passaram a escrever a mesma palavra de maneira diferente, quando antes escreviam da mesma maneira. Sim, unificação ortográfica. [Read more…]

Operação Babel: e a vossa autarquia, também recebeu investimento de Elad Dror e Paulo Malafaia??

Em Gaia, o novo caso de alegada corrupção autárquica resume-se a isto: Patrocínio Azevedo, nº2 de Eduardo Vítor Rodrigues e apontado como o seu sucessor, terá recebido 99,6 mil euros e um relógio de luxo para “encontrar uma solução” para que o novo traçado da linha de metro não prejudicasse o projecto imobiliário Skyline, dos empresários Paulo Malafaia (também envolvido na Operação Vórtex) e Elad Dror, um israelita que obteve cidadania portuguesa à luz da lei dos sefarditas, que se tem revelado uma fraude que visa sobretudo substituir os Vistos Gold na venda de nacionalidade portuguesa. Logo aqui, temos o típico inception de trafulhice tuga: esquemas dentro de esquemas dentro de esquemas. Precioso.

Patrocínio, munido com o seu relógio suíço e a sua mala cheia de notas, reuniu-se então com Tiago Braga, presidente da Metro do Porto, e, no dia seguinte, revelou ao amigo e advogado João “Gorila” Lopes que a conversa com Tiago Braga teria corrido “de feição para os interesses dos dois empresários, Paulo Malafaia e Elad Dror” (palavras do Expresso). Mais tarde, Malafaia e Dror terão entregue mais uma quantia em dinheiro e novo relógio de luxo ao vice de Gaia, para que, alegadamente, o lobby junto da Metro do Porto seguisse o seu curso. A peça do Expresso da passada semana afirma mesmo que Patrocínio Azevedo terá recorrido aos serviços de João “Gorila” Lopes para tentar aumentar o suborno. Alegado, claro. [Read more…]

Catarina Martins foi-se embora!

Fotografia: Ana Mendes

[Rui Naldinho]

O Bloco de Esquerda é um pequeno partido do espectro político português que nasceu 25 anos após o 25 de Abril de 1974. Herdeiro de uma série de pequenos partidos sem expressão parlamentar, com exceção da União Democrática Popular (UDP). Uma formação partidária que se assume como uma esquerda não estalinista, em contraponto com o PCP, cuja ligação à ex-União Soviética ainda hoje está latente nalgumas formas de pensar e atuar. De certa forma o BE é o que resulta no eleitorado à esquerda, dos que não se revêem no comunismo, e os que por várias formas se sentem defraudados com os permanentes ziguezagues do Partido Socialista. Eu até diria que, em 2015, o BE recolheu dezenas de milhares de votos de antigos eleitores do PSD frustrados e zangados com a governação da PàF, cuja fatura ainda hoje está a pagar.

Diríamos que o BE é uma espécie de união das freguesias não comunistas, num território à esquerda dominado pelos socialistas, mas que ao mesmo tempo estão nos antípodas da direita portuguesa. Podemos inferir sem grandes dúvidas que o reduto é pequeno. Mas é nesse reduto que este partido se move, com todos os condicionalismos que daí advêm, de ser um partido urbano, sem apetência pela governação dos destinos do país e, ligado a uma certa elite intelectual. Essas fragilidades fazem do BE uma flor de estufa. Mas goste-se ou não é a sua forma de estar na política, daí terem um eleitorado muito volátil, sempre disposto a ir apagar outros fogos, numa altura em que a direita se torna numa ameaça eleitoral, como aconteceu nas pretéritas eleições legislativas. Nem de haver grandes revoluções internas quando nas mesmas passaram de 19 para 5 deputados. Esse drama dá-se, sim, nos partidos de poder, porque altera substancialmente a correlação de forças. [Read more…]

O fim de um ciclo. O início de outro.

Fotografia: João L. Maio

Catarina Martins deu muito à esquerda portuguesa, fez crescer o Bloco de Esquerda (BE) como este nunca tinha crescido antes. Merece, portanto, todos os elogios dos democratas e dos militantes e eleitores do BE.

Perseverante, estóica e delicada, Catarina Martins deu um novo rumo ao BE e um novo rumo à esquerda. Colocou o BE no lugar onde este deve estar: perto das decisões que influenciam a vida das pessoas. Obrigou o Partido Socialista a pôr-se de joelhos, duas vezes. É verdade que, em certas alturas, se aproximou (ou quis aproximar) demasiadamente do poder, mas também é verdade que foi essa aproximação que amedrontou o PS e o obrigou a apostar as fichas todas na maioria absoluta, que hoje é mais empecilho do que virtude para os social-liberais do Largo do Rato. E é, também, graças ao trabalho de Catarina Martins enquanto coordenadora do BE que o PS, quando fala para dentro, tenta ser uma espécie de BE 2.0; enquanto que, quando governa, se mostra como uma espécie de PSD+IL.

Segue-se, presumivelmente, Mariana Mortágua na liderança do partido. Está preparada, ou não estivesse a ser preparada para o lugar há vários anos. Traz consigo a bagagem acumulada da experiência enquanto figura de proa de Comissões de Inquérito e carrega consigo a empatia de muitos dos que se revêem na esquerda à esquerda do PS como uma solução credível para o futuro do país.

Na imagem, Catarina Martins olha em frente, encara o futuro do Bloco onde estará Mariana Mortágua, que na imagem olha para trás, encarando os milhares que a acompanham e torcem por ela. A Catarina Martins, o meu mais profundo obrigado. A Mariana Mortágua, toda a força.

Somos muitos, muitos mil, para continuar Abril.

Mandem carta

Foi enquanto lia uma compilação da correspondência entre dois autores que comecei a pensar: “Ah, bons tempos!”, o que nunca augura nada de bom, é certo. Mas reparem: a carta chegava, quase sempre a horas previsíveis, e podia ser aberta de imediato ou guardada para momento mais oportuno. Guardá-la podia ser, aliás, mais saboroso do que lê-la. Talvez a psicologia ainda não insistisse na importância de adiar a recompensa, mas isso já se praticava.

A carta até podia ser lida nada mais chegasse, mas não se lhe responderia de imediato, a não ser que se tratasse de uma urgência ou de uma fase ainda febril do enamoramento. A resposta ficaria para daí a uns dias. Até lá, ia sendo amadurecida, sopesava-se o efeito desta ou daquela frase. Quando chegava o dia da resposta, voltava a ler-se a carta. Descobria-se, talvez, que se tinha treslido alguma passagem, interpretado mal o sentido de uma frase. Escrevia-se um rascunho de resposta, ocorria-nos uma frase espirituosa, passava-se a limpo. Daí a duas semanas, chegaria a resposta. Uma zanga exigia absoluta intencionalidade de pelo menos um dos interlocutores.

Compare-se isto já não com o email, cada vez mais soterrado em spam, mas com o Whatsapp. Sem ter contribuído em nada para isso, a não ser por possuir um telefone e não viver num eremitério, damos por nós a integrar uma infinidade de grupos de contactos: os amigos de X, a turma de Pilates, os pais do 7º B, os condóminos do prédio, os comensais do jantar de aniversário de Y, aqueles que uma desconhecida Kikas reuniu para enviar felicitações de Ano Novo porque teve preguiça de enviar uma mensagem de cada vez. [Read more…]

Escavacar um monte negro de costa a costa para construir a casa do coelho

O sacro-santo Cavaco Silva falou. Mais uma vez. Sempre que Cavaco fala, especialmente depois de findado o seu tempo enquanto figura activa e parte integrante da política portuguesa, tem um condão: o condão de unir a esquerda.

Cavaco Silva falou e disse. Deixando de parte a baixeza de certas partes do seu discurso, apontou a este governo os traços da incompetência, da desfaçatez, dos números de circo. Não está errado, isso é certo. Teria toda a razão de ser, se tais críticas não fossem feitas por… Cavaco.

Cavaco Silva, o mesmo que agora aponta tantos epítetos negativos ao governo, é o mesmo Cavaco Silva que, no seu segundo mandato enquanto primeiro-ministro (PM), acumulava “casos e casinhos” semana sim, semana não. O mesmo Cavaco que agora enumera os truques deste governo e descreve a bandalheira em que se encontra o Estado de Direito Democrático da República, era o mesmo que, nos seus dias enquanto chefe de governo, via passar-lhe por debaixo do nariz os Dias Loureiro, os Duarte Lima, os Oliveira e Costa, à boleia dos BPNs da vida. Este Cavaco é o mesmo que, enquanto Presidente da República, usava e abusava da comunicação institucional da Presidência para se defender e desmentir acusações de que era alvo. É certo que vivemos hoje na época dos cliques, das vinte e quatro horas ininterruptas de serviço informativo; nos anos 90, tínhamos de esperar pelo fim‑de‑semana, todas as semanas, para sabermos qual era o novo caso em que estava mergulhado o governo de Cavaco. Agora, aparentemente, é o Cavaco dos ataques e das acusações tendo como alvo o Partido Socialista. A memória afecta toda a gente, é um facto, mas não devia afectar Cavaco Silva que, para todos os efeitos, apresenta lucidez quando fala, dentro de casa, da casa dos outros. [Read more…]

Volte sempre, Cavaco Silva!

Sempre que Cavaco abandona o seu retiro presidencial para fazer política, interrompendo a luxuosa transumância entre o Convento do Sacramento e a propriedade na Herdade da Coelha, permutada com o impoluto amigo Fernando Fantasia, três coisas acontecem.

A primeira é o cerrar de fileiras dos partidos à esquerda. Não que se vão entender todos para ressuscitar a Geringonça, mas parece-me evidente que Cavaco tem o poder de, aparecendo, recordar muita gente daquilo que foi o cavaquismo. Que teve todos os defeitos do Costismo e de outros ismos mais.

A segunda é a menorização da liderança do PSD. Montenegro, o primeiro político da história deste país que se propôs a estar 5 anos em campanha para umas Legislativas, tem sido uma desilusão. Não consegue impor-se, apesar da sucessão de casos em São Bento, não consegue travar a ascensão do CH, que se faz, sobretudo, à custa de antigos eleitores do PSD, não se liberta, ele próprio, dos casos e casinhos que o ensombram, entre ajustes directos, ligações opacas em Espinho e uma mansão não declarada, e não descola nas sondagens, pese embora o valor relativo dos estudos de opinião. Teve que vir Cavaco para provocar a agitação que Montenegro é incapaz de causar. [Read more…]

Collor de Mello condenado por corrupção e branqueamento de capitais

o centrão, lá como cá, é um viveiro de corruptos.

Declarações Grotescas

Pedro Soares acusou a direção do Bloco de ir à Ucrânia a convite de uma pessoa de “extrema-direita, com práticas neonazis”, numa delegação parlamentar que integrou representantes do PS, do PSD, do Bloco e da IL.
O massacre de Babi Yar foram cerca de 35 mil judeus assassinados a tiro durante uma semana. Em Babi Yar, o regime nazi teve o seu primeiro ensaio de grande envergadura de extermínio de judeus e de ciganos. Na gigantesca vala que foi escavada em Kiev, seres humanos de todas idades eram colocados em fila, recebiam uma salva de balas e eram de seguida cobertos de terra. Pouco depois chegava o grupo seguinte, que tinha ouvido perfeitamente o que se tinha passado anteriormente. Colocavam-se em fila, era disparada uma nova salva, eram cobertos de terra e assim sucessivamente. Durante uma semana a população das redondezas viveu ao ritmo das salvas e dos grupos de judeus que eram transportados até ao local.

[Read more…]

Tina Turner (1939 – 2023)

A icónica fotografia de Peter Lindbergh para a capa do single Foreign Affair (1989), o quatro do álbum com o mesmo nome, onde figuram temas como The Best, é a melhor imagem de Tina Turner e daquilo que ela representava: uma artista livre e rebelde, que derrubou barreiras e transbordava talento e coragem, a ponto de subir para a estrutura da Torre Eiffel de saltos altos, sem duplos, truques ou cabos de segurança. Talvez sejam os quase 40 anos a falar, mas já não se fazem divas assim. Que descanse em paz.

Uma consulta (muito) atrasada no CUF Porto

Fui pela primeira vez na vida a um hospital da rede CUF. Foi-me recomendada uma profissional para o meu filho, que pelos vistos só exerce lá, de maneira que fui e não bufei. No questions asked.

E o que sucede?

Sucede que a consulta era às 11h, mas só entramos às 11:50h.

Respirei de alívio. Afinal, não é um problema exclusivo do SNS. Agora imaginem que tínhamos governantes competentes para o gerir e financiamento adequado.

Seria uma chatice para o sector privado.

CPI à TAP: uma procissão que nem no adro vai

Foto: Miguel A. Lopes/Lusa

Nunca, como na semana passada, assisti a tantas horas de audições de uma comissão parlamentar de inquérito. Ao todo, entre Frederico Pinheiro, Eugénia Correia e João Galamba, vi, seguramente, para cima de 10 horas de declarações, perguntas, respostas, provocações e alguma grunhisse também.

A primeira conclusão a que cheguei é a de que fiquei a saber muito pouco sobre o que se passou. E menos ainda sobre o que estas 3 audições acrescentaram ao propósito da CPI, que é o de investigar a tutela política da gestão da TAP. Reduzir as manobras por detrás de uma empresa que recebeu uma injecção de milhares de milhões de euros do erário público ao episódio do computador parece-me mais uma cortina de fumo do que outra coisa qualquer.

Fiquei igualmente com a convicção de que estão todos a mentir. Mas julgo que ainda é cedo para termos todas as respostas, se é que as vamos ter. De uma coisa tenho a certeza: quando um grupo parlamentar se reúne de forma secreta com a CEO de uma empresa que é alvo de uma CPI, para se prepararem para a audição dessa mesma CEO, algo de muito errado se passa com a república portuguesa. E o facto de Galamba garantir que estas reuniões são normais e recorrentes só agrava ainda mais o problema. Esta opacidade e o grau de manipulação que encerra são a negação de uma democracia aberta, decente e transparente. [Read more…]

A máquina do tempo

Uma sueca que grita muito voltou a vencer a Eurovisão. O Benfica vai ser campeão. Andam à procura de uma inglesa desaparecida há dezasseis anos. O Cavaco anda a balbuciar coisas de velho.

De repente, estamos em 2010.

Syriza a ver-se grego: as eleições na Grécia

Kyriakos Mitsotakis, dos conservadores do Nova Democracia, é re-eleito. Fotografia: Milos Bacanski/Getty Images

O Partido da Nova Democracia voltou a vencer as eleições na Grécia. Sem maioria, o que obrigará a uma segunda volta e, posteriormente, a uma ginástica parlamentar, mas volta a eleger um governo, depois dos anos em que o partido social-democrata, o Syriza de Aléxis Tsípras, galvanizou o eleitorado farto da crise e dos acordos com os FMIs da vida.

A surpresa é, lá está, o próprio Syriza, que atinge apenas os 20%. Mas, a meu ver, o Syriza não perde votos para a direita conservadora (por muito que, há uns tempos, a estratégica aliança com os conservadores populistas dos Gregos Independentes tenha sido um erro de palmatória – que levou, aliás, a que vários dos seus mais activos militantes saíssem do partido de Tsípras). Perde votos para os outros partidos de centro-esquerda e de esquerda, que crescem. Assistimos ao ressurgimento dos social-liberais do PASOK, que julgávamos já mortos e enterrados, e à subida dos comunistas do KKE. [Read more…]

Operação Babel: porque mentiu Eduardo Vítor Rodrigues?

Sou um grande apreciador da arte autárquica, à qual dediquei muito tempo durante vários anos da minha vida.
Pese embora a imunidade que sempre assiste a qualquer artista das autarquias, é sempre um gosto ver certas coisas acontecerem no meu tempo de vida.

Por exemplo, quando Eduardo Vítor Rodrigues foi ao Porto Canal e disse nunca ter visto o advogado João Barbosa Lopes, a internet foi implacável e mostrou que ele estava a mentir, como podemos ver na foto, onde os dois lideram uma comitiva de não-sei-quê.

O que sucede? [Read more…]

Notas sobre o calimero: o uso da expressão “dois pesos e duas medidas”

O calimerismo futebolês consubstancia-se numa série de expressões fixas que, grosso modo, servem para deixar claro que a nossa equipa é sempre prejudicada pelas arbitragens e/ou por outras entidades mais ou menos obscuras, como a Federação, a Liga ou uma outra sociedade secreta qualquer.

A injustiça de que somos alvo resulta sempre do facto de que somos os enteados prejudicados pelo benefício conferido aos filhos ou que estamos sempre à sombra, quando outros andam constantemente bronzeados.

Diante dessas injustiças, que, para cúmulo, são frequentes e exclusivas, o calimero calejado recorre habitualmente à expressão “dois pesos e duas medidas”. Os outros têm a leveza e a suavidade do benefício; nós suportamos toneladas e hectolitros de subtracções clínicas, desde o penálti sonegado até ao furto do VAR.

O calimero, de uma maneira geral, está plenamente convencido de que tem toda a razão, mesmo quando sabe que os adeptos dos adversários usam exactamente o mesmo, por assim dizer, argumento. É claro que há uma diferença, do ponto de vista do calimero: todos dizem o mesmo, mas só nós é que temos mesmo razão – a expressão fixa é vazia na boca alheia e cheia de significado no nosso lábio que faz um beicinho plenamente justificado.

Fica uma lista de ligações em que se faz uso da expressão “dois pesos e duas medidas”. É divertido, mas nunca será instrutivo.

[Read more…]

O que acontece a quem comete uma ilegalidade?

O Tribunal da Relação considerou ilegal a definição de serviços mínimos para as greves dos professores de 2 e 3 de Março.

Já se sabe que impor os serviços mínimos a uma greve às aulas é indecente, para usar um eufemismo já pouco simpático. De qualquer modo, isso só poderia ser um problema para quem sentisse vergonha.

A partir do momento em que essa imposição foi considerada ilegal, a pergunta é: o que acontece a quem comete uma ilegalidade?

Do Galambagate ao Costagate

Costa segurou Galamba porque a grande ilegalidade da polémica, percebemos ontem pelo próprio Galamba, foi cometida por si, através do seu secretário de Estado adjunto, Mendonça Mendes. Colocar o SIS ao serviço do Governo, e não do Estado posto que o Estado não tinha nenhum interesse em risco, não é aceitável de nenhum ponto de vista e é um precedente grave, mais um, que um governo do PS abre e do qual todos seremos vítimas. Se o SIS está ao serviço do Governo e não do Estado deve mudar de nome para Direção-Geral de Segurança, a versão primaveril da Polícia Internacional e de Defesa do “Estado”.

[Read more…]

Dar colo ao bebé

Ainda alguém me há-de explicar, com racionalidade e argumentos sólidos, por que razão é que o líder da extrema-direita tem direito a tanta exposição mediática nos órgãos de comunicação social deste país.

Afinal, não precisam de me explicar, a resposta é simples: dá audiências. Tanto os que gostam da besta como os que a detestam, são encantados com notícias e entrevistas visando o Chega e seu “querido líder” e nem todos podem ser como eu, que quando vê a cara do homem ou ouve a sua voz, corre para o comando da TV para mudar imediatamente de canal. É um sentimento tão visceral que sou incapaz de manter o “gajo de Alfama” no meu raio de visão ou de lhe dar a oportunidade, nem que seja por um segundo, de me rasgar os tímpanos com a sua voz.

Resumindo, porque já abordei este tema e explanei a minha opinião, o Chega não é um fenómeno político. O Chega é um fenómeno televisivo e, por conseguinte, é um fenómeno de audiências. E não, nem todos são pequeno-burgueses como eu e, como tal, a maioria do país ainda passa muitas horas em frente à televisão, o que faz com que este encantador de antas chegue a casa de muita gente. Portanto, o Chega cresce porque lhe dão palco de forma desmesurada face à sua real importância. Nasceu na televisão, mora na televisão e há-de continuar a ser alimentado pela televisão. É a consequência da mercantilização do jornalismo.

E não é aqui dito que um partido com representação parlamentar (e a sua fundação e existência é outra estória) não deva ter audiências. Mas numa altura em que anda tudo a falar do “crescimento do populismo” e do “combate contra a extrema-direita”, convinha, se calhar, por começar a não ser um veículo para as mensagens da extrema-direita que tanto dizemos querer combater. O aldrabão-mor conseguiu ter apenas cerca de 40 minutos a menos de exposição do que, imagine-se, o primeiro-ministro. Acima do presidente da República. E, pasme-se, o PCP é o único partido que nem sequer aparece no top 10. Se calhar, neste ponto, aqueles que tentam equiparar o Chega ao PCP (e até ao Bloco, que consegue um 8.o lugar), deviam começar por tentar dar mais audiências a BE e a PCP… pelo menos para tentarmos aferir se essa equivalência é, como é, estúpida.

Continuem, portanto, a alimentar o monstro. E ele continuará a crescer.

Já tivemos a “outra Senhora”, agora temos “esta Senhora”

Imagem: António Cotrim/Lusa

A primeira reacção à presença ou até à existência desta Senhora, é, óbvia e compreensivelmente, de repulsa indignada. Não há ninguém, estou certo, que não tenha ficado com a sólida convicção que a Senhora ontem mentiu com “todos os dentes que tinha na boca”. Desde o registo verbal, passando pela ambiguidade que deliberadamente colocava nas respostas e até à total ausência de lógica na narrativa que tentou impingir, tudo, mas mesmo tudo, evidencia falsidade, mentira e desonestidade. Porra, até o olhar denunciava a trafulhice. Para não falar do tique “pokeriano” de quase sempre levar o dedo à sua orelha esquerda sempre que a mentira era objectiva.

[Read more…]

Frederico Pinheiro, a CPI e a propaganda

A comissão parlamentar de inquérito à TAP, agora convertida em comissão parlamentar de inquérito ao GalambaGate, é a prova viva de que, ao contrário daquilo que garantem alguns, as nossas instituições funcionam. Não funcionam nordicamente, mas funcionam.

Ficou ontem também provado que António Costa não tem a imprensa no bolso. Se tivesse, os canais noticiosos, na rádio e na TV, não passariam toda a tarde a cobrir, em directo ininterrupto, as audições de Frederico Pinheiro e Eugénia Cabaço. Toda a tarde e pela noite dentro.

A RTP, que é estatal, ainda estava a transmitir quando escrevi isto, já passava da meia-noite. Não me lembro de tal coisa. É, seguramente, uma das audições mais acompanhadas e televisionadas de sempre. Que Costa deve estar a adorar.

E hoje vai bater todos os recordes, quando for a vez de João Galamba.

Dito isto, o que resta do costismo já não é um governo. É uma sitcom. E João Galamba ainda ser ministro uma piada de mau gosto.

Portugal é um milagre.

Os portugueses estão a tomar banho acima das suas possibilidades

Detesto ser portador de más notícias, mas devo informar-vos que estamos a tomar banho acima das nossas possibilidades.

Significa isto que está na hora de começarmos a tomar banho dia sim, dia não, até porque o mercado livre precisa de água para os abacates. E sem abacates, como sabeis, a democracia está comprometida e este país não tem futuro.

Portanto, deixai-vos de pieguices e aprendei a viver com o aroma do sovaco do vosso semelhante. Ou então emigrai, mas emigrai para Ocidente, que para Leste o fedor só piora.

À míngua

Seca: baixo nível dos aquíferos no Algarve pode aumentar salinização da água

Os lençóis freáticos no Algarve apresentam níveis abaixo do que seria previsível para esta altura do ano, originando perda de qualidade da água subterrânea e aumentando o risco de salinização, advertiu nesta segunda-feira o director regional de Agricultura. “Não sabemos como vai ser o amanhã.” Ainda não foram comunicadas “situações dramáticas”, mas o risco de intrusão salina nas águas subterrâneas é maior em zonas costeiras e em períodos de seca.”

Pois, Sr. director, o que não se percebe é como nos últimos anos permitiram o aumento avassalador das culturas intensivas no Algarve e ainda agora continuam a ser feitas terraplanagens para novas, destinadas a plantações de abacates. Querem mesmo desertificar, é??? Sempre com o paleio (de si ouvido) de que é preciso alimentar o mundo. Pois agora se vê que destruindo o ecosistema, não há produção para ninguém. Anda-se-lhes a dizer as coisas há décadas, fazem ouvidos moucos e só quando a crise desaba é que ai Jesus. Sempre tarde demais, porque a avidez do negócio é sempre insaciável.

Salva-nos, Estado-papá!

Gosto muito desta ideia vanguardista de proibir o fumo à porta dos cafés, restaurantes e outros espaços públicos.

Acho que o próximo passo deveria ser a proibição de tudo quanto é loja de doces e fast food nas imediações de todos os estabelecimentos de ensino. Os miúdos estão cada vez mais gordinhos (ainda se pode dizer “gordinhos”?) e a obesidade é uma das principais causas de morte a nível mundial.

Aproveitemos para proibir também a venda de raspadinhas junto dos locais onde os idosos vão levantar as suas reformas. Não que as raspadinhas impactem directamente na sua saúde, mas de certeza que há uns quantos que gastam o dinheiro dos medicamentos no vício da Santa Casa.

Já agora, porque não proibir os carros no interior das localidades? Se um transeunte não tem que levar com o fumo do tabaco do infractor que fuma no passeio, porque raio há de levar com o fumo do seu escape?

Finalmente, e regressando ao capítulo “dificultar a compra de substâncias perigosas”, já era tempo de proibir a venda de álcool em supermercados, hipermercados, bombas de gasolina, lojas de conveniência, lojas de souvenirs e outros estabelecimentos. O álcool é uma das drogas mais perigosas que existe, mata e agrava problemas de saúde, para não falar na violência doméstica.

Salva-nos do mal, Estado-papá!

Sem ti não sabemos fazer escolhas conscientes. Somos tão burrinhos, Estado-papá! Ainda bem que te temos para escolher por nós.

Como branquear um oligarca russo

Certificando-o judeu sefardita. Portugal tem produção em série, mas até nos EUA se safam em grande.

O influencer de Belém

António Costa para aqui, Marcelo Rebelo de Sousa para acolá, João Galamba (ainda) nas Infraestruturas, a comissão da TAP a arder e ninguém faz a pergunta que falta fazer:

Aquilo que Marcelo andou a fazer com a Santini conta como product placement?

Embaixador da marca não pode ser. O presidente pode ser o influencer mais famoso do país, a par do Ronaldo e da Cristina Ferreira, mas de certeza que há ali uma incompatibilidade qualquer. Em princípio não dá para acumular com Belém. Mas também não surpreenderia se desse. Seria só o Portugal as usual do costume.

Anti-bolha

Combater o consumo de tabaco? Eu, como fumador que padece do mal que é o vício, até concordo. Sei que é para o meu bem, apesar de tudo. Mas eu não preciso de entidades “superiores” pouco recomendáveis, como o é este Estado sem estado, que me digam o que é bom ou mau para mim; para isso, basta-me o bom-senso e, a partir daí, faço as minhas escolhas conscientemente, sabendo que A me faz mal e B me faz bem, escolhendo, ou não, o consumo de A ou B.

No entanto, convinha serem coerentes. Isto de haver lojas de gomas, retalhistas do ‘fast-food’ ou casas de apostas perto de escolas, faculdades e outros que tais, também tem muito que se lhe diga. Se calhar, proibia-se também o consumo de álcool junto a faculdades (ó, caraças!) e o consumo de cocaína junto das administrações das grandes empresas (lá se ia a meritocracia!).

Aliás, esta “moda” de super-proteger os cidadãos, usando as proibições como arma, cheira um bocado a mofo de outros tempos, onde usando a premissa de que “isto é mau para ti” (fosse qual fosse o consumo), o Estado proibia isto e aquilo como bem lhe aprazia. Vai-se a ver e qualquer dia só vamos poder usar fósforos produzidos em Portugal.

Não somos todos o Gino. Não queremos viver em bolhas.

O espectro do socialismo que paira sobre o PSD

Pinto Balsemão afirmou, na intervenção que fez na cerimónia dos 49 anos do partido, que defende um PSD de centro-esquerda, à imagem daquilo que sempre defendeu Francisco Sá Carneiro. Imagino a ovação. E o ar perplexo dos doutores de Castelo de Vide, que acham que o Sá Carneiro era um feroz neoliberal e o PSD um partido nascido para combater o socialismo.